Os 5 mitos da assessoria de imprensa

Assessoria de imprensa bloomcast consulting

Ao longo dos últimos 20 anos, a perceção relativa à importância da assessoria de imprensa para uma organização que pretenda, efetivamente, ser competitiva no mercado tem alterado radicalmente. Assim como o exponencial crescimento dos meios de comunicação social tem vindo a reforçar, cada vez mais, a necessidade de uma determinada empresa/negócio contratar uma agência de comunicação para trabalhar as suas Media Relations. 

Mas então o que é a assessoria de imprensa?

Mitos da assessoria de imprensa

A assessoria de imprensa é uma área da comunicação que tem como principal objetivo desenvolver relações saudáveis e mutuamente benéficas com os meios de comunicação social. É bastante utilizada na divulgação de produtos e eventos, na partilha de informação de temas corporativos da empresa e na gestão de crises.

Se no início dos anos dois mil muitas organizações aumentaram as suas apostas no trabalho das agências de comunicação como forma de reforçar a promoção das suas marcas, nos anos seguintes é possível afirmar que estes foram marcados, essencialmente, pelo amadurecimento da relação empresa – agência de comunicação – imprensa.

Atualmente, restam poucas dúvidas, no que diz respeito aos excelentes resultados que uma estratégia de comunicação bem elaborada pode alcançar. No entanto, existem ainda vários mitos sobre o trabalho de assessoria de imprensa que são necessários clarificar:

  1. Basta contratar uma agência de comunicação para a área de assessoria de imprensa e não se faz mais nada

Este pensamento é ainda comum em algumas empresas. A ideia de que a agência fará todo o trabalho sozinha não só é errada como pode ter uma influência negativa nos resultados. O cliente precisa de ter a consciência de que terá um papel fulcral no processo, além de fornecer à agência o acesso direto às informações mais relevantes da empresa, inclusive àquelas mais sensíveis e passíveis de se transformarem em crise. Este é, sobretudo, um trabalho de parceria entre as duas entidades com vista à obtenção de melhores resultados.

  1. Amigos jornalistas? Se sim, resultado positivo garantido

Na verdade, não é bem assim. Saber identificar jornalistas-chave para a empresa é um dos pontos fundamentais para que o trabalho de assessoria de imprensa seja eficiente, assim como é essencial  desenvolver uma relação saudável e de confiança com estes. No entanto, devemos ter sempre em mente que os editores são profissionais que trabalham em canais comprometidos cujo objetivo passa por informar os seus leitores sobre a atualidade ou temas que façam sentido para estes. Por outras palavras, os jornalistas podem optar por aceitar ou não uma proposta de entrevista, assim como podem publicar informações passadas pelo cliente em off-the-record, apesar da boa relação que têm.

 

Mitos da assessoria de imprensa_bloomcast

  1. Somos demasiados pequenos para ter uma agência de comunicação a fazer assessoria de imprensa

Este também é um mito bastante comum entre pequenas e médias empresas, uma vez que entendem que os seus produtos/serviços nunca receberão grande atenção por parte da imprensa ou que não têm dimensão para comunicar. Devemos sempre comunicar, independentemente do tamanho que a empresa tenha, porque só assim é possível tornar uma organização mais conhecida, de forma a alcançar os objetivos propostos. Mas, para tal, é necessário, numa primeira fase, identificar quais os temas, bem como os meios de comunicação social que mais fazem sentido para aquela organização.

  1. O meu produto é o melhor do mercado. Por que razão é que a agência não consegue peças sobre o mesmo?

A maioria das empresas acha que os seus produtos/serviços são as melhores opções dos respetivos mercados – e muitas vezes são mesmo. No entanto, quando se propõe uma peça aos meios de comunicação social, este ângulo, de forma isolada, pode não representar motivo suficiente para o desenvolvimento de uma reportagem ou entrevista, uma vez que pode ser considerado como comercial.

Por outro lado, também a recente queda do número de jornais e revistas tem proporcionado uma luta feroz por espaços editoriais entre as empresas e os seus concorrentes. Mais do que nunca, apresentar informações relevantes, ser atual e impactar de alguma forma um grande número de pessoas são pontos essenciais para o possível desenvolvimento de peças. Se não cumprirmos estes requisitos – e o cliente não está disposto a contribuir com dados expressivos, análises, entre outras coisas– é possível que a conversa com o jornalista não evolua como esperado.

  1. Enviar vários comunicados de imprensa, por semana, para os jornalistas de forma a aumentar as probabilidades de publicação

As empresas que têm o hábito de semanalmente de encher as caixas de entrada dos jornalistas com informações pouco atraentes correm o grande risco de entrarem para a lista dos “chatos” ou “daqueles que não têm nada para dizer”.

Como acontece com qualquer outro stakeholder, as relações com os meios de comunicação social devem ser construídas com tempo e, por isso, é necessário preparar previamente um plano abrangente de comunicação, no qual devem ser identificados momentos-chave de interação com esse mesmo público. Ou seja, deve-se evitar enviar Comunicados de imprensa de forma massificada, uma vez que isso não será bom nem para a imagem da organização, nem mesmo para a relação com a imprensa. Neste sentido, devem ser avaliados os temas e quais os melhores formatos para ser comunicados, sendo que existem temas que podem apenas fazer sentido ser comunicados internamente e não através de media, por exemplo. .. Quantidade nem sempre é sinónimo de qualidade. Esta máxima vale também para as Media Relations.

 

Desta forma, conseguimos entender que trabalhar em assessoria de imprensa não é algo tão “fácil” como se costuma dizer. Existem regras que devem ser cumpridas e comportamentos que devem ser adequados ao contexto. Somente desta forma é que conseguimos desenvolver as nossas funções da melhor maneira possível, realizando um trabalho eficaz e eficiente para o cliente.

 

Para ler outros artigos sobre o mundo da comunicação e quais as boas práticas que deve implementar, consulte aqui.

Procura mais informação sobre como definir uma eficaz estratégia de comunicação externa que faça sentido para a sua empresa? Contacte-nos e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

Projeto: OrCam Technologies, uma visão do futuro

BloomCast Consulting OrCam

OS NOSSOS PROJETOS

 

A OrCam Technologies é uma empresa israelita líder em soluções de assistência baseadas em inteligência artificial, que conta com dois produtos, OrCam MyEye e OrCam Read para auxiliar as pessoas cegas e visualmente incapacitadas.

A OrCam é cliente da BloomCast desde outubro de 2019, e tem vindo a reforçar a sua presença no mercado português, criando uma sólida rede de parcerias e comunicando de forma consistente e coerente, através de mensagens-chave impactantes.

 

O DESAFIO LANÇADO:

Aumentar a notoriedade e reconhecimento dos produtos OrCam no mercado português, posicionando-os como uma referência nos setores da inovação, da tecnologia de assistência e da saúde.

Para isto, é necessário trabalhar a comunicação de temas sensíveis afetos à deficiência, à cegueira e à dislexia e à educação, comunicando os seus produtos direta e indiretamente através destes temas. O maior desafio residia em criar mensagens que mostrassem as dificuldades que as pessoas com algum tipo de limitação visual passam, e como os produtos da OrCam poderão ajudar a ultrapassar as mesmas em vários contextos do dia-a-dia, bem como no trabalho e instituições de aprendizagem.

Adicionalmente, criar ligação com os vários públicos-alvo (pessoas com baixa visão, familiares de pessoas com baixa visão, profissionais de saúde, organizações, público em geral) é um objetivo do cliente, já que o mercado de soluções de assistência de visão é muito saturado, logo é necessário dar a conhecer o quão inovadores os produtos da OrCam Technologies são.

Finalmente, a OrCam pretendia obter embaixadores da marca, fazer trabalho junto de influencers e divulgar parcerias com influencers internacionais, trabalhando o aspeto digital e jovem da marca. A equipa da BloomCast está também responsável por mediar as parcerias que a OrCam Technologies foi formando em Portugal, especialmente com instituições de ensino.

A NOSSA RESPOSTA

Deliverables:

  • Estratégia de Media Relations
  • Comunicação One-to-One com OCS específicos
  • Fortalecimento de relação com os jornalistas nacionais
  • Mediação de parcerias com instituições de ensino
  • Sugestão e coordenação de ações com influencers e brand ambassadors

 

Entrevista Orcam SIC bloomcast consulting

https://sicnoticias.pt/programas/futurohoje/2019-11-12-Uma-camara-que-ajuda-a-ver

OrCam - Exame informática Bloomcast

https://visao.sapo.pt/exameinformatica/videos-ei/eitv/2019-11-11-Exame-Informatica-TV-n-666/

 

A abordagem escolhida tem sido uma comunicação de lançamentos dos produtos, prémios, e histórias de utilizadores e embaixadores da marca. Adicionalmente, através de artigos de opinião e entrevistas tem sido mantida uma presença regular de Fabio Rodriguez, Country Manager de Portugal e Espanha, apresentando o expertise da empresa nos setores previamente mencionados.

Forbes entrevista orcam bloomcast

https://www.forbespt.com/vendas-da-orcam-technologies-atingem-130-em-portugal/

Em setembro de 2020, a marca divulgou uma parceria com a lenda do futebol Lionel Messi. O projeto pretende dar a conhecer as soluções de tecnologia de assistência visual e torná-las mais acessíveis a pessoas com várias dificuldades de visão, sensibilizando também para os desafios enfrentados pelas pessoas cegas ou com deficiências visuais. Como parte integrante desta parceria, a OrCam levará o Messi a conhecer dezenas de pessoas cegas em todo o mundo, de modo a tornar sonhos em realidade: conhecer a estrela de futebol cara-a-cara e receber do jogador um OrCam MyEye. Apesar de não haver nenhum utilizador português, a divulgação da história do utilizador brasileiro teve um grande impacto nacionalmente.

OrCam - Observador bloomcast

https://observador.pt/2020/09/09/o-trajeto-de-superacao-de-mizael-conrado-que-comoveu-messi-o-primeiro-embaixador-da-orcam-technologies/

De modo a reforçar a identidade portuguesa da marca, tem ainda sido feito um extenso trabalho relacional junto dos parceiros no setor da educação (Biblioteca Nacional de Portugal, a Escola Maria Amália Vaz de Camões (em Lisboa) e o Instituto Politécnico de Leiria) e no setor da baixa visão (SERTEC e Ataraxia). No Dia Mundial do Livro, a 23 de abril de 2021, os mesmo foram envolvidos pela BloomCast numa ação de awareness relativa ao desafio da leitura para pessoas com baixa visão. O vídeo de Youtube desta colaboração foi partilhado nas redes sociais da OrCam Technologies.

 

“Quando entrámos no mercado português em 2019, percebemos que precisávamos de um parceiro para dois tópicos cruciais: ajudar-nos a aumentar o brand awareness e aumentar o conhecimento da população portuguesa acerca dos desafios que as pessoas com dificuldades de visão enfrentam. A BloomCast provou-se desde inicio um parceiro fantástico e, num espaço de meses começámos a ver resultados em meios de comunicação de renome, que nos permitiram posicionar como os melhores inovadores na indústria. A nossa forte posição de vendas no país é uma combinação de muitos fatores, mas temos a noção que o trabalho da BloomCast tem sido uma contribuição crucial” – refere Fábio Rodríguez, Country Manager de Portugal e Espanha da OrCam Technologies.

 

Descubra, aqui, mais acerca das soluções OrCam Technologies, que estão a mudar a vida de milhares de pessoas em todo o mundo.

Aqui, para ver outros Casos de Sucesso.

 

Entrevista PME Magazine: “A presença digital ganhou uma relevância maior”

pme magazine rodolfo oliveira bloomcast

A consultora de comunicação, BloomCast Consulting, foi fundada em 2012, nasce com a missão de ser uma “ponte” entre os negócios e as estratégias de comunicação para os públicos-alvo das empresas. Desenvolve várias estratégias consoante os canais em questão, garantindo cinco valores chave: o foco no cliente, a transparência, a integridade, a excelência e a cidadania.

Em entrevista à PME Magazine, Rodolfo Oliveira, o Managing Partner da Bloomcast Consulting, analisa os últimos anos da empresa, evidenciando como é que a própria se adaptou à crise pandémica e de que modo é que a transformação digital foi crucial para o contínuo desempenho das atividades da Bloomcast e das PME e startups.

PME Magazine (PME Mag.) – Tome em consideração este último ano. Qual considera ter sido o maior desafio, em consequência da pandemia covid-19, que a Bloomcast teve que ultrapassar?

Rodolfo Oliveira (R. O.) – A pandemia foi um momento singular, porque as crises tipicamente têm impacto a um nível específico, e esta mudança teve impacto em todos os aspetos da vida das organizações e das sociedades, criando um momento único de disrupção. A prioridade foi, em primeiro lugar, criar uma comunicação que reforçasse a evidência de que a BloomCast estava disponível, operacional e a adaptar os seus modelos de trabalho e operacionais para responder aos desafios dos seus clientes, ajudando-os também a atravessar um momento desafiante. Neste sentido, o maior desafio passou por solidificar a comunicação omnicanal da empresa, aproveitando um desafio, a falta de proximidade física uns dos outros, e dos clientes para criar uma proximidade digital como nunca tinha sido forjada anteriormente (através de redes sociais, newsletters, e novas iniciativas de comunicação).

“A comunicação permite criar as pontes que ligam todos os interlocutores, numa lógica omnicanal.”

PME Magazine – Consequentemente, como é que a pandemia veio interferir no desenvolvimento/funcionamento e trabalho da empresa?

R. O.  – No que toca ao funcionamento da BloomCast procurámos aplicar a mesma lógica com os nossos clientes. Assim, mantendo a proximidade com os mesmos, procurámos reforçar a comunicação de cada um, mostrando a parceiros que se encontravam a par dos novos desafios. Muitas vezes isto passou por estar atento à comunicação feita momento a momento por cada setor, e por uma avaliação estratégica daquilo que faria sentido cada cliente comunicar, nesse espaço. Tomámos também consciência do problema em curso no nosso ecossistema, e fomos pioneiros na oferta de assinaturas de um vasto leque de meios de comunicação social, dando um sinal ao mercado, mas também proporcionando aos nossos clientes mais informação para os ajudar a manterem-se informados num momento de transformação acelerada e em que os pressupostos do seu negócio podem mudar de um dia para o outro. Temos sempre a perspetiva de que os nossos clientes são também nossos parceiros e estamos numa busca permanente da melhoria do nosso serviço para assegurar a sua satisfação.

PME Magazine – Considera que a pandemia obrigou a aceleração para a transição digital das PME e startups?

R. O.  – Claramente que, face à impossibilidade de manter uma ligação personalizada e próxima, a transição digital é o caminho para manter e reforçar a ligação entre todos os interlocutores das PME, como de qualquer empresa, independentemente da sua dimensão. No caso das startups, muitas já nascem da perceção deste espaço e momento únicos, em que a desmaterialização permite uma flexibilidade incomparavelmente superior, e em que uma empresa pode competir facilmente em qualquer mercado, especialmente no setor dos serviços. O mercado é global, e as organizações, sejam grandes, PME ou startups, podem claramente beneficiar desta oportunidade para acelerar o seu crescimento.

PME Magazine – Como é que as PME e startups tiveram que se reinventar? Qual a importância de acompanhar o processo de transformação digital e a pandemia?

R. O.  – Em primeiro lugar, os processos de negócio tiveram todos de passar para um modelo virtual e não presencial. Isso tem implicações profundas, seja ao nível do funcionamento interno, seja dos processos com clientes e fornecedores. A presença digital ganhou uma relevância maior do que no passado e, de forma transversal, registou-se um forte crescimento do comércio eletrónico.  A pandemia implicou que tudo o que era anteriormente feito de forma presencial passou a um formato desmaterializado. Do lado da comunicação, esta mudança teve como resultado, para quem não estava ainda com processos de digitalização mais sofisticados em curso, o rápido estabelecimento de uma presença digital relevante, criando canais de comunicação adequados e processos de acompanhamento dos clientes ao longo da sua jornada de interação com a empresa. Os canais de entrada/acesso dos clientes às empresas multiplicaram-se, e a comunicação passou a ser omnicanal por definição, sendo essencial assegurar por um lado a integridade e coerência da comunicação efetuadas nos diferentes canais e, por outro, a continuidade da mesma.

PME Magazine – De que modo a utilização de ferramentas digitais potencializaram o investimento?

R. O.  – As ferramentas e tecnologias digitais constituem a base para o crescimento das organizações, desde a simples renovação do conceito das funcionalidades esperadas dos sites à utilização das redes sociais para estabelecer canais de comunicação com todos os interlocutores. Também as redes sociais viram o seu papel reforçado como espaço de interação e comunicação, assim como tecnologias mais recentes, como os podcasts e os webinars. Do lado das tecnologias que tornam possível esta transformação digital, temos desde o cloud computing à inteligência de negócio e à inteligência artificial, ou a realidade aumentada, as quais permitem criar vantagens competitivas, gerar novos modelos de negócio e tornar o mundo cada vez mais próximo.

“A transição digital é o caminho para manter e reforçar a ligação entre todos os interlocutores das PME, como de qualquer empresa, independentemente da sua dimensão.”

(…)

Entrevista dada por Rodolfo Oliveira, Managing Partner da BloomCast Consulting à PME Magazine. 

Pode ler toda a entrevista aqui.

 

aqui, para outros artigos de Rodolfo Oliveira.

Princípios básicos da comunicação interna

comunicação interna bloomcast

A comunicação interna é uma função estratégica que combina filosofias, valores, propósitos, pessoas, significados, canais e práticas, sendo um elemento decisivo no atual mundo organizacional e atuando como um agente de mudança e coesão interna. No entanto, para que a comunicação interna seja bem-sucedida, esta deve ser planeada e intencional, no sentido de atingir objetivos específicos.

Além do seu carácter estratégico, é imperativo que esta área da comunicação esteja ligada aos comportamentos, às atitudes e à componente emocional dos colaboradores da organização. É uma função que atua muitas vezes como mediadora, criando pontes de ligação entre as pessoas e a organização, através da partilha de informações e significados.

Neste sentido, identificamos 5 princípios básicos que são fundamentais e transversais à prática de comunicação interna:

  1. Colaboradores em primeiro lugar

Em todas as organizações, os colaboradores devem ser vistos como a personagem principal. Isto é, além do sucesso depender do trabalho e bom desempenho dos colaboradores, estes são a cara e a personificação dos valores da organização junto dos stakeholders. É fundamental, portanto, que sejam os primeiros a saber tudo aquilo que se passa na organização de forma transparente. Pois, só assim é que a relação de confiança colaborador-organização poderá fortalecer.

comunicação interna_bloomcast

  1. Conhecer as pessoas

Perante a importância que os colaboradores assumem, os responsáveis pela comunicação interna têm de conhecer as pessoas da organização, nomeadamente as suas motivações, competências, interesses, conhecimentos, atitudes e comportamentos. É fundamental perceber aquilo que motiva as pessoas e o que procuram em diferentes aspetos, seja ao nível da aprendizagem, formação, evolução na carreira, estabilidade, saúde ou segurança. Desta forma, a comunicação interna, em conjunto com outras áreas, poderá desempenhar um papel importante na resposta às expectativas dos colaboradores.

  1. Conhecer a organização

Para além de apresentarem um conhecimento profundo de todas as pessoas da organização é fundamental que os profissionais de comunicação interna compreendam a estratégia, os objetivos, o setor e o negócio da mesma. Ter uma visão e compreensão clara sobre fatores que podem afetar a organização, são pontos essenciais para uma resposta rápida e eficaz a possíveis desafios que possam surgir.

A comunicação interna deve estar igualmente a par dos fluxos de comunicação e informação que ocorrem nas organizações. Deve existir uma atenção permanente às informações que circulam nos corredores, para que possam ser evitados eventuais boatos.

  1. Envolver a Liderança

comunicação interna bloomcast consulting

No que diz respeito aos líderes, estes devem ser, por um lado, fontes credíveis dentro da organização e por outro, ser percecionados como tal pelos colaboradores. Para que isto seja possível é então necessário que estejam presentes em vários momentos de comunicação, mantendo uma presença consistente e próxima juntos dos colaboradores.

É também importante que existam comunicações regulares em nome da organização (Newsletters, Ebooks, Blog…), demostrando não só que existe transparência, mas também abertura para o diálogo entre chefias e colaboradores. Desta forma, os colaboradores sentem que são ouvidos, podendo intervir em temas da empresa.

No entanto, pode existir alguma resistência a este tipo de interação com os colaboradores. Por isso, cabe aos profissionais de comunicação interna trabalhar em conjunto com os líderes, demonstrando a importância do envolvimento dos colaboradores para o sucesso da organização.

  1. Ouvir e medir a eficácia

Para tomarem as melhores decisões, os profissionais de comunicação interna devem colocar as perguntas certas e traduzir as respostas em ações que criem valor. Neste sentido, é necessário ouvir a organização, ouvir os líderes e, principalmente, ouvir os colaboradores. O feedback contínuo é bastante importante para compreender o estado da organização, identificar problemas e oportunidades e também para perceber se a comunicação interna está a ser eficaz.

Desta forma, conseguimos entender que a comunicação interna é uma área da comunicação fundamental para qualquer organização que pretenda ter sucesso no mundo empresarial. Manter os colaboradores informados sobre o seu trabalho e sobre a sua organização fará com que estes sintam que fazem parte da mesma, motivando-os assim a colocar as suas energias em prol dos objetivos organizacionais.

 

Procura mais informação sobre como definir uma eficaz estratégia de comunicação interna que faça sentido para a sua empresa? Contacte-nos e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

 

Projeto: A DPO Consulting e a proteção de dados em Portugal (e da Russia)

DPO bloomcast consulting

OS NOSSOS PROJETOS

A DPO Consulting é uma empresa de origem portuguesa, liderada pela advogada Elsa Veloso, que presta serviços de consultoria, com competências pluridisciplinares nas áreas da Privacidade, Proteção de Dados e Segurança da Informação.

A DPO Consulting é cliente da BloomCast desde 2017, e tendo em conta a polémica em torno da divulgação de dados de ativistas por parte da Câmara Municipal de Lisboa à embaixada Russa, foi necessária a atuação imediata ao nível da assessoria de Imprensa com o intuito de gerar oportunidades para posicionar a DPO Consulting, enquanto consultora de referência na área.

 

O DESAFIO LANÇADO:

Posicionar a DPO Consulting enquanto especialista no setor, bem como aumentar a sua notoriedade, através do caso “Russiagate”

Neste caso em particular, o “timing” foi o principal fator para o sucesso deste desafio. Em primeiro lugar, foi essencial identificar o caso e analisar os contornos possíveis da situação. Após esse reconhecimento, foi necessário priorizar as abordagens aos meios de comunicação (televisão, rádio, imprensa), demonstrando a disponibilidade da advogada e CEO da DPO Consulting, Elsa Veloso, para comentar a situação, enquanto especialista nas áreas da Privacidade, Proteção de Dados e Segurança da Informação.

Para que os meios comprovassem a validade dos comentários da advogada Elsa Veloso, foi essencial contemplar nas propostas alguns dados do seu currículo, bem como uma breve apresentação da DPO Consulting.

 

DPO na sic

Participação na SIC – Para ouvir aqui.

 

A NOSSA RESPOSTA

Deliverables:

  • Estratégia de Media Relations
  • Comunicação One-to-One com OCS específicos
  • Diversificação de OCS
  • Fortalecimento de relação com os jornalistas nacionais

Para este caso, a abordagem escolhida foi a de comunicação One-to-One com meios e jornalistas específicos, através de propostas individuais para entrevistas e participação em slots de comentários sobre a temática. Nas propostas foi realçada a visão da advogada sobre o caso de incumprimento da lei vigente que, nesta situação, era “total”.

 

DPO_dinheiro vivo

Entrevista ao Dinheiro Vivo. Ler aqui.

 

O trabalho desenvolvido entre a BloomCast e a DPO Consulting em torno deste tema, resultou em diversas participações da CEO da DPO Consulting, em vários meios de comunicação, e em diferentes formatos.

 

DPO_observador

Entrevista com a Rádio Observor. Pode ouvir aqui.

Este projeto foi o resultado de uma colaboração assente na confiança mútua, mas também no rigor, no dinamismo e celeridade que o tema exigia. A capacidade de produção de conteúdos relevantes, em tempo útil, foi essencial para o sucesso deste projeto, que também do ponto de vista técnico era bastante exigente nas matérias de Privacidade, Proteção de Dados e Segurança da Informação. A cooperação que existiu entre a BloomCast e a DPO Consulting foi fundamental para o alcance dos resultados.” – Refere Elsa Veloso, CEO da DPO Consulting.

 

Descubra mais sobre os serviços disponibilizados pela consultora portuguesa com “Knowledge on Data Protection”

 

Aqui, para ver outros Casos de Sucesso.

Media Training: Um porta-voz de excelência

Media training bloomcast consulting

Ao longo dos últimos anos, temos assistido a uma clara evolução de técnicas de Media Training devido à importância que estas representam para o posicionamento de uma organização.  Nos dias de hoje, o contexto empresarial manifesta uma crescente rivalidade entre as organizações do mercado e uma procura exaustiva por vantagem competitiva. As organizações, mais do que nunca, pretendem demonstrar aos diversos públicos a forte reputação e identidade da sua marca. Neste sentido, torna-se fundamental, para qualquer organização, ter profissionais capazes de transmitir mensagens-chave, aos meios de comunicação social, de forma clara, objetiva e concisa. Desta forma, a comunicação fluida e straight to the point fará com que a organização se destaque, seja no mercado ou na agenda mediática e, ao mesmo tempo, se distancie dos seus concorrentes.

Posto isto, para que um profissional de uma determinada organização desempenhe a função de porta-voz, da melhor forma possível, a realização de sessões de Media Training, com foco especial em determinados pontos, é imperativa.

Mas, o que é Media Training e para que serve?

O Media Training é uma ação de formação que tem como objetivo a preparação de um porta-voz de uma organização ou empresa para interagir com jornalistas e/ou outros públicos. Neste treino é realizada uma simulação de entrevistas, usualmente gravada, com o intuito de avaliar o desempenho do porta-voz perante as possíveis perguntas de um jornalista. Além da parte prática, estas iniciativas incluem também uma sessão formativa, no qual se pretende explicar como funcionam os meios de comunicação social.

Quando realizamos uma ação de Media Training são apresentados pontos gerais que têm como objetivo ajudar o porta-voz a desempenhar a sua função, de forma irrepreensível, durante uma entrevista. Estes pontos são vistos na indústria das Relações Públicas como um guia de Media Training.

Guia de Media Training:

1- Escolha do porta-voz

O primeiro ponto diz respeito à escolha do porta-voz. Entre inúmeras características e competências, é fundamental que o porta-voz seja um profissional que compreenda e respeite o trabalho dos meios de comunicação social; que conheça o jornalista que o irá entrevistar; que domine o tema e tenha um objetivo definido e ainda que apresente uma boa capacidade comunicativa.

Escolha do porta-voz media relations bloomcast

2- Definição do objetivo

Antes de aceitarmos a realização de uma entrevista, devemos sempre definir aquele que será o nosso objetivo. Ou seja, devemos responder às perguntas:

  • Porque é que vamos realizar a entrevista?
  • O que é que queremos alcançar?

Só após respondermos a estas questões é que conseguimos entender a importância da entrevista e de que forma é que a vamos abordar. Por exemplo, uma organização que tenha um plano de comunicação de crise ativo e que necessite de realizar uma entrevista neste sentido, é fundamental que seja realizada  uma preparação prévia mais rigorosa para que o entrevistado se sinta mais preparado e confortável com o tema.

Definição do objetivo bloomcast consulting media relations

3- Definição do público

No mesmo sentido do ponto anterior, antes de aceitarmos a realização de uma entrevista é imperativo entender quem é que queremos alcançar ou quem é que poderá ter interesse na mensagem que vamos transmitir. Se realizarmos esta definição previamente, a forma como iremos transmitir as mensagens será mais adequada ao público definido.

4- Mensagens-chave

No quarto ponto, devemos escolher aquelas que serão as três mensagens-chaves que iremos transmitir ao longo da entrevista.  É importante que, durante a mesma, andemos sempre à volta dessas mesmas três mensagens, embora respondendo sempre às questões que nos são colocadas. Desta forma, aquilo que pretendemos transmitir será mais facilmente percebido, e involuntariamente assimilado pelos recetores.

As mensagens-chave devem ser frases curtas e diretas, orientadas para despertar o interesse do jornalista e do público.

5- Transmissão das mensagens  

Numa entrevista é ainda importante ter em conta a forma como transmitimos as nossas mensagens. Falar pausadamente, pronunciar bem as palavras, evitando todo o tipo de bengalas linguísticas, são aspetos que um porta-voz deve ter sempre em consideração, pois facilita bastante a compreensão e evita que as mensagens sejam mal percecionadas.

6- Não existe off the record

Por último, temos o ponto off the record. Off de record acontece quando o porta-voz dá uma informação confidencial ao jornalista, mas esta não pode ser publicada. No entanto, alguns profissionais de comunicação defendem que este conceito não deve existir. Por muito boa que seja a relação entre o porta-voz e o jornalista, este pode acabar por publicar a informação passada, seja volutaria ou involuntariamente.

Ainda assim, é sempre importante estabelecer relações duradouras e saudáveis com os jornalistas, no sentido em que esta será benéfica para ambas as partes.

Off the record media relations bloomcast

Contudo, devemos ainda identificar pontos específicos, dependendo do formato da entrevista. Ou seja, caso a entrevista se realize em televisão temos de ter atenção o seguinte:

  1. Postura e Linguagem Corporal e Facial

A postura do porta-voz e sua linguagem corporal e facial são aspetos fundamentais para uma maior compreensão da mensagem transmitida. Não devemos estar rígidos numa cadeira, mas sim com uma certa elegância e corretamente enquadrados. Não devemos fazer muitas expressões com o rosto, pois podemos passar determinados sentimentos incorretos.

Linguagem Facial media relations bloomcast

  1. Indumentária

Quando realizamos uma entrevista em televisão é importante que os telespectadores se concentrem no nosso rosto, naquilo que estamos a dizer e não na nossa roupa. Neste sentido, devemos evitar todo o tipo de ruido, isto é, não utilizar joias brilhantes ou barulhentas; evitar demasiados padrões; evitar relógios e pulseiras, entre outros coisas.

Ruido media relations bloomcast

Caso a entrevista se realize em rádio temos de ter em conta:

  1. Tom de voz

Quando damos uma entrevista em rádio a nossa principal ferramenta é a voz. Neste sentido, é fundamental que pronunciemos bem todas as palavras e que o discurso seja direto e conciso. No entanto, podemos também variar o tom de voz, de forma controlada, para demonstrar diferentes emoções. Por exemplo: utilizamos um tom de voz mais baixo para demonstrar empatia ou utilizamos um tom de voz mais alto para demonstrar excitação.

 

Neste sentido, como pudemos verificar, o Media Training, nos dias de hoje, é cada vez mais uma importante ferramenta para o mundo das organizações e indispensável para os profissionais da área, que queiram realmente tornar-se mais competitivos e diferenciar-se da sua concorrência. Vamos a isso?

 

Se pretende ficar a conhecer quais as Tendências de Comunicação para 2021 consulte o nosso artigo aqui.

Desta forma, se ficou interessado e quer saber mais sobre as nossas sessões, contacte-nos já e descubra como podemos ajudá-lo.

Ebook: Os webinars como aposta no futuro

A importância do conteúdo de webinar

Os Webinars (E-book), também conhecidos como web seminars ou webcasts, são conduzidos online e, normalmente, incluem uma apresentação áudio e também visual (por exemplo, uma apresentação PowerPoint ou uma demo de um produto).

Além de permitirem a redução de custos operacionais e de potencializarem o alcance para qualquer região do mundo, possibilitam também que o conteúdo possa ser disponibilizado para o público após o evento, podendo fazer parte de uma estratégia de vídeo marketing mais ampla.

Perante o panorama de pandemia, esta iniciativa permitiu evitar o cancelamento de eventos, passando-os apenas para o panorama digital, o que possibilitou a muitas empresas manter a data e hora que estavam já previstas, alterando apenas o formato em que a apresentação iria ocorrer.

Os webinars ao vivo (face aqueles que decorrem em diferido) possibilitam uma interação com o público superior a qualquer outro tipo de vídeo, sendo que os em Live Stream produzem três vezes mais engagement do que os normais.  Assim, um dos principais motivos que leva os utilizadores a assistir a vídeos em direto prende-se com a maior aproximação à marca, pois são mais espontâneos, dinâmicos e não exigem edição, o que os torna mais naturais e sem filtros aos olhos do público.

A duração preferida para um webinar é entre os 30 e 40 minutos, mas, de acordo com um estudo de 2020, os webinars com duração de uma hora tinham uma taxa de inscrição de 67% enquanto que os de 30 minutos tinham uma taxa substancialmente menor, de 8%.

Porquê é que a sua organização os deve fazer

Os webinars são uma excelente oportunidade para as organizações serem reconhecidas como experts num determinado tema. Para além de que, se realizarmos uma demonstração do serviço/produto da organização, estamos a oferecer um proof of concept à distância, podendo potencialmente gerar leads interessantes para o negócio. Assim, um webinar bem realizado tem potencial para atrair e deixar participantes envolvidos durante horas, acrescentando mais valor para a organização.

Adicionalmente e quando comparando com outras comunicações que a empresa possa fazer, o potencial de alcance é superior. Os webinars que focam tópicos relevantes para o negócio têm capacidade para gerar entre 500 a 1000 leads, e a taxa de conversão média de um webinar é 55%. Como a barreira física é inexistente, aumenta o potencial de atrair visitantes do mundo inteiro, algo mais difícil de realizar com um evento físico. O facto de ser completamente digital e, obrigatoriamente, à distância acaba por atrair mais pessoas devido à flexibilidade nas suas agendas e, por outro lado, possibilita também à organização realizar um número maior de evento online ao longo do ano, dado que os custos são mais reduzidos.

De uma forma geral, um webinar permite não só criar novas relações com clientes como cuidar das existentes. Isto, juntando às vantagens previamente mencionadas, coloca o webinar como uma das melhores estratégias a adotar para expandir e aprofundar a comunicação da organização.

Webinars como aposta no futuro boomcast consulting

Como implementar e divulgar os webinars?

Os webinars são uma oportunidade de partilhar conhecimento e competências enquanto expandimos o nosso público. Por exemplo, a inscrição no webinar deve ser o mais facilitada possível, para incentivar à participação. Seja através de um formulário ou de uma resposta direta, é imperativo que seja feita através do email, de modo que seja fácil garantir o registo de todas as respostas.

Ainda para os implementar corretamente, existem vários passos que devem ser considerados:

  1. Definir a equipa: Realizar um webinar requer organização e uma equipa estruturada composta pelo organizador, o apresentador/orador e os assistentes. O organizador do webinar é o indivíduo responsável por desenvolver e organizar o conteúdo do webinar. Para além disso, cabe ao organizador procurar e definir os oradores mais indicados para o tema, e a promoção do evento. O apresentador/orador é o responsável pelo desenvolvimento, preparação e entrega dos materiais para as apresentações do webinar. Já os assistentes do webinar são as pessoas que auxiliam quem assiste o webinar. São o recurso quando existem problemas técnicos e é a eles que são colocadas questões que posteriormente são reencaminhadas aos oradores. Por norma, o número de participantes influencia o número de assistentes necessários para o webinar.
  2. Definir o formato do webinar: O formato a escolher depende sempre do tipo de webinar pretendido, sendo que existem quatro formatos dos quais se podem selecionar. Seja com um único orador, uma entrevista, um painel de discussão ou um Q&A, qualquer um destes motivará as interações de maneira diferente. Convém ter em mente que uma das maiores ferramentas para fomentar interação com o público durante um webinar é o espaço para perguntas e respostas, no final da apresentação. Seja qual for o formato selecionado, devem ser reservados pelo menos 10 minutos para perguntas, já que 92% dos participantes espera que este espaço exista. Os números de 2020 dão conta que webinars internos, utilizados como formação, são o tipo de webinars com mais presenças (65%), enquanto os utilizados para comunicação interna contam com 56,2% de presenças. Dependendo da dimensão do webinar, pode optar por utilizar mais que um dos formatos, sendo que cada um tem as suas vantagens e, em conjunto, acrescentam a interatividade e engagement dos participantes.
  3. Preparar o material visual e testar: Como já referido, um webinar é uma apresentação conduzida online, cujo objetivo é transformar, na medida do possível, a apresentação digital em física. Para tal, é necessário a existência de material visual relevante para o tema do webinar e uma forte apresentação (que deve ter um slide introdutório, um slide com a sinopse e um slide com as ferramentas ou websites utilizados) por parte do orador. No que toca aos testes ou ensaios, o ideal seria fazer dois testes antes do evento real, uma vez que estes são fundamentais para organizar o tempo de cada orador, garantir que o som e vídeo funcionam corretamente e para preparar os oradores a ter a apresentação mais fluída possível.
  4. Medir resultados: Tão importante como realizar um webinar, é medir a sua eficácia e os seus resultados. Após a realização do evento é possível aferir alguns resultados chave de desempenho, nomeadamente o número de participantes, o tempo de visualização e o número de perguntas. Com estas informações já é possível fazer uma comparação daquilo que eram os objetivos definidos do início do plano com os reais. Caso já tenham sido realizados webinares anteriores, é possível também comparar uns com os outros.

 

Webinars como aposta no futuro boomcast consulting2

Depois de toda a planificação do conteúdo para o webinar, é também fundamental delinear uma estratégia de divulgação, de modo a garantir a máxima participação no evento digital. Para isto é necessário escolher um título apelativo e selecionar um bom dia e hora. De forma geral, as pessoas são mais recetivas em participar num webinar ao fim-de-semana do que durante a semana e, por outro lado, segundo vários estudos, os melhores dias para a realização de um webinar são quarta e quinta-feira. Adicionalmente, pode ser necessário realizar uma breve investigação sobre o que vai acontecer na semana e à hora do webinar.

Depois é ainda necessário relembrar os participantes do webinar, sendo benéfico enviar vários lembretes, ou seja, enviar um primeiro e-mail aos possíveis participantes, destacando o conteúdo do webinar outro uma semana antes e, finalmente um no dia anterior e/ou no próprio dia do evento.

É ainda crucial fazer uma correta divulgação nos canais de redes sociais. Nos dias de hoje, as redes sociais são também canais de distribuição fundamentais para webinares. No Facebook e LinkedIn, por exemplo, pode ser criado um evento e convidar inúmeros possíveis participantes. Já no Instagram, podemos publicar stories com possibilidade de inscrição no webinar ou simplesmente posts informativos. Além disso, é fundamental não deixar de acompanhar os participantes do webinar, pois estes podem fazer comentários nas suas redes sociais e é importante que faça essa monitorização.

Ainda através das conexões pessoais, é possível utilizar os participantes como canais de distribuição, onde, após o registo no evento, é criada uma página que permita a partilha do evento para os contactos do individuo já registado.

Por último, se o negócio está a ter bons resultados poderá investir em publicidade, divulgando o evento como se faria para qualquer evento físico.

Para saber mais sobre estratégias de implementação de Webinars, consulte o nosso Webinar Guidebook, que faz parte dos BloomCast Content Series, um documento desenvolvido pela BloomCast Consulting com o objetivo de fornecer informação útil e facilmente acionável para definir a linha comunicacional que deve ser utilizada na criação de vídeos, em contexto empresarial. Nele poderão encontrar as melhores práticas bem como algumas estatísticas e factos relevantes em relação a este formato.

Faça o download aqui!

 

Procura mais informação para dinamizar eventos em formato webinar? Contacte-nos e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

Há um novo podcast com dicas sobre Marketing e Comunicação

Bloom(Pod)Cast bloomcast marketeer

A Bloomcast Consulting tem um novo projecto digital que visa ser um espaço de partilha sobre comunicação, marketing e marcas. Através do Bloom(Pod)Cast – que, tal como o nome indica, chega em forma de podcast –, a agência promete partilhar dicas e conteúdos que possam ajudar marcas e negócios a potenciarem a sua comunicação.

Numa primeira fase, o Bloom(Pod)Cast irá focar as suas atenções na relação entre gestão, marketing, comunicação e inovação para mostrar como, em conjunto, podem ser uma alavanca em direcção a resultados mais positivos.

Rodolfo Oliveira, managing partner da Bloomcast Consulting, estará ao leme de cada episódio, guiando a conversa com profissionais convidados a dar a conhecer a respectiva experiência. Todos os meses, será divulgado um novo episódio.

«Os formatos de futuro conjugam a comodidade no acesso com a flexibilidade e diversidade dos conteúdos. Os podcasts, não sendo um fenómeno novo, conjugam estes aspectos de forma perfeita, algo a que grande parte dos meios de referência já aderiu também», explica Rodolfo Oliveira.

Em comunicado, o responsável explica que, para enriquecer a experiência, o podcast conta ainda com o vídeo como complemento. Todos os episódios poderão ser encontrados no site da agência, mas também no Spotify, SoundCloud, Google Podcasts e YouTube.

Pedro Janela, CEO do WyGroup, é o convidado do primeiro episódio e o tema escolhido para o arranque do projecto é “Comunicar marcas num mundo híbrido”

Pode ler a notícia no site da Marketeer, versão online.

 

Saiba mais sobre a BloomCast Consulting aqui e ouça o nosso primeiro episódio aqui.

Projeto: The future is Nau!

NAU bloomcast consulting

OS NOSSOS PROJETOS

A NAU é uma plataforma 100% portuguesa que promove ensino e formação online e gratuitos.

A NAU, um serviço da Unidade FCCN da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) – é cliente da BloomCast desde maio de 2020, e tendo em conta o contexto em que vivemos, foi necessário reinventar a comunicação de um projeto que visa a promoção do ensino à distância e também o ensino ao longo da vida.

 

O DESAFIO LANÇADO PELA NAU:

Aumentar a notoriedade e reconhecimento da NAU como a plataforma de referência do conhecimento lusófono, que produz conteúdos relevantes para a sociedade, nomeadamente no incentivo à requalificação e aprendizagem ao longo da vida.

Trabalhar a comunicação de temas tão diversos como: segurança, tecnologia, turismo, saúde e educação é um desafio que tem sido trabalhado com muita dedicação. Neste, o fundamental foi demonstrar que existem diversas formas de comunicar e que todas elas são eficazes, potenciando o aumento de número de inscritos e o número de cursos disponíveis, bem como o interesse que é gerado nos media nacionais.

Alcançar o tom ideal que deixasse confortável todos os intervenientes da comunicação, sendo eles os utilizadores, parceiros, membros da direção e media foi um dos maiores desafios. No entanto, através do trabalho em equipa conseguimos atingir este objetivo, e neste momento toda a comunicação flui com maior naturalidade e conseguimos melhorar a notoriedade da NAU.

 

Nau plataforma de ensino bloomcast consulting

Notícia publicada em Dinheiro Vivo.

 

A NOSSA RESPOSTA

Deliverables:

  • Estratégia de Media Relations
  • Comunicação One-to-One com OCS específicos
  • Fortalecimento de relação com os jornalistas nacionais

A abordagem escolhida foi a comunicação dos cursos que são produzidos, escolhendo o nicho próprio para comunicar e assim abrir novos mundos. Desta forma, criamos constantes e inovadoras rotas de conhecimento da lusofonia, aproveitando o efeito de escala na procura por formação, uma vez que as pessoas estão interessadas em reforçar as suas competências no digital, bem como aproveitar o período de confinamento para consolidarem ou adquirirem novos conhecimentos.

 

aprender com a nau bloomcast

Notícia publicada na TekSapo

 

De acordo com os principais objetivos da NAU:

  • Possibilitar o ensino e formação a comunidades alargadas de utilizadores, promover uma cultura de conhecimento e aprendizagem contínua, em particular na população portuguesa e estimular a literacia digital.

O trabalho desenvolvido em conjunto entre a BloomCast e a NAU tem dado resultados francamente positivos, com o recente alcance dos 100.000 utilizadores, bem como o anúncio de novos cursos de temas e áreas diversas.

 

 “A colaboração entre a BloomCast e a NAU trouxe uma dinâmica diferente à plataforma, tendo aberto caminhos e auxiliando no objetivo último de nos levar ao conhecimento de novos utilizadores e marcar o posicionamento da NAU enquanto plataforma de formação on-line gratuita para o conhecimento lusófono” , refere Pedro Cabral, Gestor a plataforma NAU – serviço gerido pela Unidade FCCN da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

 

Descubra mais, aqui, sobre o mar de conhecimento e aprendizagem contínua a bordo da NAU. 

Pode ler as duas peças aqui: Dinheiro Vivo e TekSapo ou aqui.

Entrevista Marketeer: «O que fica, no final de tudo isto, é o nosso insaciável apetite por tudo o que é novo»

marketeer rodolfo oliveira bloomcast consulting
Que impacto teve, ou está a ter, a pandemia de Covid-19 na comunicação? À semelhança das restantes áreas da sociedade, a digitalização estará entre as principais consequências da crise sanitária em virtude da necessidade de distanciamento e confinamento. E, assim sendo, neste contexto, que papel podem ter as agências na construção de novas estratégias para as marcas?

Rodolfo Oliveira, managing partner da Bloomcast Consulting, considera que «o digital criou um novo desafio às empresas que, na sua grande maioria, ou abraçam o desafio de comunicar mais e melhor, dando-lhes mais visibilidade e notoriedade, ou soçobram na miríade de ofertas e de presenças digitais da sua concorrência». A agência de comunicação poderá contribuir para garantir que cada organização tira o melhor partido possível das ferramentas à disposição, com o máximo de eficácia e coerência nas abordagens.

Em entrevista à Marketeer, o responsável sublinha ainda que «o que fica seguramente, no final de tudo isto, é o nosso insaciável apetite por tudo o que é novo, que nos permite ligar-nos uns aos outros». Segundo Rodolfo Oliveira, não será possível garantir já se as novas formas de comunicação – como webinares ou transmissões em directo – chegaram para ficar, mas é claro que a tecnologia continuará a ser um elemento fundamental.

Acompanhe a entrevista na íntegra:

A pandemia veio acelerar a digitalização dos negócios. Quais são as ferramentas ou áreas digitais em que as empresas portuguesas mais estão a apostar?

A digitalização dos negócios é uma tendência global, a que as empresas nacionais não podem estar alheias. Uma vez que muitas empresas ainda não têm uma presença online que lhes proporcione a notoriedade e visibilidade que necessitam para este novo mundo em que vivemos, a criação ou renovação da presença online com um site que seja moderno e facilmente lido em qualquer dispositivo, com uma adequada e regular gestão de SEO, etc., será seguramente uma primeira área prioritária. Essa presença não se irá circunscrever ao estabelecimento de um site com as características referidas, mas também à criação de canais de atendimento e gestão da interacção, seja com operadores humanos ou electrónicos e a incorporação de funcionalidades de comércio electrónico.

O outro pilar essencial passa pela criação de conteúdos diversificados e actuais, que incorporem imagens, vídeo, áudio e texto de forma a proporcionar informações úteis e assegurar a recorrência na visita ao site. E que implica um conhecimento e identificação dos perfis dos clientes, que torne possível a adequação da comunicação para que seja útil no conteúdo e pertinente no seu timing.

Um outro aspecto essencial passa por assegurar que a experiência proporcionada aos utilizadores é de excelência e coerente, independentemente do ponto de entrada na interacção com as empresas. Do ponto de vista do negócio, e criando novas oportunidades para as organizações que queiram inovar e transformar os seus modelos de negócio, há uma nova realidade em que a capacidade de estabelecer e gerir ligações entre vários interlocutores na cadeia de valor permite criar produtos e serviços diferenciados sem a necessidade de integrar todos os processos, o que proporciona índices de flexibilidade sem paralelo.

Por outro lado, quais são as áreas que ainda faltam explorar ou em que se verificam maiores dificuldades?

A questão da experiência, referida anteriormente, é cada vez mais um tema essencial para as empresas porque, quer seja ao nível das empresas que vendem para outros negócios quer seja nas que falam para consumidores, os canais de comunicação digitais evoluíram de forma acelerada nestes dois anos, amadureceram na sua qualidade e eficiência e forçaram novos hábitos. Será inevitável que, mal seja possível, muitos dos hábitos de trabalho feitos presencialmente regressem, mas seria pouco avisado considerar que iremos regressar à situação anterior.

As mudanças que sentimos neste ano são profundas e irão perdurar, seja nos modelos de trabalho seja nos modelos de negócio. Transversais a todas estas mudanças, as tecnologias de informação são o tecido que as une e que lhes dá sustentação, seja na criação de sites, em soluções de mobilidade, ou na informação do comportamento e preferências dos consumidores. Conforme a conhecida citação de Bill Gates, nós sobrestimamos o impacto de uma mudança a dois anos, mas subestimamos o seu impacto numa década. Aconteceu com a Internet e irá acontecer também agora.

(…)

Entrevista dada por Rodolfo Oliveira, Managing Partner da BloomCast Consulting à Marketeer. 

Pode ler toda a entrevista aqui.

 

E aqui, para outros artigos de Rodolfo Oliveira.

1 2 3