Propósito e confiança: duas faces da mesma moeda na hora de comunicar

Propósito - confiança

O segredo até pode ser a alma do negócio, mas o que dizer da confiança? Sem esta, hoje, é mais difícil consolidar a posição no mercado e atrair novos clientes ou consumidores, que exigem compromisso e, sobretudo, um propósito claro às marcas e organizações.

A importância do propósito

Na era das redes sociais e do imediatismo da informação, tudo é uma questão de segundos e a confiança está, muitas vezes, minada. Ver o mundo através de uma janela digital gera um sentimento de urgência, transversal às gerações, mas com particular peso nas mais jovens, que representam uma importante fatia dos atuais clientes e consumidores. Às marcas e organizações exige-se muito mais do que no passado, levando-as a criar mensagens que identificam o propósito que têm, numa espécie de posicionamento estratégico, seja no plano interno, seja no plano externo.

Mas estamos perante algo muito recente? Um estudo da Harvard Business Research, com uma década, já deixava bem vincado que 64% dos consumidores afirmavam que a sua ligação a uma marca resultava, geralmente, da partilha de valores. Talvez por isso, hoje, qualquer estratégia de marketing que queira ter sucesso aposta no propósito para gerar confiança e, no final, vendas.

 Propósito e confiança

Criatividade na comunicação

A criatividade é sempre uma ferramenta que pode provar o propósito de uma marca. Aqui, têm primazia os conteúdos, em diversos formatos como vídeos, para partilhar a essência fundacional da organização, recorrendo ao plano emocional e humanizando as suas mensagens. No limite, pretende-se gerar ligações mais próximas com os clientes e consumidores, com narrativas cuidadas, que colocam a audiência no papel central, muitas vezes através da participação de pessoas reais.

Ao colocar o propósito no centro da comunicação da marca, é fundamental contar histórias autênticas, exemplos de coragem e inspiradores, para potenciar o que é real. A partir daí, toda a estratégia de comunicação pode ser declinada em diversos caminhos: campanhas publicitárias, call to actions, redes sociais, séries de conteúdos (vídeos e podcast), entre outros.

No 2022 Purpose Power Index, que resulta da análise a mais de 200 empresas de 50 setores de atividade, podemos ver algumas das empresas que têm liderado nestas áreas. Destacamos, por exemplo, a arte de storytelling associada à Patagonia ou o poder de ação da Seventh Generation, empresa da Unilever, que criou uma petição em que interpela o presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, a declarar a emergência climática.

Propósito e confiança

Desafios para criar confiança

Mais do que afirmar o propósito, as marcas precisam de atuar – em nome da confiança. As audiências, convertidas ou não-convertidas aos serviços e produtos, querem ação e liderança em questões como ambiente, direitos humanos, governança, responsabilidade social corporativa, entre outros.

Hoje, estes temas estão integrados naquilo que se conhece por ESG (em inglês Environment, Social, Governance). Mas basta ler a imprensa para perceber que, no atual contexto de crise, estas políticas sustentabilidade não-financeira, ligadas aos pilares ambiental, social e de governança, estão sob ataque.

Nos Estados Unidos da América, por exemplo, a polarização política está a usar o ESG como arma de arremesso entre o Partido Republicano e o Partido Democrata, sobretudo no que diz respeito a questões ligadas ao desinvestimento em combustíveis fósseis, que representam uma parte importante no emprego e na atividade económica do país.

Dados divulgados pela Mckinsey indicam que mais de 90% das empresas do índice S&P 500 já reportam indicadores ESG. Estes são importantes para reforçar a confiança dos:

  • Clientes: procuram marcas com as quais se identificam e partilham valores.
  • Investidores: o acesso a investimento é já facilitado pela aplicação ou não de critérios ESG.
  • Financiadores: a banca e os fundos privilegiam as empresas que estão na linha da frente em matéria de sustentabilidade.
  • Fornecedores: em toda a cadeia de valor há stakeholders que procuram parceiros que implementem boas práticas.

Também na comunicação estes indicadores são elementos diferenciadores e de confiança. Contudo, muitas empresas de menor dimensão não dispõem de meios para realizar relatórios de sustentabilidade não-financeira e atestar as boas práticas que desenvolvem nas diversas frentes que mencionámos atrás. De qualquer forma, sempre que possível, devem usar a informação disponível e real, gerando confiança junto do público a que pretende chegar.

Todos nós já ouvimos falar em greenwashing, quando uma organização ou marca comunica dados ou iniciativas que atestam a sua responsabilidade ambiental através de alegações erradas, irrelevantes e até de informações fraudulentas. Não arrisque porque o potencial benefício pode revelar-se fatal.

Propósito e confiança

Como impactar a geração Z?

A geração Z (pessoas nascidas entre o fim da década de 1990 e 2010) é, hoje, um enorme desafio para as marcas, por ser uma geração com espírito ativista, que menos palavras e mais ações.

A mesma exerce uma grande influência sobre as outras gerações, conforme atesta o Barómetro de Confiança Edelman de 2022.

No mesmo estudo, lê-se que 62% dos inquiridos, com idades entre os 14 e 26 anos de idade, pretendem trabalhar em organizações que procuram impactar positivamente as sociedades, resolvendo os atuais problemas. Ou seja, esta deve ser um dos focos das marcas e organizações, na sua busca do propósito.

 

Em tempo de balanços e na antecâmara de um novo ano, necessita de reformular a sua estratégia de comunicação? Entre em contacto connosco e fique a conhecer estas e outras formas de comunicar com impacto, tendo por base o propósito da sua organização para gerar confiança juntos das audiências.

Ebook: A importância da Newsletter para as organizações

newsletter

A Newsletter (Ebook) é um dos vários tipos de E-mail Marketing e uma forma muito importante que os profissionais de marketing e comunicação têm de se envolverem com os seus potenciais e atuais clientes atuais, bem como com os colaboradores da organização.

A newsletter consiste num tipo de mensagem enviada, eletronicamente, para utilizadores registados. Quando dinamizada de forma regular e com conteúdo relevante, torna-se numa poderosa ferramenta de comunicação.

Hoje em dia, as newsletters devem fazer parte das estratégias de marketing, na medida em que permitem, por um lado, informar e educar o público a que nos dirigimos e, por outro lado, obter métricas de de quem as lê.

Mas então qual é o objetivo de uma newsletter?

Uma newsletter apenas é bem-sucedida se o seu conteúdo for apelativo. Ao determinar que conteúdo utilizar, é importante ter em conta a regra 80/20: 80% do conteúdo deve ser educacional e apenas 20% promocional. Os subscritores estarão sempre mais disponíveis para comprar se a substância da newsletter se dedicar a informação relevante relativa à sua indústria e interesses.

Em termos de jornada do consumidor, o objetivo de uma newsletter não é vender, mas sim proporcionar uma informação que seja suficientemente aliciante para o levar ao site – e aí sim, fechar a venda. Ou seja, numa primeira instância, a newsletter promove um clique no Call To Action – mas como 35% dos marketeers enviam aos seus clientes 3 a 5 e-mails por dia, é importante que cada newsletter seja altamente personalizada.

newsletter

E quais são as vantagens e desvantagens de implementar uma Newsletter?

Vantagens:

  • Aumento da exposição da empresa, bem como dos seus produtos/serviços;
  • Custo reduzido comparativamente a outras ações de marketing;
  • Não demoram muito tempo a ser criadas, quando já existem outros conteúdos para complementar as ideias principais;
  • Boa forma de manter e aprofundar o relacionamento com os leitores;
  • Aumento do tráfego nas redes sociais/site.

Desvantagens:

  • Podem ter uma taxa de abertura muito reduzida;
  • Caso não tenha conteúdos finalizados previamente pode ser um processo demorado;
  • Pode acrescentar pouco ou nenhum valor se a mensagem não for adequada ao recetor;
  • A mensagem pode ser detetada como spam acabando por não ser lida.

 

O Newsletter Guidebook, que faz parte dos BloomCast Content Series, é um documento desenvolvido pela BloomCast Consulting com o objetivo de fornecer informação útil e facilmente acionável para definir a linha comunicacional que deve ser utilizada no desenvolvimento de todo o tipo de conteúdos de comunicação. Nele poderão encontrar as melhores práticas para criação de uma Newsletter bem como algumas estatísticas e factos relevantes.

 

Faça o download aqui!

Pode ver outros Ebooks aqui.

Clipping e análise de resultados: os fundamentais da Assessoria de Imprensa

Como em qualquer outra atividade relacionada com o negócio, a monitorização e a análise de resultados na Assessoria de Imprensa são fundamentais para medir o impacto da estratégia utilizada para determinada empresa, permitindo revê-la quando se verifique essa necessidade, seja por influência dos resultados, ou por alterações estratégicas de posicionamento.

Relatórios de clipping e análise de relatórios são atividades bastante familiares aos profissionais de relações públicas, sendo uma parte bastante importante do seu trabalho. Afinal, são estas atividades que permitem medir os resultados do seu trabalho ao longo do tempo de colaboração com determinado cliente.

clipping assessoria de imprensa

Clipping: O que é e qual a sua importância

A monitorização de notícias e referências sobre determinada organização ou marca – ao que os profissionais de comunicação chamam clipping – é uma atividade familiar para a maioria dos que trabalham em relações públicas. É neste momento que são apurados os resultados da Assessoria de Imprensa.

Esta tarefa pode ser feita manualmente pelo consultor de comunicação, através da pesquisa por palavras-chave sobre determinada empresa nos motores de busca, e hoje pode ser feita com a ajuda de ferramentas como o “Google Alerts”. Alternativamente, pode também ser automatizada através da contratação do serviço a empresas externas especializadas em recolha de clipping, que já utilizam tecnologias avançadas de monitorização, conseguindo, por isso, uma deteção mais rápida e assertiva dos vários resultados.

clippping

Através da estruturação e organização destes resultados, é possível medir vários indicadores que são relevantes para a análise da estratégia que está a ser levada a cabo para determinado cliente. Desde o número de vezes que a marca é citada nos meios de comunicação social, em quais é citada com maior frequência, passando pela audiência atingida, até à perceção da reputação, aferida através do tom da notícia. Com base nestes indicadores, é possível perceber a eficiência das ações de comunicação e avaliar a estratégia para os objetivos definidos.

Outra vantagem da monitorização com base em indicadores definidos previamente, é poder estendê-la aos concorrentes diretos e comparar os resultados com os mesmos.

Chegou a vez de transformar o clipping em relatórios: E agora?

À semelhança daquilo que acontece em áreas com uma base mais inerentemente analítica, como as redes sociais, em assessoria, os relatórios são documentos com informação valiosa, mas mais morosos, pelo que é essencial que o consultor de comunicação antecipe esta necessidade, para que possa colocá-la no seu planeamento. O primeiro passo é definir, em conjunto com o cliente, uma periodicidade para a apresentação dos relatórios, que vai depender do tipo de exposição que a organização tem e qual a relação com a agência (se é um projeto de curta ou longa duração).

clipping relatórios

Após estar definida a periodicidade da apresentação de resultados, é necessário contemplar um planeamento interno que facilite esta análise quando chega a altura dos relatórios. Aqui, o trabalho do consultor fica facilitado quando o cliente recorre ao serviço externo de clipping, o que possibilita a extração de alguma parte dos resultados, já estruturados. Caso contrário, terá de ser criado um modelo que permita esta compilação de resultados, que pode ir desde a tradicional folha de Excel, a modelos mais avançados possibilitados pelas tecnologias já existentes.

Para uma análise eficaz dos resultados, os relatórios devem espelhar os objetivos definidos na estratégia de comunicação, bem como as iniciativas de comunicação realizadas para ir ao encontro dos mesmos. Por fim, devem apresentar o relatório de clipping de modo a espelhar o resultado do trabalho desenvolvido. Estes resultados, quando analisados corretamente tornam-se grandes aliados dos profissionais de comunicação e dos seus clientes, uma vez que revelam pontos fortes e pontos de melhoria.

Afinal, os dados, por si só, não são suficientes. É preciso analisá-los e pensar em como aproveitar esta análise para a melhoria contínua.

 

Está a repensar a sua estratégia de comunicação para 2023? Contacte-nos e descubra como podemos ajudá-lo.

Na BloomCast, definimos estratégias e desenvolvemos as comunicações dos nossos clientes, de acordo com as necessidades dos seus negócios. Conheça-nos!

 

Para ler outros artigos sobre o mundo da comunicação e quais as boas práticas que deve implementar, consulte aqui.

 

5 dicas para beneficiar do algoritmo do LinkedIn

Com cerca de 810 milhões de membros no mundo e quase quatro milhões em Portugal, o LinkedIn é considerada a maior rede social de networking. Com especial foco no percurso de empresas e pessoas, uma presença no LinkedIn tem vários objetivos como encontrar o trabalho certo, conectar com outros colaboradores, fortalecer relações profissionais, e criar brand awareness para futuros clientes.

Atualmente, mais do que rede social associada à empregabilidade, o LinkedIn também foca-se no mundo dos negócios, tornando-se um canal de comunicação privilegiado tanto para os profissionais como para as empresas consegue gerar mais de 277% de leads em comparação ao Facebook ou ao Twitter.

Assim, e porque é tão fulcral para dar a conhecer a sua empresa ou mesmo o seu perfil pessoal, é importante saber destacar-se. Para tal, é necessário encontrar maneiras de beneficiar do algoritmo do Linkedin.

LinkedIn

O que é o algoritmo do LinkedIn?

De acordo com o SocialChamp, o algoritmo do Linkedin define o que o utilizador vê no seu feed, desde posts de empresas e de outros utilizadores até tópicos populares ou anúncios. De modo a determinar a probabilidade de o utilizador ver um post, o algoritmo interpreta reações, partilhas, comentários, pedidos de conexão e outros fatores de engagement.

O seu processo passa por quatro fases: o filtro inicial, uma sessão de teste, atribuir pontuação do conteúdo e avaliação pelos funcionários. Com o filtro inicial, o conteúdo é colocado por bots em três categorias:

  1. Spam
  2. Low-quality
  3. High-quality/Clear

Após a fase inicial, o conteúdo é enviado a uma audiência para testar a popularidade do mesmo. Nesta fase, é importante a audiência não reportar o conteúdo como spam. Por essa razão, o conteúdo deve ser bem pensado e apropriado ao LinkedIn.

Depois da sessão de teste, o algoritmo irá pontuar o conteúdo por cada reação, comentário ou partilha que o conteúdo tiver. Com esta pontuação, o algoritmo define se o post é low-quality ou high-quality/clear. No final, se o conteúdo for considerado high-quality ou clear, será avaliado por “funcionários do LinkedIn”. Posteriormente, os funcionários decidirão se enviam o conteúdo para mais pessoas (dentro ou fora da rede do utilizador) ou se terminam o seu percurso.

Os primeiros 60 minutos da publicação de um conteúdo são os mais cruciais e, consequentemente, é importante saber como os utilizadores e empresas podem beneficiar do seu algoritmo. Para tal, foram identificadas cinco dicas:

  1. Ser relevante

O algoritmo do LinkedIn favorece mais a relevância de conteúdo do que a altura em que foi publicado. É importante mostrar aos utilizadores conteúdo que seja relevante para eles. Para esse propósito, deve ser feito um estudo da audiência e de pesquisa de palavras-chave para saber quais são os tópicos e temas mais relevantes.

  1. Construir uma rede estratégica

Construir uma rede alargada e diversificada é crucial para expandir uma marca ou desenvolver o utilizador num ambiente profissional. Através de uma estratégia de construção de rede, os utilizadores podem ver a sua marca a alcançar mais pessoas, gerar leads e comercializar-se no LinkedIn. Algumas estratégias incluem convidar conexões para seguir a conta/página e promoção da conta através de outros canais de comunicação, tais como outras redes sociais, website e newsletter.

LinkedIn

 

  1. Definir as melhores horas para publicar

Definir o horário correto para fazer as publicações é essencial, dado que se um utilizador publicar a um horário em que ninguém esteja ativo poderá demorar horas até que o conteúdo tenha algum tipo de engagement. Por essa razão, é necessário ser definido um horário em que os utilizadores estão mais ativos.

 LinkedIn

  1. Criar conteúdo original e envolvente

Para se posicionar no LinkedIn, é importante desenvolver um conteúdo que seja original e envolvente para o utilizador. É necessário incentivar o engagement do conteúdo, através de menções de pessoas e empresas, sendo deste modo mais propício a que estas comentem e partilhem. No caso das empresas, estas podem recomendar aos seus funcionários que partilhem e interajam com as publicações feitas. Adicionalmente, testar vários formatos de conteúdo pode igualmente ajudar a perceber que tipo de conteúdo tem melhor performance.

 

  1. Otimizar com o LinkedIn Analytics

LinkedIn Analytics é essencial para quantificar e avaliar a performance do utilizador/página. Os dados fornecidos pelo LinkedIn são importantes para se saber se os objetivos estipulados estão a ser cumpridos ou não. É através dos dados que se pode observar o tipo de conteúdos que estão, ou não, a ser favorecidos pelo algoritmo.

LinkedIn

É importante saber como trabalhar em conjunto com o algoritmo de cada rede social, uma vez que será esse algoritmo que irá levar uma publicação a ter mais alcance e engagement. Igualmente importante é estar sempre atualizado nas mudanças do algoritmo, dado que este é alterado todos os anos.

De forma a aumentar a sua presença no LinkedIn, tenha sempre em conta o algoritmo na sua estratégia. Para saber mais acerca de como criar uma estratégia de redes sociais em 2022, consulte o nosso  “Ebook: tudo o que precisa de saber sobre estratégias de social” ou entre em contacto connosco.

Ebook: A Evolução do E-mail Marketing para impulsionar a comunicação

Capa E-mail Marketing

O e-mail marketing (ebook) é uma forma direta de marketing, que utiliza o correio eletrónico para promover os produtos ou serviços, gerando leads, tráfico para um website ou compras de um produto.

Desta forma, esta ferramenta faz parte das estratégias de marketing digital e consiste no envio de e-mails para clientes e potenciais clientes, permitindo que se mantenham informados, através de mensagens personalizadas, construindo assim uma relação de proximidade com o destinatário.

Apesar de ser um dos conteúdos digitais mais antigos, e de muitos considerarem que é uma arte perdida, o e-mail marketing continua a ser uma importante forma de comunicação, e uma das mais utilizadas e mais eficientes ferramentas de marketing digital. 

A evolução do E-mail Marketing

Anteriormente, as principais ferramentas de comunicação nas áreas de Marketing, Comunicação e Publicidade baseavam-se sobretudo no fax, telefone e correio. Quando surgiu o e-mail, os profissionais da área viram uma solução rápida, económica e segura para chegar aos seus clientes e, sobretudo, a potenciais clientes. 

Assim, as organizações começaram a investir neste tipo de estratégias, principalmente com o surgimento do Hotmail, em 1991. 

As estratégias de e-mail marketing começaram a contemplar indicadores de desempenho, métricas de avaliação e conversão e outros instrumentos do marketing digital que são amplamente utilizados atualmente. As funcionalidades do e-mail evoluíram de tal maneira que, hoje em dia, assumiu um papel imprescindível no desenvolvimento da imagem das marcas e na captação de clientes.

ebook_email marketing

 

Os diferentes tipos de E-mail Marketing: 

  • E-mails Transacionais – Estes são desencadeados pelo comportamento do consumidor. Normalmente, materializam-se através de recibos, confirmações de pedidos, ou confirmações de pagamento. Têm uma taxa de engagement alta, porque derivam de ações diretas dos clientes. 
  • E-mails Comportamentais – Estes tipos de mensagem são personalizados e baseados no comportamento do consumidor. Ao conhecer os seus clientes e as suas buyer personas, é possível adequar os e-mails para serem relevantes ao buying cycle de cada um. Alguns exemplos deste tipo de e-mail marketing são, recomendações, cross-selling, pedidos de feedback de produto, e-mails de boas-vindas, e-mails de final de períodos de experimentação. 
  • E-mails Promocionais – Um e-mail promocional é uma forma de valorizar um cliente fidelizado através de promoções exclusivas para os assinantes. Isto transmite uma ideia de exclusividade, fazendo com que os mesmos estejam mais atentos aos e-mails e com isto exista um aumento da taxa de abertura e de conversão. Sendo assim, a chave nesse caso é segmentar o conteúdo de acordo com o perfil e o estado de compra do lead, como em todos os tipos de e-mail marketing. 
  • NewslettersAs newsletters são um tipo de conteúdo que permite construir brand awareness e reconhecimento. Por norma, são utilizadas para comunicar de forma mais regular com os seus subscritores, podendo conter apenas um texto simples ou uma estrutura mais composta com imagens e texto formatado. 

 

O E-mail Marketing Guidebook, que faz parte dos BloomCast Content Series, é um documento desenvolvido pela BloomCast Consulting com o objetivo de fornecer informação útil e facilmente acionável para definir a linha comunicacional que deve ser utilizada no desenvolvimento de todo o tipo de conteúdos de comunicação. Nele poderão encontrar as melhores práticas para criação de um E-mail Marketing bem como algumas estatísticas e factos relevantes. 

 

Faça o download aqui!

Pode ver outros Ebooks aqui.

O tempo da comunicação para o sucesso dos negócios

O Tempo da Comunicação para o sucesso dos negócios

Definir uma arquitetura para a comunicação, uma estratégia que permita assegurar a coerência para quem vê/lê a informação da empresa, é um valor inestimável.

O digital é uma das palavras do momento. Logo, o digital já era. É hoje um dado adquirido na operação das empresas e faz parte da forma como operam, com maior ou menor sofisticação.

As redes sociais eram uma novidade em 2000. Mas muitas das originais já não existem e outras surgiram entretanto. O e-mail era a norma na comunicação, as soluções colaborativas para reuniões e partilha de informação são para muitos a base de trabalho atual. Os modelos de negócio dependentes de longas cadeias de abastecimento eram o modelo a seguir, mas as disrupções dos últimos anos levaram as empresas a procurar alternativas com maior resiliência, que assegurem que os produtos chegam a tempo e horas ao seu destino. A realidade aumentada está muito próxima de explodir em número de utilizadores e modelos para a sua aplicação, e há inúmeras empresas a experimentar o metaverso, mas sem ter a clara noção de como se irá concretizar.

O trabalho presencial, que era globalmente visto como o modelo de referência, parece um passado distante numa altura em que todos nos habituamos, de uma forma que se considerava inexequível, a modelos híbridos. Mesmo processos antes inteiramente presenciais, como a aquisição de uma viatura, já têm uma forte vertente não presencial. A crescente importância dos ditos nómadas digitais é uma nova realidade, em que a procura de talento para as organizações já não está restringida à cidade, à região ou ao país. A fluidez passa a ser a norma versus os processos sequenciais tradicionais, e as organizações transformam-se de hierárquicas em flexíveis.

Por outro lado, as empresas passaram a assumir posições em temas relevantes, seja de sociedade, ambientais ou económicos. Tudo isto leva as lideranças a assumirem um papel mais ativo para o exterior, com o natural escrutínio associado. A realidade está em constante mudança, e nem sequer afloramos aqui o tema da guerra em curso, que todos esperamos termine em breve.

O desafio é conseguir ligar todas estas realidades distintas, manter uma proximidade às equipas que lhes permita, sejam presenciais ou distantes, sentir-se unidas em torno dos valores da empresa e chegar aos clientes tendo em consideração a análise do seu perfil proporcionada por sistemas de analítica, por forma a mantê-los informados das decisões estratégicas. Dar-lhes o que pretendem, mas também interpelá-los com novas propostas que lhes podem interessar. Dar a conhecer aos restantes interlocutores e ao mercado a visão, estratégia e objetivos da organização.

Nunca a comunicação foi tão importante e, no entanto, como com o digital, comunicar não é o problema, já que existem inúmeras opções para chegar aos interlocutores. Como comunicar, com quem comunicar, em que canais, em que momentos e com que mensagens é a chave essencial para assegurar que somos compreendidos, conhecidos e marcamos uma posição no mercado. Que mostramos a liderança, a capacidade de nos adaptarmos a uma realidade em perpétua mudança. As empresas passaram de entidades fechadas ao exterior, com uma comunicação específica, a transparentes, em que é possível ter uma visão da forma como operam, gerem as suas equipas (Glassdoor, anyone?) e trabalham com os seus fornecedores.

Definir uma arquitetura para a comunicação, uma estratégia que permita assegurar a coerência para quem vê/lê a informação da empresa, é um valor inestimável. A proliferação de conteúdos e a facilidade de encontrar informação relevante e fidedigna online (naturalmente, aqui o foco são os sites de entidades reconhecidas e conceituadas, que são cada vez mais fáceis de destrinçar, felizmente) criaram novos desafios. É necessário mudar a abordagem à comunicação, tornando-a mais interpretativa e capaz de trazer informação relevante, mais rica e que tire partido de recursos como a infografia, o vídeo, a imagem. E que consiga ser não intrusiva.

Este é (também) o tempo da comunicação.

 

Publicado, inicialmente, na Exame, versão online. Artigo de Opinião de Rodolfo Oliveira, Managing Partner da BloomCast Consulting.

aqui, para outros artigos de Rodolfo Oliveira.

 

 

TikTok: uma oportunidade de comunicação para as empresas

TikTok

Apesar de à primeira vista ser encarado como uma plataforma para vídeos curtos de comédia e de dança, é importante recordar que, depois de ter ganho notoriedade durante a pandemia, atualmente o TikTok é já a sexta rede social mais popular no mundo.

Assim, são cada vez mais as oportunidades para as empresas neste espaço. Afinal, a rede social com 1 mil milhões de utilizadores ativos por mês é um espaço para ver e ser visto, o que representa uma oportunidade para as marcas se conectarem às suas audiências de uma nova forma. Adicionalmente, com o lançamento da funcionalidade de TikTok Shopping, o potencial comercial da rede social continua a crescer.

Existem muitos benefícios em utilizar o TikTok para promover uma empresa ou um negócio. Como uma rede social especialmente popular entre os utilizadores abaixo dos 34 anos, pode ser um local valioso para as empresas se conectarem e interagirem com este público. Adicionalmente os formatos inerentes a desafios virais ou tendências na rede social permitem mostrar um lado mais humano das mesmas (permitindo acesso aos bastidores do escritório, dando a conhecer os colaboradores ou mostrando como um produto é feito) o que permitirá às marcas relacionarem-se mais com os seus clientes de forma mais orgânica.

TikTok

Neste sentido, o aspeto mais importante de marketing para o TikTok é interação do utilizador com o conteúdo criado. Os desafios são, neste sentido, um convite para os utilizadores criarem os seus próprios vídeos afetos à marca e empresa – e esta forma de conteúdo gerado pelos utilizadores aumenta a credibilidade da marca e ajuda a atingir maior visibilidade. Desde já, existem marcas que estão a apostar nestas mais-valias e a otimizar o potencial da rede social, servindo-se das tendências, desafios, livestreams ou até experimentando com as ferramentas de edição e áudios virais para criar vídeos que representam a sua marca. A Colgate, por exemplo, criou o desafio #MakeMomSmile para celebrar o dia da Mãe, que incentivava os utilizadores da aplicação a arranjar formas criativas de fazer a sua mãe sorrir. Este desafio tornou-se sensação e arrecadou até à data 5.5 mil milhões de visualizações na aplicação.

Outro caso de uma marca que têm vindo a ganhar notoriedade no TikTok é o Duolingo. A sua utilização da mascote desta app de aprendizagem de línguas, a coruja, em vários desafios e tendências virais, concedeu notoriedade à sua social media manager Zaria Parvez, que tem sido destacada em várias notícias por ter tornado a empresa pioneira neste rede.

Mas nem só as marcas de maior renome beneficiam de estar no TikTok. Existem inúmeros exemplos de empresas pequenas que beneficiaram por promover os seus produtos ou serviços no TikTok da forma correta. Mas a verdade é que, para quem não é utilizador regular da rede social, pode ser difícil imaginar como criar uma conta de TikTok Business e como melhor a operacionalizar. Por isso, recomendamos os seguintes procedimentos:

  • Manter em mente a essência do TikTok

    Quando se entra na aplicação, a página inicial, ou For You Page, tem muito conteúdo renovado constantemente, curado apenas pelo algoritmo (baseado nas interações dos utilizadores) que incentiva a que vídeos sejam relevantes, únicos e diferenciadores, de modo a se destacarem. Para isto, é importante manter em mente a natureza da plataforma e da audiência. O conteúdo deve ser divertido e num tom mais descontraído, sem que sejam sacrificados os valores da marca ou empresa. Adicionalmente é importante que os vídeos sejam o mais autênticos possíveis, sem recorrer a grandes guiões.

    TikTok

  • Utilizar anúncios

    O TikTok tem atualmente uma forte componente de conteúdo pago, que deve ser aproveitada, já que o alcance potencial dos mesmos (apenas para o público acima dos 18 anos) é de 884,9 milhões de utilizadores. No TikTok Ads Manager podem ser criados, geridos e monitorizados anúncios que depois são exibidos no meio do conteúdo orgânico, na For You Page. Estes são uma estratégia valiosa para chegar a diferentes públicos de maneira mais certeira.
    Existem vários tipos de anúncios que podem ser dinamizados, como os infeed ads (descritos acima), os TopView ads (em que um anúncio da marca aparece mal o utilizador abre a aplicação) ou mesmo os Branded Effects (em que uma marca cria um efeito que qualquer utilizador pode usar para dinamizar os seus vídeos).

  • Participar nos desafios

    O TikTok vive de desafios e os mesmos tendem a tornar-se virais já que os utilizadores os aproveitam para dar asas à criatividade e crescer a sua plataforma. De modo a utilizar estas iniciativas a seu favor, as marcas que não os criam (como foi caso do exemplo da Colgate) devem participar nos mesmos, mostrando que se mantém atuais. É importante que antes de participar as empresas definam objetivos para a participação nesse desafio, tal como vender um novo produto, promover um evento ou criar brand awareness.

O TikTok é uma das mais populares plataformas de vídeo online do mundo que em muito pode beneficiar as empresas – se elas souberem agarrar a oportunidade.

Com o alcance que esta rede tem atualmente, o mais provável é que o conteúdo lá colocado chegue a todas as outras redes, já que o TikTok é notório por criar movimentos que ganham outras proporções. E não interessa o tamanho da empresa pois no TikTok qualquer marca pode ganhar notoriedade. O que mais importa é agir como um criador – ainda que se pense como um marketeer.

Para saber mais acerca de como criar uma estratégia de redes sociais em 2022 consulte o nosso Social Media Guidebook, parte dos BloomCast Content Series, ou entre em contacto connosco.

Ebook: Blogs, a ferramenta que pode impulsionar a comunicação de uma empresa

Ebook Criação de Blogs

Com a popularização da internet no início dos anos 2000, anos antes de as redes sociais “explodirem”, plataformas de partilha de conteúdos assumiram uma figura de destaque no quotidiano das pessoas. Entre estas destacamos os blogs (Ebook), que começaram como diários pessoais no ambiente digital, mas rapidamente foram encarados como um meio ideal para divulgar informações e ideias.

Podemos entender o conceito blog como um website com updates regulares, que pode tanto ser utilizado para uso pessoal como para preencher as necessidades de um negócio. Por exemplo, um blog de uma empresa é um site à parte ou uma secção no próprio site, dedicada inteiramente à criação de conteúdo escrito sobre a indústria da empresa. Neste sentido, os blogs são uma forma de inovar no conteúdo e partilhar conhecimento sobre um determinado tema, sendo que é um tipo de conteúdo comunicacional capaz de trazer bastantes vantagens para o negócio.

Com a criação de artigos ou “posts” especializados, uma organização consegue não só posicionar-se enquanto especialista no assunto, como também humanizar a empresa, através da partilha de histórias sobre colaboradores ou clientes, demonstrado um lado menos formal para além da esfera corporativa

Ebook Blogs, a ferramenta que pode impulsionar a comunicação de uma empresa

Mas o que são artigos de blogs?

Um artigo de blog consite numa página de um site que trata um subtópico específico. Por exemplo, se criasse um blog sobre moda para incorporar no seu website de retalho, um dos posts poderia ser intitulado “Os melhores sapatos para o Outono.” Ou seja, esta publicação estaria relacionada com o tópico do blog, mas também falaria de um subtópico muito específico (sapatos de outono).

Desta forma, todas as publicações devem estar associadas ao site principal, de modo a permitir que o seu website seja descoberto por qualquer pessoa interessada num dos subtópicos. Para além disso, os artigos de blog permitem que o site apareça em motores de busca, através de uma variedade de palavras (tornando-se importante otimizar o SEO dos seus artigos)

Ebook Blogs - ferramenta que pode impulsionar a comunicação de uma empresa

O que dizem os números?

  • Segundo o o W3 Tech, a plataforma de gestão de conteúdo WordPress detém mais de 42,8% da internet;
  • De 2021 a 2025, a indústria do marketing de conteúdos deverá crescer em 417,85 Mil milhões de dólares (ReportLinker);
  • 77% da população lê regularmente blogs online;
  • Cerca de 70 Milhões de novos posts são publicados mensalmente no WordPress;
  • 97% dos bloggers utlizam Social Media para potenciar os seus resultados;
  • Os bloggers de sucesso despendem de, aproximadamente, quatro horas para escrever um artigo;
  • Segundo o Social Marketing Writing, os bloggers consideram que um blog aumenta a credibilidade de um determinado site;
  • 62% dos millennials afirma que o conteúdo online de uma marca é fundamental para os manter fieis à mesma

 

O Blog Guidebook, que faz parte dos BloomCast Content Series, é um documento desenvolvido pela BloomCast Consulting com o objetivo de fornecer informação útil e facilmente acionável para definir a linha comunicacional que deve ser utilizada no desenvolvimento de todo o tipo de conteúdos de comunicação. Nele poderão encontrar as melhores práticas para criação de um blog bem como algumas estatísticas e factos relevantes.

 

Faça o download aqui!

 

Pode ver outros Ebooks aqui.

 

 

A importância da Assessoria de Imprensa para as Organizações

Assessoria de Imprensa Organizações

Desde os primórdios das Relações Públicas que a Assessoria de Imprensa se assume como uma das principais funções que um profissional de comunicação deve exercer no seu dia-a-dia laboral. No entanto, em pleno século XXI, ainda, são várias as pessoas que têm o hábito de considerar estes dois conceitos sinónimos, o que não é de todo correto.

A Assessoria de Imprensa tem como objetivo apresentar de uma forma positiva, consistente e credível, a missão, os valores, os princípios e as práticas de uma determinada organização junto dos seus públicos, através de relações estabelecidas com os órgãos de comunicação social. Ou seja, a Assessoria de Imprensa está associada à relação que uma empresa estabelece e pretende estabelecer com os diferentes meios de comunicação social. Já as Relações Púbicas podem ser definidas como um processo de comunicação estratégico que visa construir relações mutuamente benéficas entre a organização e os seus diversos públicos, não se restringindo, somente, aos jornalistas como é o caso da área de Assessoria de Imprensa.

O grande desafio da Assessoria de Imprensa

Estabelecer uma relação saudável e duradoura com os meios de comunicação social pode representar uma tarefa muito complicada para qualquer organização, na medida em que são sempre os jornalistas que têm o poder de decisão se um determinado tema terá interesse ou não para os seus leitores. Neste sentido, um passo imprescindível para potenciar uma relação positiva e mutuamente benéfica com os media passa por ler o maior número de jornais, revistas, artigos, entrevistas, de forma a familiarizarmo-nos com as diferentes áreas de interesse de cada jornalista. Por outro lado, estaremos também constantemente atualizados sobre tudo aquilo que a atualidade e o quotidiano nos trará.

 

Importância Assessoria Imprensa

Desta forma, conseguimos identificar 4 razões pelas quais à Assessoria de Imprensa é fundamental no contexto organizacional:

  • Maior reconhecimento da marca

Uma forte campanha de Assessoria de Imprensa pode ajudar a uma determinada marca/organização a aumentar o seu reconhecimento e notoriedade, bem como reforçar a sua reputação junto dos diferentes públicos. Desta forma, ao incorporar esta função das Relações Públicas no seu plano de comunicação, conseguimos, através de uma cobertura positiva e consistente nos órgãos de comunicação social, criar awareness sobre a marca nos consumidores e potenciais consumidores.

  • Maior credibilidade

Quer seja uma startup ou uma multinacional é sempre importante ter a confiança dos nossos públicos. Os consumidores tendem a ser fiéis às marcas e aos produtos em que têm confiança. Por exemplo, a maioria dos consumidores utiliza um determinado produto durante vários anos porque desenvolveu uma ligação de confiança com a marca e pode ser muito difícil persuadir esses mesmos consumidores a optar por outro produto. A Assessoria de Imprensa, por sua vez, pode também ajudar a conseguir esta ligação, promovendo autenticidade, confiança, transparência e credibilidade nos conteúdos desenvolvidos. Pois, todos têm as suas preferências e é por essa razão que é importante, do ponto de vista empresarial, ter assessores de imprensa que compreendam o mundo dos media e que assegurem que o seu conteúdo está a ser visto pelo público certo.

Por outro lado, é também essencial compreender que os públicos procuram, cada vez mais, organizações e conteúdos credíveis. De acordo com um estudo recente da Forbes, 33% dos millennials dependem de blogs antes de efetuarem uma compra e 43% valorizam a autenticidade do conteúdo quando consomem notícias. A razão pela qual os blogs e os influenciadores são tão populares hoje em dia é porque ambos são conhecidos pela sua autenticidade. Especialmente numa época em que pode ser difícil diferenciar o conteúdo comercial do conteúdo editorial, os consumidores querem saber se o que estão a “consumir” é autêntico e real.

  • Maior autoridade

Ter uma relação positiva e a longo prazo com um jornalista pode significar que este, quando necessita de uma fonte para um artigo ou para uma reportagem, poderá recorrer à nossa organização e aos nossos speakers. Isto pode ser bastante útil para a empresa se estabelecer como uma fonte de informação relevante e credível junto dos diversos públicos.

  • Capacidade de controlar uma crise

Uma organização que apresente uma relação madura e positiva com os media, pode ser vista como o ponto chave para sobreviver em tempos de crise. Ou seja, quando uma crise acontece, é importante analisar a situação, ser transparente e enviar uma declaração aos meios de comunicação social o mais rapidamente possível. Rumores e mal-entendidos espalham-se rapidamente e podem ser prejudiciais à reputação e imagem da empresa. Contudo, quando uma organização já tem uma relação próxima com os meios de comunicação social, as hipóteses de controlar a mensagem que serão transmitidas são maiores.

Assessoria Imprensa para Organizações

Desta forma, conseguimos compreender que se torna cada vez mais imperativo que as empresas olhem para as Relações Públicas e, neste caso em particular, para a área da Assessoria de Imprensa como uma função estratégica da organização fundamental para o crescimento e sucesso do negócio. Uma empresa que não contemple a relação com os órgãos de comunicação social poderá ser facilmente ultrapassada pelos seus concorrentes, na medida em que a sua posição no mercado e ligação aos seus públicos estará mais fragilizada.

 

Acha que o seu negócio necessita de uma maior cobertura mediática para 2022? Entre em contacto connosco e fique a par de todos os detalhes!

 

Curioso para descobrir os mitos da assessoria de imprensa? Podem encontrar aqui  ou aqui, para encontrar outros artigos.

 

 

BloomCast renova com a LG Portugal no LinkedIn

BloomCast renova com a LG Portugal no LinkedIn

Pelo terceiro ano consecutivo, a BloomCast será responsável por dinamizar a comunicação da página de LinkedIn da LG Portugal. A consultora de comunicação terá como principal desafio reforçar a visibilidade e a notoriedade da empresa enquanto player de referência no mercado das tecnologias.

«É com grande satisfação que renovamos a colaboração para comunicar uma marca com a notoriedade e relevância nos seus mercados chave como a LG Portugal. A nossa aposta é sempre num trabalho próximo e cuidado com todos os nossos clientes», comenta Rodolfo Oliveira, managing partner da BloomCast Consulting.

Mais informações aqui.

In Marketeer.

 

Pode ler, aqui, outras notícias da BloomCast.

1 2 3 9