5 dicas para beneficiar do algoritmo do LinkedIn

Com cerca de 810 milhões de membros no mundo e quase quatro milhões em Portugal, o LinkedIn é considerada a maior rede social de networking. Com especial foco no percurso de empresas e pessoas, uma presença no LinkedIn tem vários objetivos como encontrar o trabalho certo, conectar com outros colaboradores, fortalecer relações profissionais, e criar brand awareness para futuros clientes.

Atualmente, mais do que rede social associada à empregabilidade, o LinkedIn também foca-se no mundo dos negócios, tornando-se um canal de comunicação privilegiado tanto para os profissionais como para as empresas consegue gerar mais de 277% de leads em comparação ao Facebook ou ao Twitter.

Assim, e porque é tão fulcral para dar a conhecer a sua empresa ou mesmo o seu perfil pessoal, é importante saber destacar-se. Para tal, é necessário encontrar maneiras de beneficiar do algoritmo do Linkedin.

LinkedIn

O que é o algoritmo do LinkedIn?

De acordo com o SocialChamp, o algoritmo do Linkedin define o que o utilizador vê no seu feed, desde posts de empresas e de outros utilizadores até tópicos populares ou anúncios. De modo a determinar a probabilidade de o utilizador ver um post, o algoritmo interpreta reações, partilhas, comentários, pedidos de conexão e outros fatores de engagement.

O seu processo passa por quatro fases: o filtro inicial, uma sessão de teste, atribuir pontuação do conteúdo e avaliação pelos funcionários. Com o filtro inicial, o conteúdo é colocado por bots em três categorias:

  1. Spam
  2. Low-quality
  3. High-quality/Clear

Após a fase inicial, o conteúdo é enviado a uma audiência para testar a popularidade do mesmo. Nesta fase, é importante a audiência não reportar o conteúdo como spam. Por essa razão, o conteúdo deve ser bem pensado e apropriado ao LinkedIn.

Depois da sessão de teste, o algoritmo irá pontuar o conteúdo por cada reação, comentário ou partilha que o conteúdo tiver. Com esta pontuação, o algoritmo define se o post é low-quality ou high-quality/clear. No final, se o conteúdo for considerado high-quality ou clear, será avaliado por “funcionários do LinkedIn”. Posteriormente, os funcionários decidirão se enviam o conteúdo para mais pessoas (dentro ou fora da rede do utilizador) ou se terminam o seu percurso.

Os primeiros 60 minutos da publicação de um conteúdo são os mais cruciais e, consequentemente, é importante saber como os utilizadores e empresas podem beneficiar do seu algoritmo. Para tal, foram identificadas cinco dicas:

  1. Ser relevante

O algoritmo do LinkedIn favorece mais a relevância de conteúdo do que a altura em que foi publicado. É importante mostrar aos utilizadores conteúdo que seja relevante para eles. Para esse propósito, deve ser feito um estudo da audiência e de pesquisa de palavras-chave para saber quais são os tópicos e temas mais relevantes.

  1. Construir uma rede estratégica

Construir uma rede alargada e diversificada é crucial para expandir uma marca ou desenvolver o utilizador num ambiente profissional. Através de uma estratégia de construção de rede, os utilizadores podem ver a sua marca a alcançar mais pessoas, gerar leads e comercializar-se no LinkedIn. Algumas estratégias incluem convidar conexões para seguir a conta/página e promoção da conta através de outros canais de comunicação, tais como outras redes sociais, website e newsletter.

LinkedIn

 

  1. Definir as melhores horas para publicar

Definir o horário correto para fazer as publicações é essencial, dado que se um utilizador publicar a um horário em que ninguém esteja ativo poderá demorar horas até que o conteúdo tenha algum tipo de engagement. Por essa razão, é necessário ser definido um horário em que os utilizadores estão mais ativos.

 LinkedIn

  1. Criar conteúdo original e envolvente

Para se posicionar no LinkedIn, é importante desenvolver um conteúdo que seja original e envolvente para o utilizador. É necessário incentivar o engagement do conteúdo, através de menções de pessoas e empresas, sendo deste modo mais propício a que estas comentem e partilhem. No caso das empresas, estas podem recomendar aos seus funcionários que partilhem e interajam com as publicações feitas. Adicionalmente, testar vários formatos de conteúdo pode igualmente ajudar a perceber que tipo de conteúdo tem melhor performance.

 

  1. Otimizar com o LinkedIn Analytics

LinkedIn Analytics é essencial para quantificar e avaliar a performance do utilizador/página. Os dados fornecidos pelo LinkedIn são importantes para se saber se os objetivos estipulados estão a ser cumpridos ou não. É através dos dados que se pode observar o tipo de conteúdos que estão, ou não, a ser favorecidos pelo algoritmo.

LinkedIn

É importante saber como trabalhar em conjunto com o algoritmo de cada rede social, uma vez que será esse algoritmo que irá levar uma publicação a ter mais alcance e engagement. Igualmente importante é estar sempre atualizado nas mudanças do algoritmo, dado que este é alterado todos os anos.

De forma a aumentar a sua presença no LinkedIn, tenha sempre em conta o algoritmo na sua estratégia. Para saber mais acerca de como criar uma estratégia de redes sociais em 2022, consulte o nosso  “Ebook: tudo o que precisa de saber sobre estratégias de social” ou entre em contacto connosco.

TikTok: uma oportunidade de comunicação para as empresas

TikTok

Apesar de à primeira vista ser encarado como uma plataforma para vídeos curtos de comédia e de dança, é importante recordar que, depois de ter ganho notoriedade durante a pandemia, atualmente o TikTok é já a sexta rede social mais popular no mundo.

Assim, são cada vez mais as oportunidades para as empresas neste espaço. Afinal, a rede social com 1 mil milhões de utilizadores ativos por mês é um espaço para ver e ser visto, o que representa uma oportunidade para as marcas se conectarem às suas audiências de uma nova forma. Adicionalmente, com o lançamento da funcionalidade de TikTok Shopping, o potencial comercial da rede social continua a crescer.

Existem muitos benefícios em utilizar o TikTok para promover uma empresa ou um negócio. Como uma rede social especialmente popular entre os utilizadores abaixo dos 34 anos, pode ser um local valioso para as empresas se conectarem e interagirem com este público. Adicionalmente os formatos inerentes a desafios virais ou tendências na rede social permitem mostrar um lado mais humano das mesmas (permitindo acesso aos bastidores do escritório, dando a conhecer os colaboradores ou mostrando como um produto é feito) o que permitirá às marcas relacionarem-se mais com os seus clientes de forma mais orgânica.

TikTok

Neste sentido, o aspeto mais importante de marketing para o TikTok é interação do utilizador com o conteúdo criado. Os desafios são, neste sentido, um convite para os utilizadores criarem os seus próprios vídeos afetos à marca e empresa – e esta forma de conteúdo gerado pelos utilizadores aumenta a credibilidade da marca e ajuda a atingir maior visibilidade. Desde já, existem marcas que estão a apostar nestas mais-valias e a otimizar o potencial da rede social, servindo-se das tendências, desafios, livestreams ou até experimentando com as ferramentas de edição e áudios virais para criar vídeos que representam a sua marca. A Colgate, por exemplo, criou o desafio #MakeMomSmile para celebrar o dia da Mãe, que incentivava os utilizadores da aplicação a arranjar formas criativas de fazer a sua mãe sorrir. Este desafio tornou-se sensação e arrecadou até à data 5.5 mil milhões de visualizações na aplicação.

Outro caso de uma marca que têm vindo a ganhar notoriedade no TikTok é o Duolingo. A sua utilização da mascote desta app de aprendizagem de línguas, a coruja, em vários desafios e tendências virais, concedeu notoriedade à sua social media manager Zaria Parvez, que tem sido destacada em várias notícias por ter tornado a empresa pioneira neste rede.

Mas nem só as marcas de maior renome beneficiam de estar no TikTok. Existem inúmeros exemplos de empresas pequenas que beneficiaram por promover os seus produtos ou serviços no TikTok da forma correta. Mas a verdade é que, para quem não é utilizador regular da rede social, pode ser difícil imaginar como criar uma conta de TikTok Business e como melhor a operacionalizar. Por isso, recomendamos os seguintes procedimentos:

  • Manter em mente a essência do TikTok

    Quando se entra na aplicação, a página inicial, ou For You Page, tem muito conteúdo renovado constantemente, curado apenas pelo algoritmo (baseado nas interações dos utilizadores) que incentiva a que vídeos sejam relevantes, únicos e diferenciadores, de modo a se destacarem. Para isto, é importante manter em mente a natureza da plataforma e da audiência. O conteúdo deve ser divertido e num tom mais descontraído, sem que sejam sacrificados os valores da marca ou empresa. Adicionalmente é importante que os vídeos sejam o mais autênticos possíveis, sem recorrer a grandes guiões.

    TikTok

  • Utilizar anúncios

    O TikTok tem atualmente uma forte componente de conteúdo pago, que deve ser aproveitada, já que o alcance potencial dos mesmos (apenas para o público acima dos 18 anos) é de 884,9 milhões de utilizadores. No TikTok Ads Manager podem ser criados, geridos e monitorizados anúncios que depois são exibidos no meio do conteúdo orgânico, na For You Page. Estes são uma estratégia valiosa para chegar a diferentes públicos de maneira mais certeira.
    Existem vários tipos de anúncios que podem ser dinamizados, como os infeed ads (descritos acima), os TopView ads (em que um anúncio da marca aparece mal o utilizador abre a aplicação) ou mesmo os Branded Effects (em que uma marca cria um efeito que qualquer utilizador pode usar para dinamizar os seus vídeos).

  • Participar nos desafios

    O TikTok vive de desafios e os mesmos tendem a tornar-se virais já que os utilizadores os aproveitam para dar asas à criatividade e crescer a sua plataforma. De modo a utilizar estas iniciativas a seu favor, as marcas que não os criam (como foi caso do exemplo da Colgate) devem participar nos mesmos, mostrando que se mantém atuais. É importante que antes de participar as empresas definam objetivos para a participação nesse desafio, tal como vender um novo produto, promover um evento ou criar brand awareness.

O TikTok é uma das mais populares plataformas de vídeo online do mundo que em muito pode beneficiar as empresas – se elas souberem agarrar a oportunidade.

Com o alcance que esta rede tem atualmente, o mais provável é que o conteúdo lá colocado chegue a todas as outras redes, já que o TikTok é notório por criar movimentos que ganham outras proporções. E não interessa o tamanho da empresa pois no TikTok qualquer marca pode ganhar notoriedade. O que mais importa é agir como um criador – ainda que se pense como um marketeer.

Para saber mais acerca de como criar uma estratégia de redes sociais em 2022 consulte o nosso Social Media Guidebook, parte dos BloomCast Content Series, ou entre em contacto connosco.

O mundo (da comunicação também) é plano

o mundo da comunicação visão rodolfo oliveira bloomcast
Neste contexto de organizações descentralizadas e com hierarquias mais fluídas, a comunicação interna é essencial, porque equipas dispersas exigem a criação de espaços e momentos de ligação com modelos de comunicação informais que possam criar e reforçar a cultura da empresa.
O que tem a ver o negócio e a comunicação das atuais startups de base digital com o livro de Thomas Friedman? Tudo. O pressuposto do autor é que vivemos uma nova era de globalização tornada possível pela tecnologia, e em que as barreiras geográficas e de desenvolvimento entre países perderam a sua relevância, permitindo uma competitividade global. Transpondo o conceito para as startups de base digital, é também uma realidade que estas frequentemente nascem para endereçar necessidades globais, com uma abordagem que não está condicionada pela dimensão do mercado, seja ele local ou nacional. Mas dependem, para o seu crescimento, de um ecossistema que as possa apoiar na fase de lançamento e lhes crie condições propícias para acelerar o seu amadurecimento, o que torna essencial criar as condições para que possam nascer e afirmar-se.
Vivem numa rede, estabelecendo parcerias em qualquer geografia e podendo recrutar profissionais em qualquer lugar, estando habituadas a modelos de operação remotos e com processos distribuídos geridos de forma eficiente. Não são necessariamente apenas digitais, podendo ser empresas com produção de bens físicos, mas têm esta visão estratégica global no seu ADN. Para elas, o mundo dos negócios tornou-se plano, e este potencial de estabelecer uma fundação forte para criar, com recurso a ferramentas digitais, uma operação descentralizada e eficiente, revolucionou o mercado.

Esta abordagem à organização das empresas também tem impacto na comunicação, com o foco na presença em canais digitais que lhes permitam ligar-se aos seus interlocutores em qualquer mercado, podendo as palavras de ordem ser definidas como adaptação, flexibilidade e evolução iterativa. Neste contexto de organizações descentralizadas e com hierarquias mais fluídas, a comunicação interna é essencial, porque equipas dispersas exigem a criação de espaços e momentos de ligação com modelos de comunicação informais que possam criar e reforçar a cultura da empresa. As newsletters, os canais de comunicação instantânea, as intranets, as populares conference calls e reuniões virtuais são elementos que concorrem para gerir e ligar equipas distribuídas, seja por motivos de teletrabalho, seja por questões de distribuição geográfica da operação. Entre outros efeitos colaterais, esta globalização também popularizou o chamado inglês internacional, com muitos sotaques e interpretações distintas, mas com uma base comum que simplifica a comunicação.

Também ao nível dos media tradicionais, há inúmeras mudanças e novas oportunidades de interação, com o crescimento da presença digital, dos podcasts, das infografias e das animações ou vídeos, da personalização e criação de comunidades, a que se junta a tendência inexorável dos conteúdos fechados a assinantes.

Para a comunicação externa, esta nova forma de estar nos negócios e a nova organização empresarial refletem-se na necessidade de pensar a comunicação de forma global, dominando os canais globais, sejam estes as redes sociais, os motores de busca, os media globais ou as diferentes plataformas de interação, do marketing automation à distribuição de conteúdos. A omnicanalidade é a norma, e a coerência na comunicação e na experiência de quem interage com a empresa um desafio. Isso torna essencial ser-se capaz de medir o engagement atingido e o impacto na reputação e na visibilidade mediática.

A comunicação tem, acima de tudo, de ser útil, de fácil apreensão e facilmente partilhável ou mantida para consulta. O mundo (apenas da comunicação, felizmente), é plano e global, e criar e alimentar os canais de comunicação, personalizados ou mais alargados, tendo em consideração também os aspetos culturais dos diferentes mercados, é um novo desafio para estas organizações.

 

Publicado, inicialmente, na Exame, versão online. Artigo de Opinião de Rodolfo Oliveira, Managing Partner da BloomCast Consulting.

aqui, para outros artigos de Rodolfo Oliveira.

Gestão de Crise em tempos de COVID-19

Gestão de Crise

A pandemia do Covid-19, é um lembrete de que muito do que nos acontece na vida está fora do nosso controlo. As alturas de ameaça emergentes, como a que se tem verificado, são, por norma, ideais para repensar ou reformular a estratégia de comunicação em tempos de gestão de crise de uma empresa.

Neste caso, têm-se verificado vários graus de gestão de crise, que difere de empresa para empresa. No entanto, algumas situações estão diretamente relacionadas com a propagação do vírus e surgem de casos de contaminação interna. Mas, na maioria dos casos, a gestão de crise pode ser insuficiente apenas porque os gabinetes de comunicação das empresas se sentem assoberbados e pouco preparados para comunicar uma situação desta dimensão, primeiro para os seus colaboradores e depois para o mundo exterior.

Assim, existem alguns passos que devem ser tidos em conta ao enfrentar situações de comunicação de crise:

1- Antecipar o acontecimento 

A maior mudança que necessita de acontecer prende-se com o modo de pensar das empresas, no que toca a gestão de crise, que devem, sempre que possível, alterar a sua perspetiva de comunicação reativa para planear cenários possíveis proactivamente.

Enquanto que a maioria das empresas pode estar preparada para lidar com a comunicação de crise, algumas podem não antecipar estratégias, igualmente, importantes como mapear os riscos de cada opção e comunicar as fases de recuperação após a gestão de crise. Estratégias de prevenção podem ser, especialmente, importantes em comunicação para redes sociais, onde o feedback é direto e imediato e, no qual a digitalização incentiva a uma mudança, não só na rapidez de resposta como no conteúdo, canal e tom da mesma.

2 – Utilizar a tecnologia a favor da empresa

Em tempos de crise, as ferramentas digitais podem não ser perfeitas, mas têm um papel preponderante no que toca a preservar os dados e, sobretudo, são extremamente importantes em situações de trabalho remoto, por exemplo.

Ferramentas de analítica, seja ela preditiva ou não, podem ajudar a empresa a estabelecer prioridades no que toca a potenciais hacks do sistema, pois ajudam a determinar a probabilidade de ataques. Neste sentido, empresas que investem em tecnologia para salvaguardar a sua cibersegurança estão mais bem preparadas e conseguem, mais facilmente, perceber o que correu menos bem, o que resultou e de que forma se poderá construir melhores parcerias e alianças para o futuro.

3 – Preservar os Valores essenciais da empresa

A Cultura e os Valores da empresa são importantes pilares que ajudam a prevenir uma crise e a guiar a sua resposta perante uma. A atenção aos detalhes e àquilo que é mais essencial para a cultura da organização pode fazer a diferença entre controlo de danos eficaz e situações mais desfavoráveis.

Para que os chefias possam ajudar outros dentro de uma empresa, é necessário, que estes tenham apoio também. Neste sentido, atribuir papéis específico, numa situação de comunicação de crise, poderá ser importante para que, em alturas críticas, todos saibam qual o seu papel e quando é necessário (ou não) envolver mais alguém para orientar trabalhos e ajudá-los a atingir o seu sucesso.

4 – Investir nas abordagens criativas

Diferentes empresas enfrentarão diferentes desafios. Perante este contexto, é importante investir na comunicação interna e solidificar a mensagem corporativa, de forma clara, mas criativa.

A criatividade pode ser o caminho indicado para ultrapassar obstáculos, sejam eles referentes à empresa ou aos seus clientes, de modo a conseguir atingir um público-alvo com transparência, empatia e honestidade, preservando o cariz humano da mensagem.

5- Preparar o regresso

É fundamental que, desde o início, nas estratégias de crise a serem implementadas, estejam também contemplados os possíveis cenários pós-crise, de forma a que as organizações consigam retirar insights sobre como se devem preparar para se tornarem mais robustas neste regresso.

Como todos sabemos, em todas as crises, existem empresas que conseguem adaptar-se mais rapidamente, conseguindo mais facilmente recuperar ou ter um impacto menos significativo do que outras. Segundo a BCG, por exemplo, cerca de 14% das empresas aumentam receita e margem em períodos de crise.

Desta forma, vários são os exemplos de empresas, que anteciparam cenários e mudanças de comportamentos e procuraram tirar partido dos mesmos, alterando o seu modelo de negócio para enfrentar a quebra de vendas e acudir às novas necessidades em tempos de pandemia. Se antes faziam impressões 3D ou peças para automóveis, agora fabricam viseiras. Se antes produziam têxteis ou cerveja, agora fazem desinfetante.

Independentemente dos cenários, é fundamental que as organizações não desvalorizem a importância de se prepararem e criarem uma estratégia de gestão de crise eficaz, porque só assim estarão um passo à frente da sua concorrência.