Projeto: The future is Nau!

nau_bloomcast

OS NOSSOS PROJETOS

A NAU é uma plataforma 100% portuguesa que promove ensino e formação online e gratuitos.

A NAU, um serviço da Unidade FCCN da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) – é cliente da BloomCast desde maio de 2020, e tendo em conta o contexto em que vivemos, foi necessário reinventar a comunicação de um projeto que visa a promoção do ensino à distância e também o ensino ao longo da vida.

 

O DESAFIO LANÇADO PELA NAU:

Aumentar a notoriedade e reconhecimento da NAU como a plataforma de referência do conhecimento lusófono, que produz conteúdos relevantes para a sociedade, nomeadamente no incentivo à requalificação e aprendizagem ao longo da vida.

Trabalhar a comunicação de temas tão diversos como: segurança, tecnologia, turismo, saúde e educação é um desafio que tem sido trabalhado com muita dedicação. Neste, o fundamental foi demonstrar que existem diversas formas de comunicar e que todas elas são eficazes, potenciando o aumento de número de inscritos e o número de cursos disponíveis, bem como o interesse que é gerado nos media nacionais.

Alcançar o tom ideal que deixasse confortável todos os intervenientes da comunicação, sendo eles os utilizadores, parceiros, membros da direção e media foi um dos maiores desafios. No entanto, através do trabalho em equipa conseguimos atingir este objetivo, e neste momento toda a comunicação flui com maior naturalidade e conseguimos melhorar a notoriedade da NAU.

 

Nau plataforma de ensino bloomcast consulting

Notícia publicada em Dinheiro Vivo.

 

A NOSSA RESPOSTA

Deliverables:

  • Estratégia de Media Relations
  • Comunicação One-to-One com OCS específicos
  • Fortalecimento de relação com os jornalistas nacionais

A abordagem escolhida foi a comunicação dos cursos que são produzidos, escolhendo o nicho próprio para comunicar e assim abrir novos mundos. Desta forma, criamos constantes e inovadoras rotas de conhecimento da lusofonia, aproveitando o efeito de escala na procura por formação, uma vez que as pessoas estão interessadas em reforçar as suas competências no digital, bem como aproveitar o período de confinamento para consolidarem ou adquirirem novos conhecimentos.

 

aprender com a nau bloomcast

Notícia publicada na TekSapo

 

De acordo com os principais objetivos da NAU:

  • Possibilitar o ensino e formação a comunidades alargadas de utilizadores, promover uma cultura de conhecimento e aprendizagem contínua, em particular na população portuguesa e estimular a literacia digital.

O trabalho desenvolvido em conjunto entre a BloomCast e a NAU tem dado resultados francamente positivos, com o recente alcance dos 100.000 utilizadores, bem como o anúncio de novos cursos de temas e áreas diversas.

 

 “A colaboração entre a BloomCast e a NAU trouxe uma dinâmica diferente à plataforma, tendo aberto caminhos e auxiliando no objetivo último de nos levar ao conhecimento de novos utilizadores e marcar o posicionamento da NAU enquanto plataforma de formação on-line gratuita para o conhecimento lusófono” , refere Pedro Cabral, Gestor a plataforma NAU – serviço gerido pela Unidade FCCN da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

 

Descubra mais, aqui, sobre o mar de conhecimento e aprendizagem contínua a bordo da NAU. 

Pode ler as duas peças aqui: Dinheiro Vivo e TekSapo ou aqui.

Redes sociais: 3 tendências para 2021

3 tendências para redes sociais em 2021_BloomCast

Se há uma certeza acerca de 2020, é esta: passámos muitas horas nas redes sociais. Mas este aumento de conexão não é algo chocante, ao considerar o panorama mundial que vivemos. Em março, a par do confinamento, a Statista reportou um aumento de 21% do tempo gasto nas redes sociais, uma vez que estas passaram a ser uma ferramenta fundamental para as pessoas, pois permitia-lhes estar em constante contacto com os seus familiares, manterem-se atualizados das notícias diárias ou apenas para usufruir de entretenimento.

Dizer que uma boa percentagem da população mundial passa grande parte do seu dia nas redes sociais não seria um exagero, dado que as mesmas se tornaram parte das rotinas diárias de cada um.

Tendo em conta esta importância, é normal que as empresas e os marketeers utilizem este canal de comunicação, de modo a conectarem-se com o seu público-alvo. No entanto e devido às grandes quantidades de conteúdo colocadas nas redes sociais pelos seus 3,6 mil milhões de utilizadores, o desafio passa agora por conseguir destacar o nosso conteúdo – e ter conhecimento das principais tendências pode dar pistas fundamentais sobre qual a melhor abordagem para as redes sociais em 2021.

Desta forma, partilhamos, abaixo, três grandes tendências para Redes Sociais que consideramos essenciais e que deve ter em conta ao planear a sua estratégia para este novo ano.

  1. O domínio do vídeo

De acordo com um estudo da Cisco, em 2022, 82% de todo o conteúdo online será  vídeo. Ou seja, o conteúdo em formato de vídeo é um dos com maior engagement e a tendência é tornar-se num dos vencedores da atenção do público. Sejam vídeos de curta duração, como os TikToks ou as Stories, ou os vídeos de formato longo, como o Youtube. A verdade é que este formato é o futuro do conteúdo para redes sociais.

Em 2020, vimos o crescimento do vídeo em várias plataformas, como o Instagram, sob a forma de Reels, Instagram TV e Lives, e o TikTok, que se tornou num fenómeno instantânea. Foi durante o confinamento que os seus números dispararam: as visualizações de lives no Instagram aumentaram 70% de fevereiro para março e o TikTok ganhou quase 20 milhões de visitantes únicos mensais, o que representa um aumento de 48,3%, entre janeiro e março. Em resposta, os algoritmos das redes sociais têm favorecido o vídeo (nativo) acima de todos os outros formatos de conteúdo e muitas plataformas criaram opções de vídeo que facilitam medir o ROI, para aliciar as empresas (por exemplo, as Stories no LinkedIn).

Na China, o comportamento de consumidores confirmou esta tendência. Durante o confinamento foram motivadas as compras através de lives, o que levou o gigante do comércio Alibaba a recrutar e treinar influencers de vídeo para aumentar as vendas no AliExpress.

Perante tudo isto, é claro que em 2021 as empresas têm de se adaptar e incluir obrigatoriamente o vídeo na sua estratégia de conteúdo. Neste sentido, para colmatar o desafio do budget, é aconselhável começar pelas Stories, fazendo vídeos mais curtos e até mesmo com o telefone.

 

  1. O crescimento do comércio social

O e-commerce viu o início de uma revolução em 2020, algo que se prolongará em 2021: o comércio social, através de plataformas como o Facebook, o Instagram e o Pinterest está-se a tornar uma nova fonte de lucro para as empresas, e está a caminho de se tornar uma fonte de retalho mainstream, igualmente importante a websites e lojas físicas.

De facto é que, segundo o HootSuite, as três principais razões pelas quais os seus clientes utilizam as redes sociais são para aumentar a aquisição de novos clientes (73%), aumentar a notoriedade da marca (64%) e aumentar o número de conversões – leads, compras e contactos de produtos (45%).

Deste modo, o Instagram foi o principal pioneiro nesta tendência. Desde ser possível comprar os itens na publicação, até à opção de “Shop” na própria aplicação. Com esta evolução é fácil perceber que a estratégia da rede social tem sido, por um lado, a aproximação ao seu público-alvo, facilitando o acesso e os processos de compra e, por outro, tornar esta rede cada vez mais pensada e fundamental para que as marcas e empresas consigam associá-la com os seus objetivos de negócio.

Adicionalmente e de forma a colmatar os resultados de vendas obtidos em 2020, os negócios terão de se reinventar, enquanto mantêm os seus clientes seguros. Por isso, é normal que se verifique um crescimento do número de empresas com e-commerce, sejam elas pequeno comércio ou até mesmo os ginásios ou personal trainers que têm apostado, cada vez mais, em dar as suas aulas de exercício físico via Instagram.

Posto isto, e apesar de ser uma mudança polarizante, 2021 verá as empresas e os marketeers a adaptar-se à nova forma de comércio através das redes sociais, incorporando-o nas suas estratégias de vendas e obrigando a que o produto ou serviço seja entregue com os mesmos elevados padrões de qualidade que uma loja física, por exemplo.

 

 

  1. Uma estratégia assente em “ouvir”

2020 apresentou uma oportunidade irresistível para as empresas de se colocarem no palco, e no meio da conversa, não se apercebendo que, em tempos de crise, as pessoas querem principalmente conectar-se umas com as outras, e não com as empresas.

Perante este contexto, foi possível ver isto nos primeiros instantes da pandemia, em que muitas empresas adotaram um tom semelhante na sua comunicação – algo caricato que acabou por ser notado nas redes sociais.

Este fator deve-se, sobretudo, ao facto de que, as empresas que esperaram primeiro para ouvir o feedback do público acabaram por vencer, pois puderam adequar a sua resposta ao clima da situação.

Este ano, é esperado que se continua a dar prioridade a esta estratégia, e que as empresas estejam mais conscientes daquilo que publicam nas redes sociais e do valor que o conteúdo acrescenta. O público percebe quando a marca está a ser genuína, e com o algoritmo ou não, a intenção por detrás das publicações conta.

Para isso, em 2021, é importante, mais do que nunca, a adequação do conteúdo a cada rede social, a personalização, através da seleção de targets para cada conteúdo e, acima de tudo, a criatividade para descobrir novas formas de entrar na conversa sem a tentar liderar, escolhendo formatos e mensagens que perfurem a parede da indiferença.

Assim, é importante para as empresas consolidarem as suas estratégias de redes sociais através das tendências, dos comportamentos dos consumidores e dos dados obtidos das próprias redes, de modo a conseguirem determinar um plano de conteúdos eficiente.

 

 

O mundo está em constante mudança e apesar destas serem as previsões para as redes sociais em 2021, nada nos garante que assim o será – algo que 2020 nos ensinou.

 

Para saber mais acerca de como criar uma estratégia de redes sociais em 2021 consulte o nosso Social Media Guidebook, parte dos BloomCast Content Series ou entre em contacto connosco.

A importância do SEO para o seu Website

o que é o SEO e qual a sua importância

O que é o SEO?

Atualmente, somos constantemente bombardeados com uma enorme quantidade de informação, disponível na internet e, neste sentido, todos ambicionamos que o conteúdo que produzimos seja relevante, de forma a atingir o maior número de interessados possível. Mas, para tal, é muito importante que o seu website esteja entre os primeiros nos mecanismos de busca. E para isso é utilizado o SEO.

Para ter o melhor resultado é necessário, primeiramente, entender ao certo o que é o SEO e qual a sua utilidade. O SEO (Search Engine Optimization) é todo o conjunto de técnicas on-page e off-page que têm o propósito de melhorar a qualidade e quantidade do tráfico, otimizando a visibilidade de uma página específica, permitindo assim obter melhores resultados orgânicos dos diferentes motores de pesquisa. O SEO não é uma ferramenta pré-programada que se utilize, é necessário alguma pesquisa de forma a se identificar e compreender quais são os interesses do meu público-alvo, o que estão interessadas em saber, quais as questões que pesquisam e as palavras-chave que utilizam.

Qual a importância do SEO?

Resumidamente, o SEO ajuda-nos a posicionar a nossa página web nos primeiros resultados dos motores de pesquisa, o que é fundamental, uma vez que, diariamente, são criados, aproximadamente, 547.200 websites. Para além disso, o sucesso encontra-se nos resultados denominados orgânicos ou não pagos, dado que estes não só aparentam ser mais confiáveis como têm um rácio de clique muito superior, comparativamente com os resultados pagos. Para muitos, o SEO tem uma vantagem única que mais nenhuma ferramenta de marketing digital consegue oferecer, ou seja, quando bem trabalhado o SEO de uma página, é possível continuar a subir e/ou manter as posições no ranking dos motores de pesquisa, trazendo tráfico à mesma, sem qualquer custo.

Como podemos usar o SEO?

O SEO aparenta ser mais complicado do que verdadeiramente é. De facto, como referido anteriormente, o mais importante é perceber realmente o que é que estão a procurar nos motores de pesquisa e que palavras-chave utilizam.

Neste sentido, procurámos, neste artigo, dar algumas dicas importantes que, certamente, irão melhorar o posicionamento da sua página web:

1 – Palavras-chave

Quando pesquisamos por algo no Google, o motor de busca mais utilizado no mundo, por norma estamos à procura de uma resposta a alguma dúvida que tenhamos. Esta pesquisa é realizada através de palavras, sendo que os resultados que irão aparecer são a conclusão de uma análise feita pelo motor de busca às páginas que melhor posicionadas estão para responder às nossas palavras-chave. Perceber que palavras estão a ser pesquisadas é o primeiro passo a tomar. Esta pesquisa pode ser realizada através de plataformas de análise como, por exemplo, a Ubersuggest. Esta é muito simples de entender, basta escrever uma palavra-chave, escolher o país e imediatamente será indicado o volume de pesquisa dessa palavra.

Após identificar quais as palavras-chave mais pesquisadas poderá criar conteúdo e páginas otimizadas para esses termos específicos. Contudo, importa garantir que não faz algo chamado keyword stuffing, ou seja, a repetição excessiva das palavras-chave ao longo do texto, principalmente nos:

  • Títulos de páginas
  • Cabeçalhos
  • Alt-tags
  • URLS
  • Título e subtítulo descritivo de imagens

Dando um exemplo, a BloomCast Consulting construiu um artigo sobre Podcasts e Webinars, “Podcast ou Webinar: Escolher o formato que melhor funciona para o seu negócio”, onde teve como palavras-chave “Podcast” e “Webinar”.

O que é o SEO e qual a sua importância

1 – 2º resultado orgânico no Google de 3 720 000 resultados – SEO

O facto de os termos terem sido escolhidos no singular tem uma justificação lógica. À data da sua construção, a ferramenta Ubersuggest indicava que, em Portugal, “Podcast” e “Webinar” eram mais pesquisados do que o seu plural, logo, fazia sentido utilizar o singular pois traria mais resultados à pesquisa.

2- Links Internos

A estratégia de utilizar links internos é muito simples de aplicar e tem como objetivo manter o visitante mais tempo dentro do site ao visitar mais páginas. Quantas mais páginas forem visitadas, mais facilmente o Google vai entender que a página é relevante, algo fundamental para aparecer nos primeiros resultados de pesquisa. Desta forma, reveja os artigos antigos no seu blog e procure incorporar ligações desse texto para outros e vice-versa. Por outro lado, um ponto muito importante a não esquecer, apenas faça ligações relevantes, não crie spam desnecessário. Se procura um exemplo prático, releia a primeira dica onde falamos do artigo sobre podcasts e webinars. Caso o tenha aberto, a estratégia resultou.

3- Links Externos

Para além dos links internos, os links externos também são, talvez ainda mais, importantes para SEO e não podem ser esquecidos. Quantas mais ligações a websites externos relevantes o seu artigo tiver, mais facilmente será para o Google considerar a relevância. Existem dois pontos que requerem particular atenção:

  • Quantidade VS Qualidade – É preferível ter poucos links de excelente relevância e autoridade do que muitos links de baixa relevância. Os poucos links, para o algoritmo do Google, são mais benéficos do que os muitos de baixa qualidade.
  • Parcerias – Seria desvantajoso estar a atribuir ligações para outros criadores de conteúdo se não fosse recíproco. Sugerimos tentar contactar as páginas ou canais que considera relevantes e procure uma parceria de backlinks, ou seja, tem a sua ligação incluída no conteúdo parceiro e vice-versa.

4 – Velocidade de carregamento da página

O tempo que uma página demora a carregar afeta diretamente todas as ações de SEO realizadas previamente. Aconselhamos a que o seu site carregue completamente em três ou menos segundos, uma vez que quanto maior for o tempo de carregamento maior será a taxa de rejeição, prejudicando assim a classificação nos motores de pesquisa. Se quiser saber qual a velocidade de carregamento do seu site em dispositivos móveis, o Google tem uma ferramenta gratuita muito útil.

5 – Monitorização e otimização contínua dos conteúdos

Depois de seguir as dicas anteriores de SEO, é possível que tenha conseguido um melhor posicionamento nos motores de pesquisa, mas o trabalho ainda não terminou. É necessário que exista uma monitorização e otimização dos conteúdos constante, ou seja, perceber o que está a resultar e o que ainda precisa de ser melhorado é um dos ponto-chave para otimizar ainda mais a posição do seu site. Por fim, tenha consciência de que a concorrência também poderá estar a melhorar as suas páginas, daí ser importante esta análise contínua.

 

O trabalho de SEO é algo que traz resultados benéficos ao conteúdo criado e tem a vantagem de ser completamente gratuito. Se tiver em conta as dicas partilhadas, evitando os pontos negativos como o keyword stuffing, conseguirá construir uma página que irá estar bem posicionada. Tenha em conta que o Marketing Digital está em constante evolução, obrigando a uma pesquisa quase diária de novas ferramentas que possam trazer novos pontos positivos e melhorias dos negativos.

Ebook: Blogs, uma biografia da sua organização

Blog, uma biografia da sua organização

Um blog (E-book) é um tipo de conteúdo comunicacional capaz de trazer bastantes vantagens para o seu negócio. Com a criação de artigos ou “posts” sobre determinado tema, consegue não só posicionar—se enquanto especialista no assunto, como também humanizar a organização, através da partilha de histórias sobre colaboradores ou clientes, demonstrado um lado menos formal para além da esfera corporativa.

É importante reter que a presença digital de qualquer organização é hoje obrigatória para corresponder à procura dos consumidores e canais de comunicação, como é o caso dos blogs, têm tido um papel preponderante na resposta a esta.

O que é um blog?

Um blog é uma forma digital de comunicar com clientes e interessados, que tem vindo a ganhar relevância neste período de reinvenção dos diversos tipos de negócio. À semelhança de outras ferramentas como o podcast ou o webinar, os blogs procuram atrair potenciais clientes interessados pelo seu conteúdo e estes, particularmente, são uma excelente forma de obter feedback de quem o consome.

O conteúdo a ser desenvolvido depende de cada tipo de negócio: o ideal, como referido, seria abordar temas diretamente associados ao serviço ou produto da organização para, não só garantir que os leitores estariam interessados em continuar a seguir a organização, mas também para posicionar-se como especialista, acabando por atrair continuamente potenciais leads relevantes.

Boas-práticas para criar o seu blog

Apesar de ser um conteúdo aparentemente simples de construir, exigindo acima de tudo tempo, existem algumas guidelines que devem ser tidas em conta aquando se pretende seguir esta linha comunicacional.

Primeiro, num período onde as fake news estão cada vez mais presentes nas redes de consumo rápido, e com sensivelmente 66.6% dos europeus a consumir estas informações falsas semanalmente, é importante garantir toda a veracidade do conteúdo que será escrito e publicado. A imagem da organização pode ser prejudicada caso se verifique que o seu blog partilha informação incoerente ou completamente errada. Para além disso, é importante garantir que existe uma continuidade na criação de conteúdo. Adicionalmente, um blog desatualizado deixa de ser relevante para o seu negócio. Para além de garantir que os conteúdos existentes são atuais, é importante procurar a publicação regular de artigos, para construir uma base de seguidores que crescerá com o tempo. Um bom blog é intemporal e capaz de atrair novos leitores frequentemente.

Numa fase onde a oferta excede a procura, é importante procurar cumprir todas as pequenas etapas que possam destacar o seu conteúdo dos restantes, de forma a reter e cativar uma audiência interessada e interessante para o que pretende desenvolver.

Ferramentas a utilizar para o seu blog

A criação e manutenção de um blog  são tarefas que exigem empenho, tempo e persistência de forma a garantir que este está a par das tendências e atualidade relevante. Ainda assim, não têm que ser realizadas sem ajuda. Existem inúmeras plataformas e ferramentas que podem auxiliar, não só na implementação e partilha de conteúdo redigido, mas também na otimização do SEO das páginas, na estratégia de marketing para os artigos online e ainda com a análise à analítica mais relevante, para si e para a sua organização, dos artigos publicados.

Estas ferramentas devem ser exploradas uma vez que reduzem o tempo despendido na criação de conteúdo para o blog, permitindo assim um foco maior em outros assuntos, como o próximo artigo a escrever.

Para saber mais sobre blogs e outros tipos de conteúdo, consulte o nosso Blog Guidebook, que faz parte dos BloomCast Content Series um documento desenvolvido pela BloomCast Consulting com o objetivo de fornecer informação útil e facilmente acionável para definir a linha comunicacional que deve ser utilizada na criação de conteúdo. Nele poderão encontrar as melhores práticas para criação dos diversos conteúdos bem como algumas estatísticas e factos relevantes em relação aos diferentes formatos.

Faça o download aqui! 

Procura mais informação para criar blogs surpreendentes? Contacte-nos! e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

Ebook: O Conteúdo, um catalisador para o seu negócio

Máquina de escrever que remete para conteúdo

Um conteúdo (E-book), é um conceito vago que se pode materializar em vários formatos e ser interpretado de diversas maneiras, mas que, essencialmente, se reflete em todas as diferentes formas de criar informação partilhável sobre um tema específico.

Independentemente do tipo de conteúdo, o seu objetivo final é, quase, sempre o mesmo, ter substância, relevância e criar valor para a organização. Independentemente do tipo de conteúdo, todos servem um propósito, seja ele informar a  audiência, melhorar o SEO do website ou até mesmo criar estratégias para as redes sociais e, é por isso, que é tão importante realizar uma análise prévia de modo a conseguir  perceber se o conteúdo produzido e o que está a pensar produzir é do interesse do seu público-alvo, para que possa atingir os melhores resultados possíveis.

Atualmente, é fundamental estar no digital e, neste sentido, os conteúdos têm vindo a assumir um papel muito mais estratégico ao permitir às organizações: alcançar o máximo público possível e garantir a sua fidelização. No entanto, para que seja possível confirmar esta adesão de leitura aos conteúdos, estes devem ser relevantes, estruturados e úteis para os seus leitores.

O que é um conteúdo relevante?

Criar conteúdo desinteressante ou desadequado é uma decisão a evitar, pois poderá manchar a reputação da empresa. A verdade, é que a relevância deste, seja este um podcast ou webinar, é o fator diferenciador entre o seu e todo o possível conteúdo já existente, dentro do meio milhão de páginas web criadas diariamente. Infelizmente não existe um padrão que defina o que é um conteúdo relevante, mas existem algumas linhas orientadoras que devem ser utilizadas no processo de seleção e definição do conteúdo a trabalhar. Por exemplo, desenvolver uma análise dos assuntos mais trendy, num determinado momento, pode ajudar as organizações a pensar se fará sentido abordar esse assunto junto da sua audiência. Hoje, mais do que nunca, é preciso ter em conta o que é que as pessoas procuram, onde procuram e quando.

Tipos de conteúdo

Existem inúmeros tipos de conteúdo que valem a pena explorar, e com as inovações digitais e a criatividade dos profissionais de marketing, a tendência é para que surjam cada vez mais. Desde o clássico e-mail marketing, de que fazem parte as newsletters, ao tão, recentemente, descoberto webinar. os conteúdos são assim uma forma diferente de apresentar o seu know-how. Cada um tem vantagens específicas, como a liberdade criativa que um infográfico oferece ao seu criador ou a interatividade e dinamismo de um vídeo, por exemplo.

Atualmente, mais do que nunca, os conteúdos são fundamentais para reter e cativar uma audiência interessada naquilo que a sua organização pode oferecer.

Ferramentas a utilizar para criar conteúdo

Criar conteúdo é uma tarefa que exige tempo, esforço e conhecimento das áreas e assuntos do momento. No entanto, os profissionais desta área não têm de desenvolver e implementar estratégias sem ajuda, já que um bom trabalho neste campo pode também advir da utilização de ferramentas e softwares online. Existem várias plataformas gratuitas e pagas que são um importante complemento ao redigir um conteúdo online, uma vez que não só melhoram o resultado como reduzem o tempo despendido em eventuais alterações, levando a um melhor aproveitamento deste.

Neste sentido, delineamos um guia com as melhores práticas a adotar para desenvolver os vários tipos de conteúdos de excelência (blog, e-mail marketing, newsletters, infográficos, vídeos, webinars, podcasts e branded content). Estas indicações devem ser seguidas, transversalmente, quando pretenderem avançar com a criação de qualquer um dos diferentes formatos de conteúdo.

Guia para criação de conteúdosque faz parte dos BloomCast Content Seriesé um documento desenvolvido pela BloomCast Consulting com o objetivo de fornecer informação útil e facilmente acionável para definir a linha comunicacional que deve ser utilizada na criação de conteúdo. Nele poderão encontrar as melhores práticas para criação dos diversos conteúdos bem como algumas estatísticas e factos relevantes em relação aos diferentes formatos.

Faça o download aqui!

 

Ordem da Trindade vai investir mais de 10 milhões nas traseiras da Câmara do Porto

Vista aérea da Ordem da Trindade

“Ao longo destes séculos de existência, a Ordem da Trindade enfrentou guerras e pandemias, invasões e crises, viveu através de diferentes regimes políticos e desempenhou missões distintas, mas sempre relevantes para a cidade do Porto e para os seus cidadãos”, afirma Francisco Miranda Duarte, diretor geral desta instituição privada de solidariedade social, sem fins lucrativos.

Trata-se de uma das mais antigas e emblemáticas instituições do Porto, que neste ano de 2020, quando comemora o seu 265.º aniversário, decidiu avançar com um profundo projeto de reabilitação das suas infraestruturas, aumenta da capacidade e melhoria da qualidade dos serviços que presta.

E quis o destino que as obras arrancassem às portas de mais uma pandemia mundial. “Começaram a 3 de fevereiro, prevendo-se que estejam concluídas em finais de maio do próximo ano”, revelou ao Negócios fonte oficial da Ordem da Trindade.

Em causa está a reabilitação de todo o quarteirão rectangular que a instituição ocupa, situado entre o edifício da Câmara do Porto e a estação de metro da Trindade.

“O objetivo do projeto visa reabilitar o conjunto edificado da Ordem da Trindade, com uma particular atenção na remodelação profunda do hospital, dotando-o de melhores condições estruturais e meios técnicos de vanguarda, que permitam aumentar a qualidade dos serviços prestados e a capacidade de resposta aos cidadãos”, detalhou a mesma responsável.

A sua unidade de cuidados continuados, “que é uma unidade de referência da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) e a única inserida no concelho do Porto”, verá aumentada a sua capacidade em mais 30 camas, “disponibilizando aos portuenses uma inovadora Unidade de Cuidados de Convalescença”, a alocar nos pisos 5, 6 e 7 da ala Norte, voltada para a estação do metro da Trindade.

 

Arte sacra com 265 anos de história e soluções digitais no futuro museu

 

A Igreja da Trindade, que integra o quarteirão da instituição, também sofrerá obras de beneficiação e de consolidação estrutural “e integrará, juntamente com um percurso museológico a definir e a construir, o futuro Museu da Igreja da Trindade”, revelou a mesma fonte ao Negócios.

“Será um espaço cultural relevante para a cidade e para os cidadãos em geral, com utilização de soluções tecnológicas digitais, mas que também incluirá o extraordinário acervo de arte sacra com 265 anos de história”, realçou.

De resto, sintetizou, “serão ainda recuperadas todas as coberturas e panos das fachadas, mas também uma intervenção impactante na reabilitação dos espaços exteriores, com uma preocupação acrescida nas questões de mobilidade e acessibilidade dos cidadãos”.

O valor global do investimento será “superior a 10 milhões de Euros”.

 

 

 

Mais informações aqui.

In Jornal de Negócios.

Tecnologia e Comunicação: breve história de um casamento de (mútua) conveniência

Rodolfo Oliveira Managing Partner da BloomCast Consulting e o setor tecnológico

Entre a crise financeira de 2008 e a actual crise, causada pelo coronavírus, deu-se uma profunda transformação dos processos de comunicação e das tecnologias subjacentes. Em 2008, o email reinava (sendo que ainda tem um papel imprescindível), as páginas de Internet eram pouco dinâmicas e maioritariamente pesquisadas através do computador, o telefone de secretária ainda era um instrumento de trabalho essencial e os SMS a forma natural de comunicar em mobilidade. Muitas das redes sociais estavam ainda a despontar e a comunicação empresarial era feita maioritariamente por estes canais mais tradicionais e formais. Mas, embora ainda incipiente, a transformação digital e a mobilidade estavam a alargar-se a todos os domínios.

Senão vejamos: em 2001 nasceu a Wikipédia que revolucionou o acesso a informação credível sobre uma infinitude de temas, abrindo a porta para um mundo de conhecimento ao alcance de todos; em 2003 nasceu o Linkedin; em 2006 o Facebook passa a ser uma rede aberta a qualquer utilizador; em 2007 a experiência do telemóvel foi redefinida com o iPhone e a loja online da Apple aparece em meados de 2008 com o número, surpreendente à altura, de 500 aplicações, dando início à explosão das Apps. O iPad é lançado em 2010 como uma alternativa de computação fiável e utilizável em qualquer lugar de forma confortável e sem as limitações de dimensão e autonomia dos portáteis. O Uber e o Whatsapp surgem em 2009 e, do lado dos conteúdos, em 2006 o Ricky Gervais Show tornou-se um sucesso instantâneo também no formato podcast, tendo quebrado vários recordes de downloads.

De então para o momento actual, teve lugar um crescimento exponencial dos canais digitais, com o Facebook a ser a rede social de eleição, inicialmente para as gerações mais jovens. Mas também elas já o começaram a abandonar para se mudarem para o Instagram, e, mais recentemente, para a plataforma de vídeos TikTok. Por outro lado, a navegação na Internet passou também a ser feita, maioritariamente, em dispositivos móveis e as chamadas de voz passaram a ser, de forma crescente, feitas em aplicações como o WhatsApp.

O momento de profunda mudança que atravessamos agora terá também ele um impacto significativo ao nível das expectativas dos clientes e da adopção de novas tecnologias. Por um lado, forçou um reset, uma redefinição potencialmente mais saudável das expectativas, no qual os consumidores e cidadãos, fruto do sentimento de insegurança e incerteza que atravessamos, passaram a dar uma maior relevância a valores como credibilidade, confiança e reputação. Por outro, as marcas recuperaram o tema do propósito, mas agora redefinido e colocando colaboradores e sociedade à frente dos seus accionistas.

Esta mudança levou também ao acelerar da transformação digital e da adopção e utilização de ferramentas que permitam estar mais próximo do cliente num formato mais natural e próximo do que seria uma realidade presencial. O tema fundamental é proporcionar uma melhor experiência para todos, consumidores e clientes. A presença online tem o potencial de permitir muito mais do que apenas conhecer a marca. Possibilita também gerir a relação com os clientes e, ao mesmo tempo, criar uma relação mais interactiva e enriquecedora com cada um deles. Claramente, as organizações que forem capazes de executar nesta estratégia, a manter-se o período que se adivinha longo das novas regras de relacionamento e distanciamento social, serão as que sairão vencedoras.

Por sua vez, os modelos de interacção, potenciados por ferramentas de vídeo, mudaram a forma como conseguimos manter-nos em contacto, sendo actualmente algo banal quando, num passado recente, eram apenas possíveis com dispendiosos equipamentos de videoconferência. Também os processos de aprendizagem online actuais irão ser ultrapassados por modelos de muito maior complexidade e interacção, imersivos e em que seja possível recriar a experiência presencial e estimular a ligação entre os estudantes de forma muito mais dinâmica.

Mais importante é reter que esta transformação está ainda na sua infância, fruto da evolução tecnológica que está a potenciar novos cenários e modelos de interacção. A realidade virtual e aumentada irão transformar o nosso dia-a-dia, à medida que muitas destas tecnologias se tornam a norma nos telemóveis, e que as redes 5G se vão alargando, criando o que se adivinha um espaço infinito de largura de banda para aplicações que tirem partido destas tecnologias. A mobilidade tradicional com os telemóveis, os smart watches e o wearable tech irão criar novos modelos de experiência.

Ou seja, a tecnologia permite novas abordagens na comunicação e a comunicação irá ter impacto na forma como esta será utilizada. A criatividade na utilização destas novas tecnologias para criar melhores e mais enriquecedoras experiências irá, seguramente, surpreender-nos e, quando olharmos para a realidade anterior a esta crise em retrospectiva, o mundo terá mudado.

Publicado, inicialmente, em Executive Digest, versão online. Artigo de Opinião de Rodolfo Oliveira, Managing Partner da BloomCast Consulting.

Comunicar em Tempos de Incerteza

Mudança. Disrupção. Transformação. Termos que vemos utilizados com regularidade, mas que, de tantas vezes repetidos, parecem pouco para descrever esta nova realidade em que o modelo de sociedade em que vivemos foi profundamente alterado. Como sempre em alturas de crise, estabelecer gabinete de crise e revisitar planos, sejam de negócio ou de marketing, e reavaliar a estratégia, estão na ordem do dia. Uma mudança de planos sem estratégia definida é potencialmente ineficaz, se não  existir uma equipa focada em implementar e acelerar as decisões seguramente um mau caminho.

No essencial, qualquer empresa ou marca deverá operar a dois níveis de prioridade na interlocução com os seus colaboradores, clientes e parceiros. No primeiro nível, deverá assegurar que os planos de contingência e de adaptação a esta nova realidade foram implementados, e que conseguiu reorganizar-se para manter a sua operação com um mínimo de disrupção. Essa fase já deverá estar terminada ou em fase de finalização na grande maioria das organizações, assim como definidas iniciativas de apoio e ligação às equipas, ao ecossistema e à comunidade em que organização se integra.

O segundo nível deverá centrar-se no médio prazo e em perceber como apoiar os seus clientes e consumidores, mostrando a capacidade de inovar e apresentar ideias, produtos e serviços que permitam responder a esta nova realidade, que obriga a mudar para utilizar todos os canais digitais disponíveis, seja para trocar pontos de venda físicos por digitais, seja para manter o contacto e responder às dúvidas e questões dos clientes. A transformação digital será acelerada como nunca o foi até agora, e as empresas ver-se-ão forçadas a fazê-lo para conseguirem manter a sua operação.

Este pensamento a dois níveis, e o foco neste segundo, é essencial porque começa a desenhar-se no horizonte uma transição, que se adivinha não ser o regresso à normalidade, mas sim à normalidade possível, um novo normal, termo amplamente utilizado para definir a realidade que emergiu da crise financeira e recessão iniciada em 2008, e que será seguramente mais digital, menos presencial, e mais distribuída, criando novos desafios, mas também muitas oportunidades, aos negócios que saibam inovar.

Esta abordagem deverá ser também uma realidade na comunicação. Para além da renovação e reforço dos canais próprios, o forte aumento do consumo de notícias dos órgãos de comunicação social cria oportunidades. Que tipo de investimento poderá ser potenciado? Claramente, branded content e os tradicionais media relations / earned media têm um forte potencial. E, neste contexto, que tipo de informação deverá ser colocada como prioridade? Assegurar a continuidade do negócio para o mercado, mostrar uma preocupação e proximidade à comunidade, assegurar a divulgação de propostas digitais, dar a conhecer a visão estratégica de crescimento e evolução para lá do momento actual são todas ideias válidas, assim como novos produtos e procjetos. Ou seja, comunicar focando no médio prazo e naquilo que caracteriza e distingue a empresa.

Numa altura em que estamos tanto tempo ligados ao computador, também os conteúdos de email sofisticados, objetivos e curtos deverão ser potenciados como ferramenta útil, assim como as redes sociais. A pior opção é seguramente reduzir ou deixar de comunicar, porque esta decisão cria uma óbvia incerteza no mercado, e um espaço para que outros possam ganhar a necessária visibilidade.

No fundo, esta realidade obriga-nos a recentrar no fundamental. Sejamos consumidores, clientes ou fornecedores, todos somos emocionais, procuramos estabelecer relações de longo prazo, apreciamos a sinceridade, transparência e quem está ao nosso lado e nos apoia nos momentos em que procuramos orientação e apoio. Esta mudança será um momento de transformação, com as inevitáveis consolidações e problemas para quem não se conseguir ou puder adaptar, mas quem souber inovar na sua oferta, e comunicar essa diferença, serão seguramente os que irão sair vencedores.

Publicado, inicialmente, em Meios e Publicidade, versão online. Artigo de Opinião de Rodolfo Oliveira, Managing Partner da BloomCast Consulting.

Empreender e comunicar

Ser empreendedor é correr riscos. É olhar para mercados estabelecidos e perceber onde estão as oportunidades latentes e as necessidades não atendidas. É perceber como ligar ideias e serviços aparentemente sem ligação para surpreender com um novo produto ou serviço. É inovar. É diferenciar ofertas e produtos.

Implica resiliência, acreditar que se consegue, e que depois de um dia mau existirá sempre um dia melhor. Implica também uma análise permanente da estratégia a implementar, dos investimentos relevantes a efetuar, de identificar parceiros que tornem o projeto mais forte e mais capaz de reagir à mudança que, em conjunto com flexibilidade e adaptação, são as palavras de ordem para os negócios atuais.

Esta nova realidade em que os negócios se movem hoje tem por base as tecnologias de informação e a transformação proporcionada pela banalização da Internet. Para além dos exemplos, utilizados ad nauseum, da maior empresa do mundo de táxis não ter nenhum, ou da maior empresa de hotéis do mundo não ter hotéis, há todo um mundo novo de oportunidades e novos negócios surgidos nas últimas décadas.

Atualmente, a compra de música é feita por serviços de streaming, a leitura de livros online é uma realidade incontornável (mais de 20% de leitores de audiolivros nos EUA no ano passado), as notícias são adaptadas a visualizações em dispositivos móveis (mais de 50% dos millenials consultam conteúdos online em smartphones), as vendas de viagens e hotelaria são feitas por serviços online que fazem o trabalho de pesquisa e identificação de oportunidades para o que pretendemos, zonas remotas podem beneficiar de um médico especializado com serviços de telemedicina, a informação de blogs e os bloggers ganharam relevância e um espaço próprio, e podemos aceder a cursos das melhores universidades do mundo a partir da comodidade do nosso sofá com soluções avançadas de e-learning,como é o caso do Coursera. Os exemplos são inúmeros. Todos estes projetos, e muitos outros que poderiam ser referidos, têm como premissas base as tecnologias de informação e a Internet.

Se esta é a realidade do dia a dia dos negócios, porque é que muitas das empresas continuam a apostar em formatos de comunicação antigos e pouco eficazes? A realidade é que, a par das mudanças existentes nas restantes dimensões da operação, também aqui existem novas oportunidades e desafios. Os formatos de interação, assim como a forma como os clientes se relacionam com a informação, sofreram profundas mudanças. Estes não esperam, pesquisam. Não pedem, esperam ser surpreendidos. Não perdem tempo com informações detalhadas, querem apreender rapidamente e decidir. Decidem se, quando e como vão procurar a informação da empresa. Não seguem o formato tradicional do funil de vendas, estão regularmente a avaliar e reavaliar marcas e empresas.

Isso significa que a comunicação, seja com clientes, com parceiros ou com media, deve também ter em consideração esses novos cenários, mantendo o pressuposto base – definição de uma proposta de valor clara e diferenciadora, coerência na comunicação que é feita nos diversos canais, assegurar uma presença digital eficaz e integrada, preferencialmente bilingue (ENG/PT), integrar um sistema de gestão da relação com o ecossistema da empresa que seja adequado à capacidade de o utilizar de forma eficaz, e definir processos de resposta rápida às questões levantadas pelos clientes. E manter uma regularidade que permita manter a proximidade. Inovar nos formatos, sejam Webinars, vídeos, blogs, imagens e divulgação de mensagens nas mais tradicionais, e nas novas, redes sociais. E trazer toda esta mudança para os seus diferentes interlocutores, não descurando os formatos comprovados e que, bem utilizados, continuam a ter uma enorme eficácia – a presença editorial e paga nos órgãos de comunicação social, o conteúdo, seja branded ou sponsored, um email bem pensado, oportuno, com informação útil e action points claros; ações presenciais com apresentações modernas e interativas que desafiem os interlocutores.

Um plano de negócio sem uma comunicação adaptada aos tempos atuais, seja B2B ou B2C, é um risco adicional. Vale a pena?

 

Publicado, inicialmente, em Link to Leaders, versão impressa. Artigo de Opinião de Rodolfo Oliveira, Managing Partner da BloomCast Consulting.