Sentir a Força: novo mundo, novos canais

Sentir a Força novo mundo, novos canais_Rodolfo_Oliveira_BloomCast

Está a acontecer “um distúrbio na Força”.

Esta é provavelmente uma das mais populares citações de filme. É, sem dúvida, uma frase que resume a situação que atravessamos, tendo em conta o consenso de que este é um momento decisivo na história moderna, em que todas as verdades são questionadas e que os pilares da sociedade e da economia são desafiados.

Se antes as tendências de colocar ciência e factos contra teorias da conspiração e amplificar mitos e notícias falsas pelas redes sociais não eram desafios suficientes, agora somos confrontados com uma revolução de dimensões sem precedentes com a pandemia, e todas as mudanças que a mesma impulsionou.

Há medida que a poeira assenta, e depois das primeiras decisões baseadas na “união para enfrentar o desafio”, começamos a observar mudanças alarmantes.

Indústrias redefinidas

Do lado do negócio, vimos indústrias como o turismo ou saúde a serem inteiramente redefinidas. Tendências-chave incluem a aceleração do e-commerce para endereçar a descida de frequência dos espaços de retalho e a telemedicina, que se tornou algo normal. Em Portugal, todos os principais grupos de saúde e o Serviço Nacional de Saúde estiveram envolvidos em desenvolver soluções para as consultas à distância, com suporte de vídeo.

Deslocar-se para o trabalho está a ser substituído pelo teletrabalho o que impulsiona ainda mais o crescimento do e-commerce. E, acima de tudo, cada vez mais os consumidores querem que as marcas tenham consciência das suas necessidades e pedidos específicos, criando experiências mais personalizadas e impactantes.

Esta nova paisagem cria um desafio para as empresas, que têm de se adaptar rapidamente. Onde é que os consumidores gastam o seu tempo? O que é que fazem quando estão nesse local? Quais são as suas expectativas? Estes são novos desafios que anulam as ideias pré-concebidas. É hora de voltar ao início e redefinir o engagement e a experiência e estar pronto para se adaptar quando necessário, utilizando os novos e crescentes formatos de conteúdos.

Os profissionais de Relações Públicas e os seus clientes têm que assegurar que têm competências para todas estas novas áreas, do conteúdo pago às competências digitais, incluindo os podcasts (que continuam a crescer em termos de alcance e investimento das marcas), e o storytelling, enquanto sendo capazes de medir resultados efetivamente, mostrando o valor para o negócio das iniciativas em curso.

Pico de notícias online

Uma das áreas onde esta mudança pode ser sentida é nos media tradicionais, que têm tido um pico de leitores online, com números ainda bastante elevados (como a Comscore destaca), 28% acima da média (comparativamente com números pré-Covid-19). Apesar disto, não se verifica a mesma tendência nos investimentos de anúncios, já que as marcas não querem apostar no tipo de notícias que as pessoas mais procuram.

Ainda assim, cada vez mais pessoas procuram estas fontes para oferecer informação válida e insights a propósito do que está a acontecer à sua volta, verificando-se um aumento de subscrições em muitos meios de comunicação, principalmente digitais.

Têm também sido criados websites de alguns media reputáveis, com iniciativas de fact-checking, de modo a responder ao influxo de notícias falsas a serem publicadas pelas redes sociais e amplificadas em alguns meios extremistas. Em Portugal, essa iniciativa começou com o Poligrafo, em 2018, um site focado apenas nesse tópico, que já foi, desde então, replicado por inúmeras outras publicações.

O aumento dos Podcasts

A importância crescente dos podcasts tem sido reconhecida em Portugal com o lançamento do novo festival dos podcasts, em 2019. O Podes, combina o ecossistema de pessoas por detrás dos podcasts, educando os visitantes através de workshops e reconhecendo os melhores podcasts em várias categorias.

Globalmente, o Stitcher, uma das principais plataformas (agora parte da SiriusXM), viu o número de podcasts publicados aumentar drasticamente, com um crescimento de mais de 129 000% desde 2010. Adicionalmente, há uma tendência para produzir episódios mais curtos, com um crescimento do formato de mini-série, em que os ouvintes têm oportunidade de sintonizar uma imensidão de temas que lhes interessa.

Portanto, tendo em conta o isolamento que tem sido experienciado e tendo em conta tudo o que está a acontecer, ter acesso a uma audiência focada é critico para as marcas, que continuam a tentar assegurar que estão no top-of-mind. E existem muitos ouvintes novos, especialmente duma camada mais jovem – indivíduos na casa dos 20 anos que estão a construir hábitos domésticos – e, portanto, para encontrar um ambiente inócuo onde o ouvinte está focado, a ouvir e a prestar atenção, os podcasts são um ótimo caminho.

Engagement tradicional

Ao mesmo tempo, os métodos de engagement tradicional como o e-mail marketing, já provaram a sua resiliência, e experienciaram crescimento em 2020, com Taxas de Abertura a aumentar em 21,8% e taxas de clique a aumentar 22,5% mundialmente, de acordo com dados publicados na Adweek.

É por isso necessário desenvolver abordagens estratégicas e táticas, já que, como o John Lennon disse “Life is what happens to you while you’re busy making other plans” (Beautiful Boy/Imagine).

Portanto, é importante que as empresas desenhem um plano mestre, que abranja todas as propriedades e ferramentas digitais, juntamente com mensagens coesas, mas que também esteja preparado para mudar de rumo, caso seja necessário.

A utilização de social listening poderá ser uma ferramenta para identificar tendências e mudanças nos padrões de consumidor, assegurando ainda que as redes sociais são utilizadas e passam as mensagens estratégicas. Certifique-se que as mensagens-chave são desenhadas para cada audiência. Diversifique conteúdo para conseguir assegurar os padrões de recolha de informação, incluído infográficos, vídeo, áudio e conteúdo escrito tradicional, com suporte SEO adequado.

É importante apostar na criatividade! Lembre-se que as pessoas não esperam uma resposta para todas as perguntas e que, numa altura no tempo em que a incerteza é o novo normal, o foco deverá estar em ouvir os consumidores. Pratique a flexibilidade e a adaptação, estando ao lado do consumidor e disponível quando eles estão e em que canal utilizarem.

Os consumidores querem ter alguém em quem confiar, que partilhe os seus valores e princípios e que seja excelente nos mesmos. É isso que deve ser tido em conta. Acima de tudo, mantenha em mente que esperar o melhor ao planear para o pior é sempre a melhor opção.

Que a força esteja com todos nós.

Publicado, inicialmente, no Marketeer, versão online. Artigo de Opinião de Rodolfo Oliveira, Managing Partner da BloomCast Consulting.

As melhores ferramentas para trabalhar o SEO do seu site

7 ferramentas para otimizar o SEO do seu site

O que é o SEO?

Como explicado em “A importância do SEO para o seu site”, o SEO (Search Engine Optimization) é todo o conjunto de técnicas on-page e off-page que têm o propósito de melhorar a qualidade e quantidade do tráfico, otimizando a visibilidade de uma página específica e obtendo melhores resultados orgânicos dos diferentes motores de pesquisa.

O que é o SEO on-page?

O SEO on-page pode ser entendido como todo o conjunto de técnicas e estratégias de otimização para motores de busca realizado dentro de uma página web, sendo que estes, por sua vez, procuram e analisam a estrutura e conteúdo de um website, atribuindo posteriormente uma posição num rank de relevância. As técnicas de SEO on-page como, por exemplo, a atribuição de palavras-chave relevantes, a velocidade de carregamento de uma página e o tamanho e alt-tag de uma imagem são fatores decisivos para um melhor posicionamento nos motores de busca.

O que é o SEO off-page?

O SEO off-page pode ser entendido como todo o conjunto de técnicas e estratégias de otimização para motores de busca realizado fora de uma página web. Desta forma, focado em melhorar a relevância da sua página, o SEO off-page utiliza o link building como ponto de partida. Atenção que não serve de muito, produzir um conteúdo excelente se ninguém o irá ler, como tal, a construção de parcerias confiáveis e relevantes com outros criadores de conteúdo acaba por melhorar a relevância da sua página. Como tal, é importante sublinhar que o SEO off-page não pode existir sem on-page. Ninguém irá recomendar a sua página se o conteúdo for desinteressante ou irrelevante.

Melhores ferramentas para otimizar o SEO do seu Website

Existem inúmeras ferramentas para ajudar a trabalhar o SEO do seu site. Partilhamos algumas daquelas que são reconhecidas como as melhores, tanto gratuitas como pagas, de modo a garantir um melhor posicionamento:

  1. Ubersuggest

A Ubbersugest é uma ferramenta gratuita que permite pesquisar palavras-chave num determinado país e obter, no momento, o volume de pesquisa dessa mesma palavra. Isto é útil quando queremos determinar quais as palavras-chave que devemos utilizar num artigo para melhorar a nossa posição no rank do Google. Faz sentido responder ao que as pessoas realmente procuram e com a Ubersuggest é possível determinar qual é exatamente essa procura.

  1. Google Trends

Outra ferramenta para pesquisa de palavras-chave é o Google Trends que permite identificar o que está a ser mais pesquisado num determinado momento. Por exemplo, à data da construção do artigo, as palavras-chave em Portugal, segundo a ferramenta, eram “Estado de contingência” e “Vitoria de setúbal”, ambas com mais de 3.000 pesquisas.

  1. PageSpeed Insights

Uma das formas do Google analisar a sua página e atribuir uma posição é a velocidade que esta demora a abrir no desktop e no dispositivo móvel. O PageSpeed Insights, ferramenta de análise on-page, consegue determinar o desempenho dessa velocidade, indicando o tempo total que a sua página demorou até ser visível. Para além disso, depois da análise, é-lhe apresentado um relatório onde pode ver o que é necessário melhorar, detalhando ainda a importância de cada alteração. Desta forma, tudo isto se reflete numa avaliação final da sua página, sendo que:

  • 0-49 é uma avaliação baixa ou negativa (muitos problemas apresentados na sua página);
  • 50-89 é uma avaliação razoável (alguns problemas apresentados na sua página);
  • 90-100 é uma avaliação elevada e muito positiva (poucos ou nenhuns problemas apresentados na sua página);
  1. Screamingfrog

O Screamingfrog é uma ferramenta bastante completa para otimização on-page. Com funcionalidades gratuitas, e outras pagas, é possível obter um relatório bastante completo, com os principais erros principais da sua página, nomeadamente:

  • Otimização de imagens;
  • Validação de conteúdos;
  • Deteção de páginas não indexadas;
  • Velocidade de carregamento das páginas;
  • Erros de rastreamento.
  1. BuzzStream

Um ponto crucial no SEO off-page é a construção de links ou “link building. Esta estratégia é uma prática comum para melhorar a posição das páginas, uma vez que ao anexar a sua página a outras, acaba por aumentar a relevância da mesma. O BuzzStream, ferramenta paga, tem como missão ajudar todas as empresas ou indivíduos a aumentar o tráfego e relevância das suas páginas. Desta forma, com esta ferramenta é possível:

  • Criar uma lista de prospects para trabalho futuro;
  • Enviar mensagens personalizadas a outros criadores de conteúdo para estabelecer relações de benefício mútuo;
  • Organizar todos os passos a tomar – É possível dentro da ferramenta ter um espaço, visível e editável para toda a equipa, dedicado para anotar todos os passos a tomar como follow-up de campanhas de link building.
  1. Majestic

A Majestic SEO é uma ferramenta paga, com algumas funcionalidades disponíveis gratuitamente. Utilizada, principalmente, para o SEO off-page, a ferramenta foca-se na quantidade de backlinks, ou seja, a quantidade de links das suas páginas que estão distribuídas na internet, e no desempenho das suas palavras-chave. Apesar de ter acesso a outros dados, a Majestic é conhecida por se focar nos dois pontos previamente apresentados. Contudo, esta ferramenta deve ser utilizada juntamente com outras para conseguir a melhor análise possível das suas páginas web.

  1. SEMrush

O SEMrush é defendido como um dos melhores e mais completos softwares de SEO do mundo. Juntando o útil ao agradável de todas as ferramentas previamente referidas, apresenta uma análise detalhada não só do seu conteúdo como dos seus concorrentes. Os pontos mais importantes apresentados são:

  • Pesquisa orgânica;
  • Backlinks;
  • Pesquisa publicitária;
  • Análise de tráfego;
  • Lacunas nas palavras-chave.

Focada em monitorizar e melhorar o posicionamento das páginas, a ferramenta é paga com vários planos de subscrição.

Qual a mais indicada para o meu website?

É preferível utilizar diversas ferramentas para garantir o melhor resultado possível. A utilização de qualquer uma será sempre uma melhoria face ao existente, mas o SEO é um trabalho que incide sobre diferentes partes de uma página web. Neste sentido, ao conjugar ferramentas especializadas, em temas diferentes, acabará por ter uma página mais sustentada e muito bem posicionada nos diversos pontos de análise, por parte dos motores de busca.

A importância do SEO para o seu Website

o que é o SEO e qual a sua importância

O que é o SEO?

Atualmente, somos constantemente bombardeados com uma enorme quantidade de informação, disponível na internet e, neste sentido, todos ambicionamos que o conteúdo que produzimos seja relevante, de forma a atingir o maior número de interessados possível. Mas, para tal, é muito importante que o seu website esteja entre os primeiros nos mecanismos de busca. E para isso é utilizado o SEO.

Para ter o melhor resultado é necessário, primeiramente, entender ao certo o que é o SEO e qual a sua utilidade. O SEO (Search Engine Optimization) é todo o conjunto de técnicas on-page e off-page que têm o propósito de melhorar a qualidade e quantidade do tráfico, otimizando a visibilidade de uma página específica, permitindo assim obter melhores resultados orgânicos dos diferentes motores de pesquisa. O SEO não é uma ferramenta pré-programada que se utilize, é necessário alguma pesquisa de forma a se identificar e compreender quais são os interesses do meu público-alvo, o que estão interessadas em saber, quais as questões que pesquisam e as palavras-chave que utilizam.

Qual a importância do SEO?

Resumidamente, o SEO ajuda-nos a posicionar a nossa página web nos primeiros resultados dos motores de pesquisa, o que é fundamental, uma vez que, diariamente, são criados, aproximadamente, 547.200 websites. Para além disso, o sucesso encontra-se nos resultados denominados orgânicos ou não pagos, dado que estes não só aparentam ser mais confiáveis como têm um rácio de clique muito superior, comparativamente com os resultados pagos. Para muitos, o SEO tem uma vantagem única que mais nenhuma ferramenta de marketing digital consegue oferecer, ou seja, quando bem trabalhado o SEO de uma página, é possível continuar a subir e/ou manter as posições no ranking dos motores de pesquisa, trazendo tráfico à mesma, sem qualquer custo.

Como podemos usar o SEO?

O SEO aparenta ser mais complicado do que verdadeiramente é. De facto, como referido anteriormente, o mais importante é perceber realmente o que é que estão a procurar nos motores de pesquisa e que palavras-chave utilizam.

Neste sentido, procurámos, neste artigo, dar algumas dicas importantes que, certamente, irão melhorar o posicionamento da sua página web:

1 – Palavras-chave

Quando pesquisamos por algo no Google, o motor de busca mais utilizado no mundo, por norma estamos à procura de uma resposta a alguma dúvida que tenhamos. Esta pesquisa é realizada através de palavras, sendo que os resultados que irão aparecer são a conclusão de uma análise feita pelo motor de busca às páginas que melhor posicionadas estão para responder às nossas palavras-chave. Perceber que palavras estão a ser pesquisadas é o primeiro passo a tomar. Esta pesquisa pode ser realizada através de plataformas de análise como, por exemplo, a Ubersuggest. Esta é muito simples de entender, basta escrever uma palavra-chave, escolher o país e imediatamente será indicado o volume de pesquisa dessa palavra.

Após identificar quais as palavras-chave mais pesquisadas poderá criar conteúdo e páginas otimizadas para esses termos específicos. Contudo, importa garantir que não faz algo chamado keyword stuffing, ou seja, a repetição excessiva das palavras-chave ao longo do texto, principalmente nos:

  • Títulos de páginas
  • Cabeçalhos
  • Alt-tags
  • URLS
  • Título e subtítulo descritivo de imagens

Dando um exemplo, a BloomCast Consulting construiu um artigo sobre Podcasts e Webinars, “Podcast ou Webinar: Escolher o formato que melhor funciona para o seu negócio”, onde teve como palavras-chave “Podcast” e “Webinar”.

O que é o SEO e qual a sua importância

1 – 2º resultado orgânico no Google de 3 720 000 resultados – SEO

O facto de os termos terem sido escolhidos no singular tem uma justificação lógica. À data da sua construção, a ferramenta Ubersuggest indicava que, em Portugal, “Podcast” e “Webinar” eram mais pesquisados do que o seu plural, logo, fazia sentido utilizar o singular pois traria mais resultados à pesquisa.

2- Links Internos

A estratégia de utilizar links internos é muito simples de aplicar e tem como objetivo manter o visitante mais tempo dentro do site ao visitar mais páginas. Quantas mais páginas forem visitadas, mais facilmente o Google vai entender que a página é relevante, algo fundamental para aparecer nos primeiros resultados de pesquisa. Desta forma, reveja os artigos antigos no seu blog e procure incorporar ligações desse texto para outros e vice-versa. Por outro lado, um ponto muito importante a não esquecer, apenas faça ligações relevantes, não crie spam desnecessário. Se procura um exemplo prático, releia a primeira dica onde falamos do artigo sobre podcasts e webinars. Caso o tenha aberto, a estratégia resultou.

3- Links Externos

Para além dos links internos, os links externos também são, talvez ainda mais, importantes para SEO e não podem ser esquecidos. Quantas mais ligações a websites externos relevantes o seu artigo tiver, mais facilmente será para o Google considerar a relevância. Existem dois pontos que requerem particular atenção:

  • Quantidade VS Qualidade – É preferível ter poucos links de excelente relevância e autoridade do que muitos links de baixa relevância. Os poucos links, para o algoritmo do Google, são mais benéficos do que os muitos de baixa qualidade.
  • Parcerias – Seria desvantajoso estar a atribuir ligações para outros criadores de conteúdo se não fosse recíproco. Sugerimos tentar contactar as páginas ou canais que considera relevantes e procure uma parceria de backlinks, ou seja, tem a sua ligação incluída no conteúdo parceiro e vice-versa.

4 – Velocidade de carregamento da página

O tempo que uma página demora a carregar afeta diretamente todas as ações de SEO realizadas previamente. Aconselhamos a que o seu site carregue completamente em três ou menos segundos, uma vez que quanto maior for o tempo de carregamento maior será a taxa de rejeição, prejudicando assim a classificação nos motores de pesquisa. Se quiser saber qual a velocidade de carregamento do seu site em dispositivos móveis, o Google tem uma ferramenta gratuita muito útil.

5 – Monitorização e otimização contínua dos conteúdos

Depois de seguir as dicas anteriores de SEO, é possível que tenha conseguido um melhor posicionamento nos motores de pesquisa, mas o trabalho ainda não terminou. É necessário que exista uma monitorização e otimização dos conteúdos constante, ou seja, perceber o que está a resultar e o que ainda precisa de ser melhorado é um dos ponto-chave para otimizar ainda mais a posição do seu site. Por fim, tenha consciência de que a concorrência também poderá estar a melhorar as suas páginas, daí ser importante esta análise contínua.

 

O trabalho de SEO é algo que traz resultados benéficos ao conteúdo criado e tem a vantagem de ser completamente gratuito. Se tiver em conta as dicas partilhadas, evitando os pontos negativos como o keyword stuffing, conseguirá construir uma página que irá estar bem posicionada. Tenha em conta que o Marketing Digital está em constante evolução, obrigando a uma pesquisa quase diária de novas ferramentas que possam trazer novos pontos positivos e melhorias dos negativos.