Os 5 mitos da assessoria de imprensa

Assessoria de imprensa bloomcast consulting

Ao longo dos últimos 20 anos, a perceção relativa à importância da assessoria de imprensa para uma organização que pretenda, efetivamente, ser competitiva no mercado tem alterado radicalmente. Assim como o exponencial crescimento dos meios de comunicação social tem vindo a reforçar, cada vez mais, a necessidade de uma determinada empresa/negócio contratar uma agência de comunicação para trabalhar as suas Media Relations. 

Mas então o que é a assessoria de imprensa?

Mitos da assessoria de imprensa

A assessoria de imprensa é uma área da comunicação que tem como principal objetivo desenvolver relações saudáveis e mutuamente benéficas com os meios de comunicação social. É bastante utilizada na divulgação de produtos e eventos, na partilha de informação de temas corporativos da empresa e na gestão de crises.

Se no início dos anos dois mil muitas organizações aumentaram as suas apostas no trabalho das agências de comunicação como forma de reforçar a promoção das suas marcas, nos anos seguintes é possível afirmar que estes foram marcados, essencialmente, pelo amadurecimento da relação empresa – agência de comunicação – imprensa.

Atualmente, restam poucas dúvidas, no que diz respeito aos excelentes resultados que uma estratégia de comunicação bem elaborada pode alcançar. No entanto, existem ainda vários mitos sobre o trabalho de assessoria de imprensa que são necessários clarificar:

  1. Basta contratar uma agência de comunicação para a área de assessoria de imprensa e não se faz mais nada

Este pensamento é ainda comum em algumas empresas. A ideia de que a agência fará todo o trabalho sozinha não só é errada como pode ter uma influência negativa nos resultados. O cliente precisa de ter a consciência de que terá um papel fulcral no processo, além de fornecer à agência o acesso direto às informações mais relevantes da empresa, inclusive àquelas mais sensíveis e passíveis de se transformarem em crise. Este é, sobretudo, um trabalho de parceria entre as duas entidades com vista à obtenção de melhores resultados.

  1. Amigos jornalistas? Se sim, resultado positivo garantido

Na verdade, não é bem assim. Saber identificar jornalistas-chave para a empresa é um dos pontos fundamentais para que o trabalho de assessoria de imprensa seja eficiente, assim como é essencial  desenvolver uma relação saudável e de confiança com estes. No entanto, devemos ter sempre em mente que os editores são profissionais que trabalham em canais comprometidos cujo objetivo passa por informar os seus leitores sobre a atualidade ou temas que façam sentido para estes. Por outras palavras, os jornalistas podem optar por aceitar ou não uma proposta de entrevista, assim como podem publicar informações passadas pelo cliente em off-the-record, apesar da boa relação que têm.

 

Mitos da assessoria de imprensa_bloomcast

  1. Somos demasiados pequenos para ter uma agência de comunicação a fazer assessoria de imprensa

Este também é um mito bastante comum entre pequenas e médias empresas, uma vez que entendem que os seus produtos/serviços nunca receberão grande atenção por parte da imprensa ou que não têm dimensão para comunicar. Devemos sempre comunicar, independentemente do tamanho que a empresa tenha, porque só assim é possível tornar uma organização mais conhecida, de forma a alcançar os objetivos propostos. Mas, para tal, é necessário, numa primeira fase, identificar quais os temas, bem como os meios de comunicação social que mais fazem sentido para aquela organização.

  1. O meu produto é o melhor do mercado. Por que razão é que a agência não consegue peças sobre o mesmo?

A maioria das empresas acha que os seus produtos/serviços são as melhores opções dos respetivos mercados – e muitas vezes são mesmo. No entanto, quando se propõe uma peça aos meios de comunicação social, este ângulo, de forma isolada, pode não representar motivo suficiente para o desenvolvimento de uma reportagem ou entrevista, uma vez que pode ser considerado como comercial.

Por outro lado, também a recente queda do número de jornais e revistas tem proporcionado uma luta feroz por espaços editoriais entre as empresas e os seus concorrentes. Mais do que nunca, apresentar informações relevantes, ser atual e impactar de alguma forma um grande número de pessoas são pontos essenciais para o possível desenvolvimento de peças. Se não cumprirmos estes requisitos – e o cliente não está disposto a contribuir com dados expressivos, análises, entre outras coisas– é possível que a conversa com o jornalista não evolua como esperado.

  1. Enviar vários comunicados de imprensa, por semana, para os jornalistas de forma a aumentar as probabilidades de publicação

As empresas que têm o hábito de semanalmente de encher as caixas de entrada dos jornalistas com informações pouco atraentes correm o grande risco de entrarem para a lista dos “chatos” ou “daqueles que não têm nada para dizer”.

Como acontece com qualquer outro stakeholder, as relações com os meios de comunicação social devem ser construídas com tempo e, por isso, é necessário preparar previamente um plano abrangente de comunicação, no qual devem ser identificados momentos-chave de interação com esse mesmo público. Ou seja, deve-se evitar enviar Comunicados de imprensa de forma massificada, uma vez que isso não será bom nem para a imagem da organização, nem mesmo para a relação com a imprensa. Neste sentido, devem ser avaliados os temas e quais os melhores formatos para ser comunicados, sendo que existem temas que podem apenas fazer sentido ser comunicados internamente e não através de media, por exemplo. .. Quantidade nem sempre é sinónimo de qualidade. Esta máxima vale também para as Media Relations.

 

Desta forma, conseguimos entender que trabalhar em assessoria de imprensa não é algo tão “fácil” como se costuma dizer. Existem regras que devem ser cumpridas e comportamentos que devem ser adequados ao contexto. Somente desta forma é que conseguimos desenvolver as nossas funções da melhor maneira possível, realizando um trabalho eficaz e eficiente para o cliente.

 

Para ler outros artigos sobre o mundo da comunicação e quais as boas práticas que deve implementar, consulte aqui.

Procura mais informação sobre como definir uma eficaz estratégia de comunicação externa que faça sentido para a sua empresa? Contacte-nos e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

Media Training: Um porta-voz de excelência

Media training bloomcast consulting

Ao longo dos últimos anos, temos assistido a uma clara evolução de técnicas de Media Training devido à importância que estas representam para o posicionamento de uma organização.  Nos dias de hoje, o contexto empresarial manifesta uma crescente rivalidade entre as organizações do mercado e uma procura exaustiva por vantagem competitiva. As organizações, mais do que nunca, pretendem demonstrar aos diversos públicos a forte reputação e identidade da sua marca. Neste sentido, torna-se fundamental, para qualquer organização, ter profissionais capazes de transmitir mensagens-chave, aos meios de comunicação social, de forma clara, objetiva e concisa. Desta forma, a comunicação fluida e straight to the point fará com que a organização se destaque, seja no mercado ou na agenda mediática e, ao mesmo tempo, se distancie dos seus concorrentes.

Posto isto, para que um profissional de uma determinada organização desempenhe a função de porta-voz, da melhor forma possível, a realização de sessões de Media Training, com foco especial em determinados pontos, é imperativa.

Mas, o que é Media Training e para que serve?

O Media Training é uma ação de formação que tem como objetivo a preparação de um porta-voz de uma organização ou empresa para interagir com jornalistas e/ou outros públicos. Neste treino é realizada uma simulação de entrevistas, usualmente gravada, com o intuito de avaliar o desempenho do porta-voz perante as possíveis perguntas de um jornalista. Além da parte prática, estas iniciativas incluem também uma sessão formativa, no qual se pretende explicar como funcionam os meios de comunicação social.

Quando realizamos uma ação de Media Training são apresentados pontos gerais que têm como objetivo ajudar o porta-voz a desempenhar a sua função, de forma irrepreensível, durante uma entrevista. Estes pontos são vistos na indústria das Relações Públicas como um guia de Media Training.

Guia de Media Training:

1- Escolha do porta-voz

O primeiro ponto diz respeito à escolha do porta-voz. Entre inúmeras características e competências, é fundamental que o porta-voz seja um profissional que compreenda e respeite o trabalho dos meios de comunicação social; que conheça o jornalista que o irá entrevistar; que domine o tema e tenha um objetivo definido e ainda que apresente uma boa capacidade comunicativa.

Escolha do porta-voz media relations bloomcast

2- Definição do objetivo

Antes de aceitarmos a realização de uma entrevista, devemos sempre definir aquele que será o nosso objetivo. Ou seja, devemos responder às perguntas:

  • Porque é que vamos realizar a entrevista?
  • O que é que queremos alcançar?

Só após respondermos a estas questões é que conseguimos entender a importância da entrevista e de que forma é que a vamos abordar. Por exemplo, uma organização que tenha um plano de comunicação de crise ativo e que necessite de realizar uma entrevista neste sentido, é fundamental que seja realizada  uma preparação prévia mais rigorosa para que o entrevistado se sinta mais preparado e confortável com o tema.

Definição do objetivo bloomcast consulting media relations

3- Definição do público

No mesmo sentido do ponto anterior, antes de aceitarmos a realização de uma entrevista é imperativo entender quem é que queremos alcançar ou quem é que poderá ter interesse na mensagem que vamos transmitir. Se realizarmos esta definição previamente, a forma como iremos transmitir as mensagens será mais adequada ao público definido.

4- Mensagens-chave

No quarto ponto, devemos escolher aquelas que serão as três mensagens-chaves que iremos transmitir ao longo da entrevista.  É importante que, durante a mesma, andemos sempre à volta dessas mesmas três mensagens, embora respondendo sempre às questões que nos são colocadas. Desta forma, aquilo que pretendemos transmitir será mais facilmente percebido, e involuntariamente assimilado pelos recetores.

As mensagens-chave devem ser frases curtas e diretas, orientadas para despertar o interesse do jornalista e do público.

5- Transmissão das mensagens  

Numa entrevista é ainda importante ter em conta a forma como transmitimos as nossas mensagens. Falar pausadamente, pronunciar bem as palavras, evitando todo o tipo de bengalas linguísticas, são aspetos que um porta-voz deve ter sempre em consideração, pois facilita bastante a compreensão e evita que as mensagens sejam mal percecionadas.

6- Não existe off the record

Por último, temos o ponto off the record. Off de record acontece quando o porta-voz dá uma informação confidencial ao jornalista, mas esta não pode ser publicada. No entanto, alguns profissionais de comunicação defendem que este conceito não deve existir. Por muito boa que seja a relação entre o porta-voz e o jornalista, este pode acabar por publicar a informação passada, seja volutaria ou involuntariamente.

Ainda assim, é sempre importante estabelecer relações duradouras e saudáveis com os jornalistas, no sentido em que esta será benéfica para ambas as partes.

Off the record media relations bloomcast

Contudo, devemos ainda identificar pontos específicos, dependendo do formato da entrevista. Ou seja, caso a entrevista se realize em televisão temos de ter atenção o seguinte:

  1. Postura e Linguagem Corporal e Facial

A postura do porta-voz e sua linguagem corporal e facial são aspetos fundamentais para uma maior compreensão da mensagem transmitida. Não devemos estar rígidos numa cadeira, mas sim com uma certa elegância e corretamente enquadrados. Não devemos fazer muitas expressões com o rosto, pois podemos passar determinados sentimentos incorretos.

Linguagem Facial media relations bloomcast

  1. Indumentária

Quando realizamos uma entrevista em televisão é importante que os telespectadores se concentrem no nosso rosto, naquilo que estamos a dizer e não na nossa roupa. Neste sentido, devemos evitar todo o tipo de ruido, isto é, não utilizar joias brilhantes ou barulhentas; evitar demasiados padrões; evitar relógios e pulseiras, entre outros coisas.

Ruido media relations bloomcast

Caso a entrevista se realize em rádio temos de ter em conta:

  1. Tom de voz

Quando damos uma entrevista em rádio a nossa principal ferramenta é a voz. Neste sentido, é fundamental que pronunciemos bem todas as palavras e que o discurso seja direto e conciso. No entanto, podemos também variar o tom de voz, de forma controlada, para demonstrar diferentes emoções. Por exemplo: utilizamos um tom de voz mais baixo para demonstrar empatia ou utilizamos um tom de voz mais alto para demonstrar excitação.

 

Neste sentido, como pudemos verificar, o Media Training, nos dias de hoje, é cada vez mais uma importante ferramenta para o mundo das organizações e indispensável para os profissionais da área, que queiram realmente tornar-se mais competitivos e diferenciar-se da sua concorrência. Vamos a isso?

 

Se pretende ficar a conhecer quais as Tendências de Comunicação para 2021 consulte o nosso artigo aqui.

Desta forma, se ficou interessado e quer saber mais sobre as nossas sessões, contacte-nos já e descubra como podemos ajudá-lo.