5 tendências para Redes Sociais em 2022

Tendências de social media 2022

Depois de tempos conturbados, em que muitas marcas e empresas tiveram que atuar taticamente de modo a sobreviver, 2022 é o ano de retomar o pensamento estratégico e inovar na estratégia digital – considerando a criação de comunidades online resilientes e conectadas, servindo-se do potencial infinito do comércio social e aproveitando as possibilidades criadas pelas redes sociais para reforçar a maior proximidade com o cliente.

Tendo em conta a importância das redes sociais nas vidas dos consumidores, os marketeers e as empresas dirigem-se naturalmente para as mesmas, na esperança de se conectar com o seu público-alvo. No entanto existe uma grande quantidade de conteúdo nas redes sociais, e a competição pela atenção dos consumidores e clientes é elevada.

Pode ser desafiante destacar-se num meio tão saturado, a menos que, por detrás dessa presença, exista uma estratégia de social media marketing associada. Para isto, estar constantemente a par das tendências nas redes sociais, pode ajudar a conferir um maior impulso à estratégia criada, e permitir-lhe destacar do resto da concorrência.

Desta forma, partilhamos, abaixo, cinco tendências para Redes Sociais que deve ter em conta ao planear a sua estratégia para este novo ano.

  1. O ano do TikTok
  2. A eficácia de paid social
  3. Redes sociais e o comércio online pós-pandémico
  4. A comunidade torna-se mais importante
  5. O User-Generated Content é a chave

 

  1. O ano do TikTok

Apesar do Instagram continuar a ser uma das redes sociais mais utilizada, é impossível negar que a popularidade do TikTok tem aumentado a olhos vistos.

Em setembro de 2021, atingiu 1 mil milhão de utilizadores ativos, e com 35% da sua audiência entre as idades de 19 e 29, e 28% até aos 18 anos, torna-a numa das principais plataformas que as marcas e empresas B2B e B2C podem utilizar para atingir Millennials e a geração Z.

Adicionalmente, durante os últimos dois anos, a plataforma tem lançado um grande número de ferramentas úteis para empresas, como perfis de business e a implementação de anúncios. Neste sentido, esta rede social tem-se desenvolvido, para além de uma plataforma utilizada apenas por criadores de conteúdos, para mostrar vídeos de desafios de dança. Em 2021, segundo dados dos Hootsuite, os utilizadores da aplicação passaram 13.3 horas por mês na rede social, o que demonstra o nível de engagement que os mesmos têm.

  1. A eficácia de paid social

Uma das estratégias mais eficazes para chegar a novos públicos e fidelizar antigos continua a passar por campanhas pagas em redes sociais. Apesar desta prática ter evoluído ao longo dos anos, é esperado que em 2022 seja uma grande aposta e neste sentido, mais de metade dos marketeers planeia aumentar os gastos de redes sociais em 2022.

As plataformas sociais consideradas mais eficazes para atingir os objetivos de negócio continuam a ser o Facebook, Instagram, Youtube e LinkedIn, mas considerando algumas mudanças no setor, como por exemplo os planos que a Apple tem para bloquear o impacto dos anúncios sobre um segmento significativo dos seus utilizadores, é muito importante que as marcas comecem a olhar para paid social em novas plataformas.

Desta forma, os maiores crescimentos de paid social para 2022 prevêem-se no TikTok, Pinterest e Snapchat. Mas, qual a estratégia por detrás deste crescimento? A verdade é que por serem redes que ainda não foram consideradas uma prioridade, mudar os recursos para as mesmas poderá causar maior impacto nos públicos-alvo.

Além do TikTok, é importante notar que, segundo dados partilhados pelo Pinterest Business, os anúncios na sua plataforma podem gerar duplo retorno para marcas de retalho – em comparação com outros canais de redes sociais.

 Tendências de redes sociais

  1. Redes sociais e o comércio online pós-pandémico

Antes da pandemia, o comércio através das redes sociais era uma nova oportunidade para as empresas mais inovadoras experimentarem e ganharem uma vantagem competitiva. No entanto, esta situação tem vindo a alterar-se no seguimento da mudança de hábitos de consumo que temos vindo a assistir. Os compradores estão a utilizar as redes sociais para procurar, pesquisar e avaliar as marcas das quais compram, fazendo as redes sociais o segundo canal mais importante para fazer pesquisa online, a seguir aos motores de busca.

Recentemente, de acordo com estatísticas do Shopify, 84% dos consumidores passaram a fazer compras online e por isso, é importante que as empresas estejam atentas. As compras nas redes sociais já não são apenas desencadeadas pelos botões “comprar agora” – mas sim em pequenas ações que têm impacto em todas as fases da jornada do consumidor.

Neste seguimento, é uma enorme oportunidade para as empresas se reinventarem e repensarem a forma como os consumidores experienciam as suas marcas.

(Tudo o que precisa de saber sobre Estratégias de Social Media)

 Tendências de redes sociais_bloomcast

  1. A comunidade torna-se mais importante

Este ano, é esperado que se continue a dar prioridade à criação de comunidade nas redes sociais, e que as empresas estejam mais conscientes daquilo que lá publicam e do valor que o conteúdo acrescenta. Atualmente, o público percebe quando a marca está a ser genuína, e com o algoritmo ou não, a intenção por detrás das publicações conta.

Se anteriormente os principais objetivos da maior parte dos marketeers para as redes sociais eram impulsionar vendas e divulgar produtos, em 2022 será atingir novas audiências, cultivar relações com os clientes e melhorar o apoio ao cliente.

Este último, através das redes sociais, permite aumentar a aquisição de clientes, pois constrói brand awareness e motiva novas aquisições. É importante que as empresas percebam que isto informa os clientes de que os podemos auxiliar mais rapidamente e de maneira mais eficaz.

Tendências de redes sociais bloomcast

  1. O User-Generated Content é a chave

 Aliando-se ao comércio nas redes sociais, a tendência de conteúdo gerado pelos utilizadores impulsionará o crescimento das empresas nestes canais.

Uma das maiores e melhores oportunidades de ter novas ideias vem dos próprios consumidores. O user-generated content (UGC) ou conteúdo gerado pelos consumidores nas redes sociais tem crescido exponencialmente como uma forma natural e envolvente de motivar engagement.

Os consumidores consideram que este tipo de conteúdo é 2.4 vezes mais autêntico do que o conteúdo criado pela própria marca, o que poderá ser utilizado para cultivar relações mais profundas.

À semelhança do que acontece com os influencers, as marcas rapidamente compreenderam que mais facilmente chegariam aos seus consumidores criando empatia e personificando a comunicação. Neste sentido, outro dado importante prende-se com o poder das recomendações: 92% dos consumidores confia em recomendações de outros consumidores acima de qualquer outra fonte.

 

Este são alguns pontos fundamentais que devem constar numa estratégia de redes sociais para 2022. É importante que as empresas prestem especial atenção ao crescimento de redes sociais menos utilizadas e que se aposte monetariamente na mesmas – tanto no comércio social como em anúncios. Mas acima de tudo é importante recordar que as redes sociais são um meio dinâmico e competitivo, pelo que o que funcionou antes não garante os mesmos resultados agora. Por isso, o mais importante é testar, testar novamente e otimizar, já que as métricas irão indicar qual o melhor caminho a seguir.

 

Para saber mais acerca de como criar uma estratégia de redes sociais em 2022 consulte o nosso Social Media Guidebook, parte dos BloomCast Content Series, ou entre em contacto connosco.

 

Curioso para descobrir outras tendências de comunicação para 2022? Podem encontrar aqui  ou aqui, para encontrar outros artigos.

Redes sociais: 3 tendências para 2021

3 tendências para redes sociais em 2021_BloomCast

Se há uma certeza acerca de 2020, é esta: passámos muitas horas nas redes sociais. Mas este aumento de conexão não é algo chocante, ao considerar o panorama mundial que vivemos. Em março, a par do confinamento, a Statista reportou um aumento de 21% do tempo gasto nas redes sociais, uma vez que estas passaram a ser uma ferramenta fundamental para as pessoas, pois permitia-lhes estar em constante contacto com os seus familiares, manterem-se atualizados das notícias diárias ou apenas para usufruir de entretenimento.

Dizer que uma boa percentagem da população mundial passa grande parte do seu dia nas redes sociais não seria um exagero, dado que as mesmas se tornaram parte das rotinas diárias de cada um.

Tendo em conta esta importância, é normal que as empresas e os marketeers utilizem este canal de comunicação, de modo a conectarem-se com o seu público-alvo. No entanto e devido às grandes quantidades de conteúdo colocadas nas redes sociais pelos seus 3,6 mil milhões de utilizadores, o desafio passa agora por conseguir destacar o nosso conteúdo – e ter conhecimento das principais tendências pode dar pistas fundamentais sobre qual a melhor abordagem para as redes sociais em 2021.

Desta forma, partilhamos, abaixo, três grandes tendências para Redes Sociais que consideramos essenciais e que deve ter em conta ao planear a sua estratégia para este novo ano.

  1. O domínio do vídeo

De acordo com um estudo da Cisco, em 2022, 82% de todo o conteúdo online será  vídeo. Ou seja, o conteúdo em formato de vídeo é um dos com maior engagement e a tendência é tornar-se num dos vencedores da atenção do público. Sejam vídeos de curta duração, como os TikToks ou as Stories, ou os vídeos de formato longo, como o Youtube. A verdade é que este formato é o futuro do conteúdo para redes sociais.

Em 2020, vimos o crescimento do vídeo em várias plataformas, como o Instagram, sob a forma de Reels, Instagram TV e Lives, e o TikTok, que se tornou num fenómeno instantânea. Foi durante o confinamento que os seus números dispararam: as visualizações de lives no Instagram aumentaram 70% de fevereiro para março e o TikTok ganhou quase 20 milhões de visitantes únicos mensais, o que representa um aumento de 48,3%, entre janeiro e março. Em resposta, os algoritmos das redes sociais têm favorecido o vídeo (nativo) acima de todos os outros formatos de conteúdo e muitas plataformas criaram opções de vídeo que facilitam medir o ROI, para aliciar as empresas (por exemplo, as Stories no LinkedIn).

Na China, o comportamento de consumidores confirmou esta tendência. Durante o confinamento foram motivadas as compras através de lives, o que levou o gigante do comércio Alibaba a recrutar e treinar influencers de vídeo para aumentar as vendas no AliExpress.

Perante tudo isto, é claro que em 2021 as empresas têm de se adaptar e incluir obrigatoriamente o vídeo na sua estratégia de conteúdo. Neste sentido, para colmatar o desafio do budget, é aconselhável começar pelas Stories, fazendo vídeos mais curtos e até mesmo com o telefone.

 

  1. O crescimento do comércio social

O e-commerce viu o início de uma revolução em 2020, algo que se prolongará em 2021: o comércio social, através de plataformas como o Facebook, o Instagram e o Pinterest está-se a tornar uma nova fonte de lucro para as empresas, e está a caminho de se tornar uma fonte de retalho mainstream, igualmente importante a websites e lojas físicas.

De facto é que, segundo o HootSuite, as três principais razões pelas quais os seus clientes utilizam as redes sociais são para aumentar a aquisição de novos clientes (73%), aumentar a notoriedade da marca (64%) e aumentar o número de conversões – leads, compras e contactos de produtos (45%).

Deste modo, o Instagram foi o principal pioneiro nesta tendência. Desde ser possível comprar os itens na publicação, até à opção de “Shop” na própria aplicação. Com esta evolução é fácil perceber que a estratégia da rede social tem sido, por um lado, a aproximação ao seu público-alvo, facilitando o acesso e os processos de compra e, por outro, tornar esta rede cada vez mais pensada e fundamental para que as marcas e empresas consigam associá-la com os seus objetivos de negócio.

Adicionalmente e de forma a colmatar os resultados de vendas obtidos em 2020, os negócios terão de se reinventar, enquanto mantêm os seus clientes seguros. Por isso, é normal que se verifique um crescimento do número de empresas com e-commerce, sejam elas pequeno comércio ou até mesmo os ginásios ou personal trainers que têm apostado, cada vez mais, em dar as suas aulas de exercício físico via Instagram.

Posto isto, e apesar de ser uma mudança polarizante, 2021 verá as empresas e os marketeers a adaptar-se à nova forma de comércio através das redes sociais, incorporando-o nas suas estratégias de vendas e obrigando a que o produto ou serviço seja entregue com os mesmos elevados padrões de qualidade que uma loja física, por exemplo.

 

 

  1. Uma estratégia assente em “ouvir”

2020 apresentou uma oportunidade irresistível para as empresas de se colocarem no palco, e no meio da conversa, não se apercebendo que, em tempos de crise, as pessoas querem principalmente conectar-se umas com as outras, e não com as empresas.

Perante este contexto, foi possível ver isto nos primeiros instantes da pandemia, em que muitas empresas adotaram um tom semelhante na sua comunicação – algo caricato que acabou por ser notado nas redes sociais.

Este fator deve-se, sobretudo, ao facto de que, as empresas que esperaram primeiro para ouvir o feedback do público acabaram por vencer, pois puderam adequar a sua resposta ao clima da situação.

Este ano, é esperado que se continua a dar prioridade a esta estratégia, e que as empresas estejam mais conscientes daquilo que publicam nas redes sociais e do valor que o conteúdo acrescenta. O público percebe quando a marca está a ser genuína, e com o algoritmo ou não, a intenção por detrás das publicações conta.

Para isso, em 2021, é importante, mais do que nunca, a adequação do conteúdo a cada rede social, a personalização, através da seleção de targets para cada conteúdo e, acima de tudo, a criatividade para descobrir novas formas de entrar na conversa sem a tentar liderar, escolhendo formatos e mensagens que perfurem a parede da indiferença.

Assim, é importante para as empresas consolidarem as suas estratégias de redes sociais através das tendências, dos comportamentos dos consumidores e dos dados obtidos das próprias redes, de modo a conseguirem determinar um plano de conteúdos eficiente.

 

 

O mundo está em constante mudança e apesar destas serem as previsões para as redes sociais em 2021, nada nos garante que assim o será – algo que 2020 nos ensinou.

 

Para saber mais acerca de como criar uma estratégia de redes sociais em 2021 consulte o nosso Social Media Guidebook, parte dos BloomCast Content Series ou entre em contacto connosco.