Entrevista PME Magazine: “A presença digital ganhou uma relevância maior”

pme magazine rodolfo oliveira bloomcast

A consultora de comunicação, BloomCast Consulting, foi fundada em 2012, nasce com a missão de ser uma “ponte” entre os negócios e as estratégias de comunicação para os públicos-alvo das empresas. Desenvolve várias estratégias consoante os canais em questão, garantindo cinco valores chave: o foco no cliente, a transparência, a integridade, a excelência e a cidadania.

Em entrevista à PME Magazine, Rodolfo Oliveira, o Managing Partner da Bloomcast Consulting, analisa os últimos anos da empresa, evidenciando como é que a própria se adaptou à crise pandémica e de que modo é que a transformação digital foi crucial para o contínuo desempenho das atividades da Bloomcast e das PME e startups.

PME Magazine (PME Mag.) – Tome em consideração este último ano. Qual considera ter sido o maior desafio, em consequência da pandemia covid-19, que a Bloomcast teve que ultrapassar?

Rodolfo Oliveira (R. O.) – A pandemia foi um momento singular, porque as crises tipicamente têm impacto a um nível específico, e esta mudança teve impacto em todos os aspetos da vida das organizações e das sociedades, criando um momento único de disrupção. A prioridade foi, em primeiro lugar, criar uma comunicação que reforçasse a evidência de que a BloomCast estava disponível, operacional e a adaptar os seus modelos de trabalho e operacionais para responder aos desafios dos seus clientes, ajudando-os também a atravessar um momento desafiante. Neste sentido, o maior desafio passou por solidificar a comunicação omnicanal da empresa, aproveitando um desafio, a falta de proximidade física uns dos outros, e dos clientes para criar uma proximidade digital como nunca tinha sido forjada anteriormente (através de redes sociais, newsletters, e novas iniciativas de comunicação).

“A comunicação permite criar as pontes que ligam todos os interlocutores, numa lógica omnicanal.”

PME Magazine – Consequentemente, como é que a pandemia veio interferir no desenvolvimento/funcionamento e trabalho da empresa?

R. O.  – No que toca ao funcionamento da BloomCast procurámos aplicar a mesma lógica com os nossos clientes. Assim, mantendo a proximidade com os mesmos, procurámos reforçar a comunicação de cada um, mostrando a parceiros que se encontravam a par dos novos desafios. Muitas vezes isto passou por estar atento à comunicação feita momento a momento por cada setor, e por uma avaliação estratégica daquilo que faria sentido cada cliente comunicar, nesse espaço. Tomámos também consciência do problema em curso no nosso ecossistema, e fomos pioneiros na oferta de assinaturas de um vasto leque de meios de comunicação social, dando um sinal ao mercado, mas também proporcionando aos nossos clientes mais informação para os ajudar a manterem-se informados num momento de transformação acelerada e em que os pressupostos do seu negócio podem mudar de um dia para o outro. Temos sempre a perspetiva de que os nossos clientes são também nossos parceiros e estamos numa busca permanente da melhoria do nosso serviço para assegurar a sua satisfação.

PME Magazine – Considera que a pandemia obrigou a aceleração para a transição digital das PME e startups?

R. O.  – Claramente que, face à impossibilidade de manter uma ligação personalizada e próxima, a transição digital é o caminho para manter e reforçar a ligação entre todos os interlocutores das PME, como de qualquer empresa, independentemente da sua dimensão. No caso das startups, muitas já nascem da perceção deste espaço e momento únicos, em que a desmaterialização permite uma flexibilidade incomparavelmente superior, e em que uma empresa pode competir facilmente em qualquer mercado, especialmente no setor dos serviços. O mercado é global, e as organizações, sejam grandes, PME ou startups, podem claramente beneficiar desta oportunidade para acelerar o seu crescimento.

PME Magazine – Como é que as PME e startups tiveram que se reinventar? Qual a importância de acompanhar o processo de transformação digital e a pandemia?

R. O.  – Em primeiro lugar, os processos de negócio tiveram todos de passar para um modelo virtual e não presencial. Isso tem implicações profundas, seja ao nível do funcionamento interno, seja dos processos com clientes e fornecedores. A presença digital ganhou uma relevância maior do que no passado e, de forma transversal, registou-se um forte crescimento do comércio eletrónico.  A pandemia implicou que tudo o que era anteriormente feito de forma presencial passou a um formato desmaterializado. Do lado da comunicação, esta mudança teve como resultado, para quem não estava ainda com processos de digitalização mais sofisticados em curso, o rápido estabelecimento de uma presença digital relevante, criando canais de comunicação adequados e processos de acompanhamento dos clientes ao longo da sua jornada de interação com a empresa. Os canais de entrada/acesso dos clientes às empresas multiplicaram-se, e a comunicação passou a ser omnicanal por definição, sendo essencial assegurar por um lado a integridade e coerência da comunicação efetuadas nos diferentes canais e, por outro, a continuidade da mesma.

PME Magazine – De que modo a utilização de ferramentas digitais potencializaram o investimento?

R. O.  – As ferramentas e tecnologias digitais constituem a base para o crescimento das organizações, desde a simples renovação do conceito das funcionalidades esperadas dos sites à utilização das redes sociais para estabelecer canais de comunicação com todos os interlocutores. Também as redes sociais viram o seu papel reforçado como espaço de interação e comunicação, assim como tecnologias mais recentes, como os podcasts e os webinars. Do lado das tecnologias que tornam possível esta transformação digital, temos desde o cloud computing à inteligência de negócio e à inteligência artificial, ou a realidade aumentada, as quais permitem criar vantagens competitivas, gerar novos modelos de negócio e tornar o mundo cada vez mais próximo.

“A transição digital é o caminho para manter e reforçar a ligação entre todos os interlocutores das PME, como de qualquer empresa, independentemente da sua dimensão.”

(…)

Entrevista dada por Rodolfo Oliveira, Managing Partner da BloomCast Consulting à PME Magazine. 

Pode ler toda a entrevista aqui.

 

aqui, para outros artigos de Rodolfo Oliveira.

Princípios básicos da comunicação interna

comunicação interna bloomcast

A comunicação interna é uma função estratégica que combina filosofias, valores, propósitos, pessoas, significados, canais e práticas, sendo um elemento decisivo no atual mundo organizacional e atuando como um agente de mudança e coesão interna. No entanto, para que a comunicação interna seja bem-sucedida, esta deve ser planeada e intencional, no sentido de atingir objetivos específicos.

Além do seu carácter estratégico, é imperativo que esta área da comunicação esteja ligada aos comportamentos, às atitudes e à componente emocional dos colaboradores da organização. É uma função que atua muitas vezes como mediadora, criando pontes de ligação entre as pessoas e a organização, através da partilha de informações e significados.

Neste sentido, identificamos 5 princípios básicos que são fundamentais e transversais à prática de comunicação interna:

  1. Colaboradores em primeiro lugar

Em todas as organizações, os colaboradores devem ser vistos como a personagem principal. Isto é, além do sucesso depender do trabalho e bom desempenho dos colaboradores, estes são a cara e a personificação dos valores da organização junto dos stakeholders. É fundamental, portanto, que sejam os primeiros a saber tudo aquilo que se passa na organização de forma transparente. Pois, só assim é que a relação de confiança colaborador-organização poderá fortalecer.

comunicação interna_bloomcast

  1. Conhecer as pessoas

Perante a importância que os colaboradores assumem, os responsáveis pela comunicação interna têm de conhecer as pessoas da organização, nomeadamente as suas motivações, competências, interesses, conhecimentos, atitudes e comportamentos. É fundamental perceber aquilo que motiva as pessoas e o que procuram em diferentes aspetos, seja ao nível da aprendizagem, formação, evolução na carreira, estabilidade, saúde ou segurança. Desta forma, a comunicação interna, em conjunto com outras áreas, poderá desempenhar um papel importante na resposta às expectativas dos colaboradores.

  1. Conhecer a organização

Para além de apresentarem um conhecimento profundo de todas as pessoas da organização é fundamental que os profissionais de comunicação interna compreendam a estratégia, os objetivos, o setor e o negócio da mesma. Ter uma visão e compreensão clara sobre fatores que podem afetar a organização, são pontos essenciais para uma resposta rápida e eficaz a possíveis desafios que possam surgir.

A comunicação interna deve estar igualmente a par dos fluxos de comunicação e informação que ocorrem nas organizações. Deve existir uma atenção permanente às informações que circulam nos corredores, para que possam ser evitados eventuais boatos.

  1. Envolver a Liderança

comunicação interna bloomcast consulting

No que diz respeito aos líderes, estes devem ser, por um lado, fontes credíveis dentro da organização e por outro, ser percecionados como tal pelos colaboradores. Para que isto seja possível é então necessário que estejam presentes em vários momentos de comunicação, mantendo uma presença consistente e próxima juntos dos colaboradores.

É também importante que existam comunicações regulares em nome da organização (Newsletters, Ebooks, Blog…), demostrando não só que existe transparência, mas também abertura para o diálogo entre chefias e colaboradores. Desta forma, os colaboradores sentem que são ouvidos, podendo intervir em temas da empresa.

No entanto, pode existir alguma resistência a este tipo de interação com os colaboradores. Por isso, cabe aos profissionais de comunicação interna trabalhar em conjunto com os líderes, demonstrando a importância do envolvimento dos colaboradores para o sucesso da organização.

  1. Ouvir e medir a eficácia

Para tomarem as melhores decisões, os profissionais de comunicação interna devem colocar as perguntas certas e traduzir as respostas em ações que criem valor. Neste sentido, é necessário ouvir a organização, ouvir os líderes e, principalmente, ouvir os colaboradores. O feedback contínuo é bastante importante para compreender o estado da organização, identificar problemas e oportunidades e também para perceber se a comunicação interna está a ser eficaz.

Desta forma, conseguimos entender que a comunicação interna é uma área da comunicação fundamental para qualquer organização que pretenda ter sucesso no mundo empresarial. Manter os colaboradores informados sobre o seu trabalho e sobre a sua organização fará com que estes sintam que fazem parte da mesma, motivando-os assim a colocar as suas energias em prol dos objetivos organizacionais.

 

Procura mais informação sobre como definir uma eficaz estratégia de comunicação interna que faça sentido para a sua empresa? Contacte-nos e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

 

Media Training: Um porta-voz de excelência

Media training bloomcast consulting

Ao longo dos últimos anos, temos assistido a uma clara evolução de técnicas de Media Training devido à importância que estas representam para o posicionamento de uma organização.  Nos dias de hoje, o contexto empresarial manifesta uma crescente rivalidade entre as organizações do mercado e uma procura exaustiva por vantagem competitiva. As organizações, mais do que nunca, pretendem demonstrar aos diversos públicos a forte reputação e identidade da sua marca. Neste sentido, torna-se fundamental, para qualquer organização, ter profissionais capazes de transmitir mensagens-chave, aos meios de comunicação social, de forma clara, objetiva e concisa. Desta forma, a comunicação fluida e straight to the point fará com que a organização se destaque, seja no mercado ou na agenda mediática e, ao mesmo tempo, se distancie dos seus concorrentes.

Posto isto, para que um profissional de uma determinada organização desempenhe a função de porta-voz, da melhor forma possível, a realização de sessões de Media Training, com foco especial em determinados pontos, é imperativa.

Mas, o que é Media Training e para que serve?

O Media Training é uma ação de formação que tem como objetivo a preparação de um porta-voz de uma organização ou empresa para interagir com jornalistas e/ou outros públicos. Neste treino é realizada uma simulação de entrevistas, usualmente gravada, com o intuito de avaliar o desempenho do porta-voz perante as possíveis perguntas de um jornalista. Além da parte prática, estas iniciativas incluem também uma sessão formativa, no qual se pretende explicar como funcionam os meios de comunicação social.

Quando realizamos uma ação de Media Training são apresentados pontos gerais que têm como objetivo ajudar o porta-voz a desempenhar a sua função, de forma irrepreensível, durante uma entrevista. Estes pontos são vistos na indústria das Relações Públicas como um guia de Media Training.

Guia de Media Training:

1- Escolha do porta-voz

O primeiro ponto diz respeito à escolha do porta-voz. Entre inúmeras características e competências, é fundamental que o porta-voz seja um profissional que compreenda e respeite o trabalho dos meios de comunicação social; que conheça o jornalista que o irá entrevistar; que domine o tema e tenha um objetivo definido e ainda que apresente uma boa capacidade comunicativa.

Escolha do porta-voz media relations bloomcast

2- Definição do objetivo

Antes de aceitarmos a realização de uma entrevista, devemos sempre definir aquele que será o nosso objetivo. Ou seja, devemos responder às perguntas:

  • Porque é que vamos realizar a entrevista?
  • O que é que queremos alcançar?

Só após respondermos a estas questões é que conseguimos entender a importância da entrevista e de que forma é que a vamos abordar. Por exemplo, uma organização que tenha um plano de comunicação de crise ativo e que necessite de realizar uma entrevista neste sentido, é fundamental que seja realizada  uma preparação prévia mais rigorosa para que o entrevistado se sinta mais preparado e confortável com o tema.

Definição do objetivo bloomcast consulting media relations

3- Definição do público

No mesmo sentido do ponto anterior, antes de aceitarmos a realização de uma entrevista é imperativo entender quem é que queremos alcançar ou quem é que poderá ter interesse na mensagem que vamos transmitir. Se realizarmos esta definição previamente, a forma como iremos transmitir as mensagens será mais adequada ao público definido.

4- Mensagens-chave

No quarto ponto, devemos escolher aquelas que serão as três mensagens-chaves que iremos transmitir ao longo da entrevista.  É importante que, durante a mesma, andemos sempre à volta dessas mesmas três mensagens, embora respondendo sempre às questões que nos são colocadas. Desta forma, aquilo que pretendemos transmitir será mais facilmente percebido, e involuntariamente assimilado pelos recetores.

As mensagens-chave devem ser frases curtas e diretas, orientadas para despertar o interesse do jornalista e do público.

5- Transmissão das mensagens  

Numa entrevista é ainda importante ter em conta a forma como transmitimos as nossas mensagens. Falar pausadamente, pronunciar bem as palavras, evitando todo o tipo de bengalas linguísticas, são aspetos que um porta-voz deve ter sempre em consideração, pois facilita bastante a compreensão e evita que as mensagens sejam mal percecionadas.

6- Não existe off the record

Por último, temos o ponto off the record. Off de record acontece quando o porta-voz dá uma informação confidencial ao jornalista, mas esta não pode ser publicada. No entanto, alguns profissionais de comunicação defendem que este conceito não deve existir. Por muito boa que seja a relação entre o porta-voz e o jornalista, este pode acabar por publicar a informação passada, seja volutaria ou involuntariamente.

Ainda assim, é sempre importante estabelecer relações duradouras e saudáveis com os jornalistas, no sentido em que esta será benéfica para ambas as partes.

Off the record media relations bloomcast

Contudo, devemos ainda identificar pontos específicos, dependendo do formato da entrevista. Ou seja, caso a entrevista se realize em televisão temos de ter atenção o seguinte:

  1. Postura e Linguagem Corporal e Facial

A postura do porta-voz e sua linguagem corporal e facial são aspetos fundamentais para uma maior compreensão da mensagem transmitida. Não devemos estar rígidos numa cadeira, mas sim com uma certa elegância e corretamente enquadrados. Não devemos fazer muitas expressões com o rosto, pois podemos passar determinados sentimentos incorretos.

Linguagem Facial media relations bloomcast

  1. Indumentária

Quando realizamos uma entrevista em televisão é importante que os telespectadores se concentrem no nosso rosto, naquilo que estamos a dizer e não na nossa roupa. Neste sentido, devemos evitar todo o tipo de ruido, isto é, não utilizar joias brilhantes ou barulhentas; evitar demasiados padrões; evitar relógios e pulseiras, entre outros coisas.

Ruido media relations bloomcast

Caso a entrevista se realize em rádio temos de ter em conta:

  1. Tom de voz

Quando damos uma entrevista em rádio a nossa principal ferramenta é a voz. Neste sentido, é fundamental que pronunciemos bem todas as palavras e que o discurso seja direto e conciso. No entanto, podemos também variar o tom de voz, de forma controlada, para demonstrar diferentes emoções. Por exemplo: utilizamos um tom de voz mais baixo para demonstrar empatia ou utilizamos um tom de voz mais alto para demonstrar excitação.

 

Neste sentido, como pudemos verificar, o Media Training, nos dias de hoje, é cada vez mais uma importante ferramenta para o mundo das organizações e indispensável para os profissionais da área, que queiram realmente tornar-se mais competitivos e diferenciar-se da sua concorrência. Vamos a isso?

 

Se pretende ficar a conhecer quais as Tendências de Comunicação para 2021 consulte o nosso artigo aqui.

Desta forma, se ficou interessado e quer saber mais sobre as nossas sessões, contacte-nos já e descubra como podemos ajudá-lo.

Ebook: Os webinars como aposta no futuro

A importância do conteúdo de webinar

Os Webinars (E-book), também conhecidos como web seminars ou webcasts, são conduzidos online e, normalmente, incluem uma apresentação áudio e também visual (por exemplo, uma apresentação PowerPoint ou uma demo de um produto).

Além de permitirem a redução de custos operacionais e de potencializarem o alcance para qualquer região do mundo, possibilitam também que o conteúdo possa ser disponibilizado para o público após o evento, podendo fazer parte de uma estratégia de vídeo marketing mais ampla.

Perante o panorama de pandemia, esta iniciativa permitiu evitar o cancelamento de eventos, passando-os apenas para o panorama digital, o que possibilitou a muitas empresas manter a data e hora que estavam já previstas, alterando apenas o formato em que a apresentação iria ocorrer.

Os webinars ao vivo (face aqueles que decorrem em diferido) possibilitam uma interação com o público superior a qualquer outro tipo de vídeo, sendo que os em Live Stream produzem três vezes mais engagement do que os normais.  Assim, um dos principais motivos que leva os utilizadores a assistir a vídeos em direto prende-se com a maior aproximação à marca, pois são mais espontâneos, dinâmicos e não exigem edição, o que os torna mais naturais e sem filtros aos olhos do público.

A duração preferida para um webinar é entre os 30 e 40 minutos, mas, de acordo com um estudo de 2020, os webinars com duração de uma hora tinham uma taxa de inscrição de 67% enquanto que os de 30 minutos tinham uma taxa substancialmente menor, de 8%.

Porquê é que a sua organização os deve fazer

Os webinars são uma excelente oportunidade para as organizações serem reconhecidas como experts num determinado tema. Para além de que, se realizarmos uma demonstração do serviço/produto da organização, estamos a oferecer um proof of concept à distância, podendo potencialmente gerar leads interessantes para o negócio. Assim, um webinar bem realizado tem potencial para atrair e deixar participantes envolvidos durante horas, acrescentando mais valor para a organização.

Adicionalmente e quando comparando com outras comunicações que a empresa possa fazer, o potencial de alcance é superior. Os webinars que focam tópicos relevantes para o negócio têm capacidade para gerar entre 500 a 1000 leads, e a taxa de conversão média de um webinar é 55%. Como a barreira física é inexistente, aumenta o potencial de atrair visitantes do mundo inteiro, algo mais difícil de realizar com um evento físico. O facto de ser completamente digital e, obrigatoriamente, à distância acaba por atrair mais pessoas devido à flexibilidade nas suas agendas e, por outro lado, possibilita também à organização realizar um número maior de evento online ao longo do ano, dado que os custos são mais reduzidos.

De uma forma geral, um webinar permite não só criar novas relações com clientes como cuidar das existentes. Isto, juntando às vantagens previamente mencionadas, coloca o webinar como uma das melhores estratégias a adotar para expandir e aprofundar a comunicação da organização.

Webinars como aposta no futuro boomcast consulting

Como implementar e divulgar os webinars?

Os webinars são uma oportunidade de partilhar conhecimento e competências enquanto expandimos o nosso público. Por exemplo, a inscrição no webinar deve ser o mais facilitada possível, para incentivar à participação. Seja através de um formulário ou de uma resposta direta, é imperativo que seja feita através do email, de modo que seja fácil garantir o registo de todas as respostas.

Ainda para os implementar corretamente, existem vários passos que devem ser considerados:

  1. Definir a equipa: Realizar um webinar requer organização e uma equipa estruturada composta pelo organizador, o apresentador/orador e os assistentes. O organizador do webinar é o indivíduo responsável por desenvolver e organizar o conteúdo do webinar. Para além disso, cabe ao organizador procurar e definir os oradores mais indicados para o tema, e a promoção do evento. O apresentador/orador é o responsável pelo desenvolvimento, preparação e entrega dos materiais para as apresentações do webinar. Já os assistentes do webinar são as pessoas que auxiliam quem assiste o webinar. São o recurso quando existem problemas técnicos e é a eles que são colocadas questões que posteriormente são reencaminhadas aos oradores. Por norma, o número de participantes influencia o número de assistentes necessários para o webinar.
  2. Definir o formato do webinar: O formato a escolher depende sempre do tipo de webinar pretendido, sendo que existem quatro formatos dos quais se podem selecionar. Seja com um único orador, uma entrevista, um painel de discussão ou um Q&A, qualquer um destes motivará as interações de maneira diferente. Convém ter em mente que uma das maiores ferramentas para fomentar interação com o público durante um webinar é o espaço para perguntas e respostas, no final da apresentação. Seja qual for o formato selecionado, devem ser reservados pelo menos 10 minutos para perguntas, já que 92% dos participantes espera que este espaço exista. Os números de 2020 dão conta que webinars internos, utilizados como formação, são o tipo de webinars com mais presenças (65%), enquanto os utilizados para comunicação interna contam com 56,2% de presenças. Dependendo da dimensão do webinar, pode optar por utilizar mais que um dos formatos, sendo que cada um tem as suas vantagens e, em conjunto, acrescentam a interatividade e engagement dos participantes.
  3. Preparar o material visual e testar: Como já referido, um webinar é uma apresentação conduzida online, cujo objetivo é transformar, na medida do possível, a apresentação digital em física. Para tal, é necessário a existência de material visual relevante para o tema do webinar e uma forte apresentação (que deve ter um slide introdutório, um slide com a sinopse e um slide com as ferramentas ou websites utilizados) por parte do orador. No que toca aos testes ou ensaios, o ideal seria fazer dois testes antes do evento real, uma vez que estes são fundamentais para organizar o tempo de cada orador, garantir que o som e vídeo funcionam corretamente e para preparar os oradores a ter a apresentação mais fluída possível.
  4. Medir resultados: Tão importante como realizar um webinar, é medir a sua eficácia e os seus resultados. Após a realização do evento é possível aferir alguns resultados chave de desempenho, nomeadamente o número de participantes, o tempo de visualização e o número de perguntas. Com estas informações já é possível fazer uma comparação daquilo que eram os objetivos definidos do início do plano com os reais. Caso já tenham sido realizados webinares anteriores, é possível também comparar uns com os outros.

 

Webinars como aposta no futuro boomcast consulting2

Depois de toda a planificação do conteúdo para o webinar, é também fundamental delinear uma estratégia de divulgação, de modo a garantir a máxima participação no evento digital. Para isto é necessário escolher um título apelativo e selecionar um bom dia e hora. De forma geral, as pessoas são mais recetivas em participar num webinar ao fim-de-semana do que durante a semana e, por outro lado, segundo vários estudos, os melhores dias para a realização de um webinar são quarta e quinta-feira. Adicionalmente, pode ser necessário realizar uma breve investigação sobre o que vai acontecer na semana e à hora do webinar.

Depois é ainda necessário relembrar os participantes do webinar, sendo benéfico enviar vários lembretes, ou seja, enviar um primeiro e-mail aos possíveis participantes, destacando o conteúdo do webinar outro uma semana antes e, finalmente um no dia anterior e/ou no próprio dia do evento.

É ainda crucial fazer uma correta divulgação nos canais de redes sociais. Nos dias de hoje, as redes sociais são também canais de distribuição fundamentais para webinares. No Facebook e LinkedIn, por exemplo, pode ser criado um evento e convidar inúmeros possíveis participantes. Já no Instagram, podemos publicar stories com possibilidade de inscrição no webinar ou simplesmente posts informativos. Além disso, é fundamental não deixar de acompanhar os participantes do webinar, pois estes podem fazer comentários nas suas redes sociais e é importante que faça essa monitorização.

Ainda através das conexões pessoais, é possível utilizar os participantes como canais de distribuição, onde, após o registo no evento, é criada uma página que permita a partilha do evento para os contactos do individuo já registado.

Por último, se o negócio está a ter bons resultados poderá investir em publicidade, divulgando o evento como se faria para qualquer evento físico.

Para saber mais sobre estratégias de implementação de Webinars, consulte o nosso Webinar Guidebook, que faz parte dos BloomCast Content Series, um documento desenvolvido pela BloomCast Consulting com o objetivo de fornecer informação útil e facilmente acionável para definir a linha comunicacional que deve ser utilizada na criação de vídeos, em contexto empresarial. Nele poderão encontrar as melhores práticas bem como algumas estatísticas e factos relevantes em relação a este formato.

Faça o download aqui!

 

Procura mais informação para dinamizar eventos em formato webinar? Contacte-nos e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

Há um novo podcast com dicas sobre Marketing e Comunicação

Bloom(Pod)Cast bloomcast marketeer

A Bloomcast Consulting tem um novo projecto digital que visa ser um espaço de partilha sobre comunicação, marketing e marcas. Através do Bloom(Pod)Cast – que, tal como o nome indica, chega em forma de podcast –, a agência promete partilhar dicas e conteúdos que possam ajudar marcas e negócios a potenciarem a sua comunicação.

Numa primeira fase, o Bloom(Pod)Cast irá focar as suas atenções na relação entre gestão, marketing, comunicação e inovação para mostrar como, em conjunto, podem ser uma alavanca em direcção a resultados mais positivos.

Rodolfo Oliveira, managing partner da Bloomcast Consulting, estará ao leme de cada episódio, guiando a conversa com profissionais convidados a dar a conhecer a respectiva experiência. Todos os meses, será divulgado um novo episódio.

«Os formatos de futuro conjugam a comodidade no acesso com a flexibilidade e diversidade dos conteúdos. Os podcasts, não sendo um fenómeno novo, conjugam estes aspectos de forma perfeita, algo a que grande parte dos meios de referência já aderiu também», explica Rodolfo Oliveira.

Em comunicado, o responsável explica que, para enriquecer a experiência, o podcast conta ainda com o vídeo como complemento. Todos os episódios poderão ser encontrados no site da agência, mas também no Spotify, SoundCloud, Google Podcasts e YouTube.

Pedro Janela, CEO do WyGroup, é o convidado do primeiro episódio e o tema escolhido para o arranque do projecto é “Comunicar marcas num mundo híbrido”

Pode ler a notícia no site da Marketeer, versão online.

 

Saiba mais sobre a BloomCast Consulting aqui e ouça o nosso primeiro episódio aqui.

Projeto: The future is Nau!

NAU bloomcast consulting

OS NOSSOS PROJETOS

A NAU é uma plataforma 100% portuguesa que promove ensino e formação online e gratuitos.

A NAU, um serviço da Unidade FCCN da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) – é cliente da BloomCast desde maio de 2020, e tendo em conta o contexto em que vivemos, foi necessário reinventar a comunicação de um projeto que visa a promoção do ensino à distância e também o ensino ao longo da vida.

 

O DESAFIO LANÇADO PELA NAU:

Aumentar a notoriedade e reconhecimento da NAU como a plataforma de referência do conhecimento lusófono, que produz conteúdos relevantes para a sociedade, nomeadamente no incentivo à requalificação e aprendizagem ao longo da vida.

Trabalhar a comunicação de temas tão diversos como: segurança, tecnologia, turismo, saúde e educação é um desafio que tem sido trabalhado com muita dedicação. Neste, o fundamental foi demonstrar que existem diversas formas de comunicar e que todas elas são eficazes, potenciando o aumento de número de inscritos e o número de cursos disponíveis, bem como o interesse que é gerado nos media nacionais.

Alcançar o tom ideal que deixasse confortável todos os intervenientes da comunicação, sendo eles os utilizadores, parceiros, membros da direção e media foi um dos maiores desafios. No entanto, através do trabalho em equipa conseguimos atingir este objetivo, e neste momento toda a comunicação flui com maior naturalidade e conseguimos melhorar a notoriedade da NAU.

 

Nau plataforma de ensino bloomcast consulting

Notícia publicada em Dinheiro Vivo.

 

A NOSSA RESPOSTA

Deliverables:

  • Estratégia de Media Relations
  • Comunicação One-to-One com OCS específicos
  • Fortalecimento de relação com os jornalistas nacionais

A abordagem escolhida foi a comunicação dos cursos que são produzidos, escolhendo o nicho próprio para comunicar e assim abrir novos mundos. Desta forma, criamos constantes e inovadoras rotas de conhecimento da lusofonia, aproveitando o efeito de escala na procura por formação, uma vez que as pessoas estão interessadas em reforçar as suas competências no digital, bem como aproveitar o período de confinamento para consolidarem ou adquirirem novos conhecimentos.

 

aprender com a nau bloomcast

Notícia publicada na TekSapo

 

De acordo com os principais objetivos da NAU:

  • Possibilitar o ensino e formação a comunidades alargadas de utilizadores, promover uma cultura de conhecimento e aprendizagem contínua, em particular na população portuguesa e estimular a literacia digital.

O trabalho desenvolvido em conjunto entre a BloomCast e a NAU tem dado resultados francamente positivos, com o recente alcance dos 100.000 utilizadores, bem como o anúncio de novos cursos de temas e áreas diversas.

 

 “A colaboração entre a BloomCast e a NAU trouxe uma dinâmica diferente à plataforma, tendo aberto caminhos e auxiliando no objetivo último de nos levar ao conhecimento de novos utilizadores e marcar o posicionamento da NAU enquanto plataforma de formação on-line gratuita para o conhecimento lusófono” , refere Pedro Cabral, Gestor a plataforma NAU – serviço gerido pela Unidade FCCN da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

 

Descubra mais, aqui, sobre o mar de conhecimento e aprendizagem contínua a bordo da NAU. 

Pode ler as duas peças aqui: Dinheiro Vivo e TekSapo ou aqui.

O Branded Content como ferramenta integrada nas estratégias de comunicação

A importancia do branded content_bloomCast consulting

Ao ser incluído nas estratégias de comunicação e de marketing, o Branded Content permite alavancar os objetivos da sua organização e garantir a transmissão das mensagens-chave pretendidas junto dos públicos-alvo identificados.

 O que é o Branded Content?

O Branded Content, ou conteúdo de marca, é a designação dada à produção de conteúdo por parte de uma entidade específica. Trata-se de um tipo de marketing de conteúdo altamente flexível, adaptável a diferentes públicos, formatos, objetivos, canais e abordagens. Considerado um complemento eficaz às estratégias de comunicação e marketing, o Branded Content pode desempenhar um papel importante no seu sucesso, ao ser uma ponte para a transmissão das mensagens-chave das marcas nos canais e formatos que melhor servem o propósito de impactar as suas audiências.

A importância do Branded Content Bloomcast Consulting

Quais as suas vantagens?

O Branded Content é criado para dar visibilidade e posicionar estrategicamente a entidade que o promove, seja de maneira direta ou indireta, através de temas e objetivos previamente delineados. Quando desenvolvido de forma estruturada, traz associado um conjunto de vantagens que o diferenciam de outros tipos de conteúdo. Entre os vários benefícios e particularidades existentes, destacamos:

  • A versatilidade. O Branded Content é ajustável a diferentes formatos e canais, desde artigos, a vídeos ou podcasts.
  • O controlo sobre o conteúdo. Existe um controlo da marca sobre o conteúdo que é desenvolvido, as mensagens veiculadas, o canal e o formato selecionados. É possível chegar a audiências específicas com o conteúdo pretendido, utilizando plataformas com valor e de referência para o conseguir.
  • Impulsionar a notoriedade da marca. O conteúdo criado é uma oportunidade para consolidar os valores e o propósito da marca junto das suas audiências, contribuindo para a humanização e ligação emocional que é estabelecida. Para além da visibilidade, é trabalhada a notoriedade da marca.
  • Potenciar novos leads e ideias. Para além de reforçar a ligação às suas audiências e a targets já identificados, a aposta em Branded Content é uma opção frequente para impactar novos públicos, tanto sob um registo B2B como B2C. Adicionalmente, é uma forma de testar ideias e medir os resultados.
  • Amplificação de campanhas. O Branded Content é também um aliado poderoso para campanhas, ao serem criados conteúdos subordinados aos temas correspondentes e inseridos no plano específico que for definido.

O que ter em conta?

Hoje em dia, criar conteúdo já não é suficiente. Fenómenos como o FOMO (Fear of Missing Out) e uma potencial transição para JOMO (Joy of Missing Out) são cada vez mais comuns e discutidos. A saturação informativa e, ao mesmo tempo, o facto de a liberdade de seleção de exposição do consumidor ser cada vez maior, são dois dos fatores que tornam imperativo saber como desenvolver uma estratégia vencedora e criar os conteúdos certos. É preciso cativar as audiências através da diferenciação, o que só é possível se dominarmos a arte de criar conteúdos relevantes. Estas estratégias deverão ser aplicadas ao Branded Content, para garantir que o retorno obtido é vantajoso e efetivo para a entidade que o promove.

Após definir quais são os conteúdos relevantes em que quer apostar e delinear a sua criação, é necessário que tenha sempre em conta um conjunto de princípios importantes no que diz respeito ao Branded Content.

A importância do Branded Content BloomCast Consulting

De seguida partilhamos cinco pontos que deverá manter presentes:

  • Crie uma estratégia. Apenas tendo por base uma estratégia é possível criar conteúdos que cumpram com os objetivos da sua organização e tragam um retorno efetivo do investimento realizado.
  • Não queira fazer tudo de uma vez. É importante ter um plano e definir bem quais os objetivos a cumprir em cada Branded Content. Cada tipo de conteúdo deve ser devidamente trabalhado e é fundamental que seja adotado um registo flexível com as entidades que possam estar envolvidas no processo, para garantir o melhor resultado possível.
  • Storytelling e autenticidade são essenciais. Um Branded Content não é um anúncio nem deve ser encarado como publicidade. Forçar a marca a aparecer pode causar o efeito contrário ao desejado e criar aversão da audiência ao conteúdo.
  • Identifique o formato e o canal certo para a audiência definida. O conteúdo é rei, mas se não for veiculado no formato e canal mais adequados à audiência que queremos atingir, colocamos em causa a sua eficácia e os resultados que vão ser gerados.
  • Utilize e ajuste as melhores métricas. A análise de resultados é imprescindível para que possa avaliar o retorno de investimento (ROI) obtido e ter a certeza de que está a criar conteúdo relevante para os seus targets. Existem diferentes métricas a que poderá recorrer para recolher e medir os dados necessários.

Se pretende ficar a conhecer quais as Tendências de Comunicação para 2021 consulte o nosso artigo aqui. Ou se procura mais informação sobre como criar uma estratégia de comunicação eficaz para 2021, contacte-nos! e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

Ebook: O papel do vídeo nas estratégias de comunicação

ebook_video_guidebook_Bloomcast

O Conteúdo de Vídeo Marketing

O Vídeo (E-book) é uma técnica que permite registar magneticamente ou mecanicamente a imagem e o som num suporte e restituí-los num ecrã em direto ou diferido. Desta forma, a facilidade de produção e edição, aliadas ao aumento da velocidade e de acessos de Internet e à sua cada vez melhor facilidade de interação, originaram o contexto perfeito para que este tenha crescido nos últimos anos.

Atualmente, segundo a pesquisa The State of Video Marketing 2020, as pessoas consomem, em média, 2,5 horas de vídeos online todos os dias (e em 2018, consumiam 1,5 horas diárias). Isto perfaz assim mais de mil milhões de horas de vídeo assistidas todos os dias no YouTube. Neste sentido, de acordo com um estudo da Cisco, em 2022, 82% de todo o conteúdo online será vídeo, ou seja, este tipo de conteúdo será um dos com maior engagement, sendo que a tendência será tornar-se num dos vencedores da atenção do público.

Também num contexto empresarial, o vídeo tem, cada vez mais, assumido preponderância. As empresas têm vindo a perceber o quanto esta ferramenta pode ajudar a elevar e a promover ainda mais o seu negócio e tem-na utilizado com cada vez maior veemência. Embora seja já há vários anos que as maiores marcas difundem os seus produtos (ou a si mesmas), através de campanhas publicitárias televisivas, atualmente, são raras aquelas que não usam a partilha de vídeos no online para se promoverem.

De facto, este formato é uma das ferramentas mais versáteis para a estratégia de marketing de qualquer organização. Segundo a Wyzowl, 85% dos negócios utiliza o vídeo como ferramenta de marketing, e 92% dos marketeers afirmam que é uma peça importantíssima na sua estratégia.

O crescimento do vídeo nas redes sociais

Nas redes sociais, a situação não é diferente. Diariamente, o Facebook contabiliza 100 milhões de horas de vídeo assistidas. No Instagram, os Stories, já contam com mais de 500 milhões de espectadores. E até no Twitter estes fazem sucesso, com 82% dos utilizadores a assistir nesta plataforma.

Em 2020, vimos o seu crescimento em várias plataformas, como o Instagram, sob a forma de Reels, Instagram TV e Lives, e o TikTok, que se tornou num fenómeno instantâneo. Foi durante o confinamento que os seus números dispararam: as visualizações de lives no Instagram aumentaram 70% de fevereiro para março e o TikTok ganhou quase 20 milhões de visitantes únicos mensais, o que representa um aumento de 48,3%, entre janeiro e março.

Sejam vídeos de curta duração ou formato longo, a verdade é que este formato é o futuro do conteúdo para redes sociais.

Guidebook Vídeo BloomCast O PAPEL DO VÍDEO NAS ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO

O vídeo como catalisador emocional

Os vídeos são um dos meios de comunicação mais interativo e persuasivo, permitindo uma maior flexibilidade na forma como se informa (storytelling, animações), sendo que este é um formato mais fácil de “digerir”, uma vez que não obriga a quem assiste a processar o excesso de informação textual presente online.

Na era do digital e instantâneo, os consumidores gostam de conteúdo atrativo, agradável e fácil de assimilar e, como tal, estão mais dispostos a assistir a um vídeo do que a consumir outro tipo de conteúdo. E, prova disso, é que 79% dos utilizadores consideram-no como o melhor formato para acompanhar uma marca online, segundo dados do Brightcove.

Do ponto de vista de marketing, por norma, a tomada de decisão, por parte do consumidor, necessita de inputs emocionais e esta plataforma é a mais capaz de despertar emoções seja através de música, voz, imagem ou de comportamento verbal e não verbal.

Como incorporar o vídeo na estratégia da sua empresa?

A aposta segura nos vídeos assenta no facto de serem dos formatos que mais ROI dão às organizações, tendo mais partilhas e conseguindo interagir com as pessoas mais difíceis de aceder, devido à falta de disponibilidade. Mas para os implementar corretamente, existem vários passos que devem ser considerados. No nosso GuideBook partilhamos quais os passos e dicas mais importantes e que deve ter em conta, desde planear o conteúdo de vídeo marketing,  escolher os indicadores de desempenho, até às opções de vídeo que existem e à sua divulgação.

Boas-práticas para produzir vídeo 

Fazer um vídeo de qualidade não se baseia apenas em ligar o equipamento e clicar no botão de gravação. Mesmo que a expectativa não seja produzir uma longa metragem de alta qualidade, existem alguns pontos fundamentais que devem ser tidos em conta. Entre eles, um dos mais importantes é a questão da iluminação, do fundo, da câmara, ou até mesmo a definição da estratégia de divulgação – porque um dos passos mais importantes, depois de criar o vídeo é garantir que as pessoas o vão ver.

 

Guidebook Vídeo marketing BloomCast

 

Para saber mais sobre estratégias de Vídeos, consulte o nosso Vídeo Guidebook, que faz parte dos BloomCast Content Series, um documento desenvolvido pela BloomCast Consulting com o objetivo de fornecer informação útil e facilmente acionável para definir a linha comunicacional que deve ser utilizada na criação de vídeos, em contexto empresarial. Nele poderão encontrar as melhores práticas bem como algumas estatísticas e factos relevantes em relação a este formato.

Faça o download aqui! 

 

Procura mais informação para criar incríveis campanhas de vídeoContacte-nos! e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

Influencers: Proximidade, Influência e Estratégia.

Influencers Proximidade, Influência e Estratégia_BloomCast

O conceito de influência para o mundo da comunicação, publicidade e marketing não é novo, mas nos últimos anos têm, cada vez mais, ganho o seu espaço nas estratégias de comunicação. Isso, porque, por um lado, os consumidores são mais críticos e seletivos com o consumo de publicidade que incite a compra, mas também, porque os mesmos querem saber sempre um pouco mais sobre tudo, consumindo um grande volume de conteúdos. E é aqui que os influencers têm um papel fundamental, mas de que forma?

Não é difícil de compreender que o fenómeno dos influencers atingiu o seu auge devido à crescente importância e utilização das redes sociais, que impulsionou a visibilidade dos mesmos. Contudo, o seu sucesso deve-se principalmente ao facto de estes conseguirem criar uma ligação emocional com os seus consumidores, que as marcas dificilmente conseguiriam ter com os seus.

Desta forma, estas rapidamente compreenderam que mais facilmente chegariam aos seus consumidores através do intermédio dos influencers, uma vez que estes criam empatia e personificam a comunicação destas marcas com os seus consumidores. As grandes vantagens da utilização de influenciadores digitais nas estratégias de comunicação ou marketing é o facto de que estes conferirem endorsement e credibilidade às marcas, uma vez que, não são as próprias a falar de si mesmas, mas sim “alguém” que fala delas, transmitindo ao consumidor um maior grau de confiança. Isso, porque não sentem que lhes estão a vender algo, mas sim a recomendar.

Em Portugal, o mercado dos influencers no Instagram pode ser segmentado em quatro grandes categorias tendo em conta a dimensão da sua audiência:

  • Celebridades- Mais de 1M de seguidores
    • Esta categoria de influencer possui uma audiência mista, com diversos tópicos e temas de interesse, a relação com o influenciador é mais distante, contudo tem maior alcance.
  • Macro-Influencers100K a 1M de seguidores
    • Influenciadores que se enquadram nesta categoria podem ser considerados como “mini-celebridades”, porque são conhecidos por uma massa de seguidores relativamente grande. Estes possuem conteúdos de alta-qualidade relativo a um determinado gosto ou tema.
  • Micro-Influencers5k a 20K seguidores / Mid-Tier Influencers20K a 100K seguidores
    • Estes influenciadores produzem conteúdos para um nicho de audiência, com altos valores de engagement e conexão. Os mesmos podem estar presentes em praticamente em todos os setores de atividade, indo desde a saúde, fitness, empreendedorismo, viagens, tecnologia, entre outros.
  • Nano-Influencers1K a 5K seguidores
    • Estes influencers são consumidores, mas estão dispostos a partilhar experiências de consumo, mas têm pouco alcance e influência.

Estatisticas Influencers em Portugal

Fonte: State of Influencer Marketing in Portugal (2020)

A maior parte dos influencers portugueses enquadram-se na segunda categoria de influenciadores digitais (Micro-Influencers), com 48,4%, de seguida, surgem os Nano-Influencers com 25,5% e só depois, em terceiro lugar, vêm os Mid-Tier Influencers com 22,2%.

Influencers como Estratégia

Influencers como Estratégia_BloomCast

 Ao longo dos últimos anos, os influenciadores digitais têm vindo a ganhar, cada vez mais terreno nas estratégias de comunicação e marketing das marcas. Do ponto de vista do Modelo P.E.S.O (Paid Media, Earned Media, Shared Media e Owned Media), uma framework de apoio ao planeamento e implementação de estratégias de comunicação e marketing omnicanal de uma marca de forma simples, intuitiva e integrada, com relação direta aos objetivos de negócio.

Neste modelo, a relação com os influencers pode ser enquadrada como sendo “Earned Media”, uma vez que se refere à distribuição de conteúdos que são vinculados e não pago, em canais de distribuição de terceiros. A verdade é que, quando o assunto é relações com influencers, a linha que separa o que é “Earned Media” do que é “Paid Media” tem se desvanecido ao longo do tempo, mas isso não retira a sua validade ou eficiência enquanto tática de comunicação e marketing.

Gestão de Campanhas com Influencers

Tendo já uma framework estratégica preparada, é momento de delinear os principais pontos de uma campanha com influenciadores. O ponto de partida para uma campanha de sucesso é sempre a definição de objetivos, que devem ser específicos, determinados num espaço temporal e atingíveis.

De modo geral e sumário, poder-se-á destacar dois grandes objetivos de campanhas com influenciadores:

  1. Performance

São campanhas com objetivos de performance de gerar cliques, vendas, registos ou subscrições.

Métricas importantes:

  • Engagement Rate
  • Média de Comentários por Post
  • Média de Likes por Post
  1. Notoriedade

São campanhas com o objetivo de gerar visibilidade, posicionar e aumentar a reputação de uma marca.

Métricas importantes:

  • Alcance

Uma vez já definidos os principais objetivos, é momento de escolher os influenciadores certos para serem a os “rostos” da marca. Este ponto é tão importante quanto a definição dos objetivos. Abaixo estão alguns pontos que poderão ajudar no momento de escolher os influenciadores que melhor cumprem o propósito de uma campanha de comunicação:

  1. Análise de Conteúdos, Hashtags e Menções

Neste ponto é necessário avaliar se o tipo de conteúdos que o influenciador publica está alinhado com a linguagem da marca. Se os assuntos abordados se encaixam com o ADN da marca e com quem o influenciador trabalhou/ relacionou nos últimos meses. Estes dados são importantes numa primeira fase de diagnóstico e filtragem.

  1. Análise de Dados Demográficos

Aqui o fundamental é compreender, juntamente com o influenciador ou o agente se a audiência de um determinado influencer corresponde ao target definido pela marca para a sua campanha. Poderá ser interessante obter dados como a Idade, Género, localização entre outros.

  1. Análise de métricas de performance

Este pode ser considerado um dos pontos fulcrais, uma vez que este irá demonstrar o interesse que uma determinada audiência tem pelos conteúdos de um influenciador.

Para este efeito poderá ser interessante obter dados como o Engagement Rate, Média de Likes por Post, Média de Comentários por Post, Alcance Médio por Post e a Evolução da Conta

Relatório de Campanha

Influencers Relatório da Campanha_BloomCast

Tão importante como ter um bom suporte estratégico, uma boa definição de objetivos e uma boa escolha de influenciadores, é mensurar e avaliar os resultados de uma determinada campanha, tendo em conta os objetivos anteriormente definidos para a mesma.

Para isso, o Relatório de Campanha é fundamental, dado que é um documento no qual estará espelhado a performance e os resultados obtidos. Este são apenas alguns pontos que poderão auxiliar no momento de estruturar e elaborar este tipo de relatório:

  • Número de Likes;
  • Número de Comentários;
  • Visualizações;
  • Alcance;
  • Partilhas/ Guardados.

Além das métricas convencionais de avaliação, se pretender dar um passo a diante, poderá também utilizar métricas que lhe permita perceber qual o retorno sobre os seus investimentos em campanhas com influenciadores.

Campanha de Notoriedade

  • Avaliação de CPM (custo por mil impressões ou custo por mil contas alcançadas)

Influencers_CPM_BloomCast

Campanha de Performance

  • Avaliação de CPC (custo por clique)

 Influencers_CPC_BloomCast

 

 

  • Avaliação de CPA (custo por ação: compra, acesso, registo, subscrição)

Influencers_CPA_BloomCast

 

 

 

Este são alguns pontos fundamentais para uma boa análise de uma campanha com influenciadores, mas o mais importante é testar, testar novamente e otimizar, decerto que as métricas irão indicar qual o melhor caminho a seguir.

Os influenciadores são o caminho natural que as marcas têm trilhado em termos de comunicação e marketing. Estas, cada vez mais, terão de se tornar humanas, e os influenciadores poderão ter um papel fulcral nesse processo estratégico de humanização das marcas. Uma vez que, mais importante do que uma marca falar de si para o seu público, são terceiros (influenciadores e órgãos de comunicação social) falarem por ela, tornando a sua comunicação mais próxima, empática e persuasiva.

 

Se pretende ficar a conhecer outras Tendências de Comunicação para 2021 consulte o nosso artigo aqui. Ou se procura mais informação sobre como criar uma estratégia de comunicação eficaz para 2021, contacte-nos! e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

6 Tendências de Comunicação para 2021

Tendências de comunicação 2021_bloomcast_

2020 foi um ano de enormes mudanças digitais, após o impacto causado pela Covid-19, mas, quais serão as grandes tendências de comunicação para 2021?

As restrições impostas, ao longo do ano, quebraram os velhos hábitos e, em contrapartida, criaram novos, mas só este ano descobriremos de que forma essas mudanças se tornaram tão vitais. Enquanto que muitos anseiam pelo retorno ao “normal”, outros, já perceberam que a realidade será muito diferente daquilo que conhecíamos, à medida que emergimos com cautela num mundo onde a linha entre o físico e o virtual começa a ser cada vez mais ténue.

Se há algo que a pandemia nos veio ensinar é que a aposta numa forte estratégia de comunicação e no desenvolvimento de um plano de crise são fundamentais, pois, não só permitem às organizações manterem-se à tona, como também saírem desta pandemia numa posição ainda mais forte.

2020 foi um ano totalmente inesperado, mas também bastante desafiante, sobretudo, ao nível da comunicação. As empresas foram obrigadas a rever as suas estratégias de marketing e a adaptar-se, desde a criação dos home office, à passagem de todos os eventos físicos para digitais e ainda ajustarem-se face aos novos hábitos e necessidades dos seus Clientes.

Desta forma, esta nova realidade levou a que grandes indústrias e, consequentemente, as organizações, tivessem de se reinventar e criar novas tendências de comunicação, que se serão ainda mais relevantes neste novo ano. De acordo com a Reuters, 76% dos Líderes das organizações afirma que a Covid -19 veio acelerar os seus planos para a transição digital.

Assim, partilhamos, abaixo, 6 grandes tendências de Comunicação que as organizações devem analisar e considerar  ao delinear as suas estratégias para 2021.

1. Alterações dos hábitos de consumo de conteúdos / notícias:

Com o confinamento, assistimos a alterações no comportamento dos consumidores no que diz respeito ao consumo de conteúdos. Plataformas de séries e filmes, como a Netflix, a HBO, perfizeram  51% do consumo televisivo, no qual foram utilizadas por milhões de pessoas a nível mundial, superando o consumo da televisão tradicional – só a Netflix viu 16 milhões de novas inscrições para seu serviço nos primeiros três meses de 2020.

A nível nacional, de acordo com a Marktest, as duas plataformas principais no mercado português – a Netflix e a HBO Portugal – viram o seu número de subscrições crescer em 800 mil utilizadores, o que significa que quase um milhão de portugueses decidiu aderir às plataformas, apenas entre fevereiro e abril de 2020.

Apesar das plataformas de streaming terem tido um crescimento brutal, também a televisão portuguesa bateu recordes anuais durante o período da quarentena obrigatória. Segundo um estudo da Obercom, o consumo global de conteúdos informativos aumentou 67%, e a nível de leituras online cresceu cerca de 28% acima da média (comparativamente com números pré-Covid-19). Claramente, que a humanização das notícias, através de conteúdos que nos dizem respeito a todos, teve um papel preponderante neste crescimento, uma vez que os consumidores cada vez mais procuram estas fontes para oferecer informação válida a propósito do que está a acontecer à sua volta.

Tal como nas Plataformas streaming, também ao nível dos meios de comunicação, principalmente digitais, se tem registado um aumento das subscrições. Esta situação vem demostrar uma maior predisposição dos consumidores para a aderir a serviços pagos que lhes forneçam os conteúdos desejados, quer em meios de streaming quer noticiosos.

Por outro lado, a acompanhar esta situação, também temos assistido a uma alteração por parte dos órgãos de comunicação social, que são, cada vez mais, os que começam a “fechar” a maioria das suas publicações, apostando mais em conteúdos premium. Recentemente, a Revista Sábado foi um dos meios que também comunicou essa mudança, sendo que, cada vez mais, este ano, assistiremos a esta mudança que está a ser encarada como uma tendência de comunicação.

Tendências de comunicação Media_BloomCast

Tendências de comunicação Media_BloomCast

2. Marketing de Conteúdo:

A velha frase o “conteúdo é Rei” ainda continua a ser um facto.. Dado que , os Clientes ainda são movidos pela procura do melhor conteúdo, apesar da pandemia e da rápida evolução da tecnologia estarem a mudar a forma como o mesmo é entregue. Se há uns anos, criar apenas vídeos e conteúdo visual era o suficiente para que a marca conseguisse envolver um cliente, atualmente, já não o é. Cada vez mais, as organizações são forçadas a procurar novos formatos e canais para se destacarem.

Neste sentido, tornou-se urgente que as empresas aproveitem o conteúdo enquanto ferramenta fundamental para captar a atenção e fomentar o engagement do consumidor no digital, desenvolvendo estratégias sólidas e eficazes, que englobem variados formatos. Desde os tradicionais posts de blog, publicações no Social Media, Vídeos, e-Books, assim como as iniciativas de Branded content, que têm tido um crescimento bastante considerável.

Apesar de não ser novo, o conceito de storytelling manter-se-á, mas adaptado aos novos formatos. Continua a ser imprescindível criar conteúdos que fomentem a emoção e que permitam criar laços mais estreitos com a audiência.

Desta forma, seguindo as grandes tendências de comunicação, vários são os tipos de conteúdos que as empresas devem apostar:

2.1 Conteúdos de Vídeo:

O conteúdo efémero continua a crescer exponencialmente e prova disso é o sucesso do Instagram e do Facebook Stories, levando a que muitas marcas e criadores de conteúdos tenham passado a olhar para estas funcionalidades com outros olhos. Também o crescimento exponencial do Tik Tok em 2020 e o lançamento do Reels no Instagram vieram reforçar a relevância deste formato. Este ano, o formato foi introduzido este ano no LinkedIn (Stories) e Twitter (Fleets), onde os utilizadores podem partilhar pequenas atualizações para as suas audiências.

Os consumidores querem obter informações de forma rápida e fáceis de consumir e, neste contexto, os vídeos curtos e acessíveis por apenas 24 horas preenchem todas essas exigências e, por isso é mais fácil para as empresas conseguirem um maior engagement, por parte dos seus seguidores.

Em 2021, este tipo de conteúdo continuará a ganhar relevo, uma vez que é fácil de criar, devido à sua natureza mais casual e informal, assim como as transmissões ao vivo por meio das redes sociais continuarão em foco, dado que as pessoas começaram a privilegiar este formato de conteúdo e as empresas já se começam a adaptar.

Neste artigo, detalhamos como é que os vídeos serão uma das grandes tendências de comunicação para 2021.

2.2. Conteúdo em Imagem:

Atualmente, o crescimento das redes sociais mais visuais, como o Pinterest, impulsionou a importância do conteúdo em imagem. Esta rede é considerada como uma ferramenta de procura utilizada para encontrar referências para viagens, moda, decoração, receitas de culinária e, por isso, a qualidade das imagens  dos produtos deve ser mais valorizada.

Contudo, importa referenciar que o uso de técnicas de SEO nas imagens será, igualmente, imprescindível, já que o conteúdo visual de uma empresa pode ser encontrado no Google Imagens, por meio da sua descrição.

2.3. Podcasts:

Também o áudio está a ganhar cada vez mais espaço entre os conteúdos digitais, uma vez que podem ser consumidos de uma forma mais fácil, prática e em qualquer lugar. De acordo com a Apple Podcast, existem mais de um milhão de programas e 30 milhões de episódios ativos.  O número de podcasts está a crescer de forma exponencial, sendo que foram lançados mais de 63.000 novos programas só em março de 2020, em comparação com pouco mais de 25.000 adições em setembro de 2019.

Neste sentido, os podcasts estão realmente a destacar-se e não existem sinais de desaceleração, até pelo contrário, continuarão a ser uma das grandes tendências de comunicação para este ano. Até porque, na realidade, este processo é mais fácil do que a maioria considera, uma vez que com as indicações certas, apostar na criação de podcasts poderá revelar um ótimo retorno, dado que é ainda uma ferramenta pouco explorada, comparativamente com os restantes canais de conteúdo, com apenas 1 milhão de podcasts ativos (relativamente a 500 milhões de blogs ativos).

Aqui, identificamos todas as vantagens que um podcast pode representar para uma organização e de que forma pode implementar esta tendência de comunicação.

Tendências de comunicação podcast_Bloomcast

Tendências de comunicação podcast_Bloomcast

3. SEO

Nos últimos anos, as técnicas de SEO (Search Engine Optimization) evoluíram drasticamente quanto as atualizações do Google e, neste momento, requerem muito mais do que desenvolver um ótimo conteúdo. Apesar da importância dos resultados orgânicos que o SEO é capaz de alcançar, é fundamental que se tenha em conta mais do que isso. Isto porque o Google tem vindo a adaptar-se aos comportamentos dos utilizadores, de modo a que estes obtenham de forma rápida à informação pretendida na sua pesquisa.

Desta forma, a organização na sua estratégia deve ter em consideração algumas das seguintes tendências de SEO:

A experiência do utilizador (UX) – é fulcral que se tenha em consideração a experiência dos consumidores com os canais de comunicação das empresas, de modo a que estes ofereçam uma experiência completa. Ou seja, ao acederem a website da marca, os visitantes devem encontrar páginas de carregamento rápido, menus intuitivos e outros elementos que tornem a pesquisa mais rica e eficiente.

–  Intenções de pesquisa dos consumidores – esta tem sido uma das prioridades do Google há muito tempo, sendo que o objetivo é oferecer conteúdos que respondam realmente às necessidades dos utilizadores. Assim, é essencial que procure identificar e compreender as reais necessidades do seu público de forma a desenvolver conteúdos que satisfaçam as suas pesquisas, permitindo assim às empresas obter uma boa posição nos motores de pesquisa.

– Conteúdo Longo De acordo com um estudo da State of Content Report leituras longas, com mais de 3 mil palavras, obtêm três vezes mais tráfego, quatro vezes mais partilhas e 3,5 vezes mais backlinks do que a média de artigos (901-1,2 mil palavras). Esta situação deve-se ao facto de o Google querer garantir ao Consumidor que o conteúdo que estão a consumir é realmente de qualidade e, para isso, é necessário obter conteúdos mais extensos. O que contribui para o aumento do alcance orgânico da marca e para o desenvolvimento da sua autoridade digital, obtendo melhores classificações no motor de pesquisa.

–  Posição Zero no SERP – São as pesquisas que aparecem no topo da página e, neste momento, mais de 50% das pesquisas no Google terminam sem que o utilizador clique em nada. Deste modo, o conteúdo criado deve ser capaz de responder diretamente às perguntas inseridas pelos utilizadores na barra de pesquisa, para que este encontre exatamente o que procura no próprio Google sem ter de clicar em mais nada. Esta é uma tendência que foi implementada no início de março, mas que se irá manter com uma das principais tendências de comunicação para 2021.

– Por último, as empresas devem ter em consideração cada vez mais detalhes comos featured snippets, os rich snippets e o Google My Business, e para técnicas que destaquem os seus clientes nas páginas de respostas a perguntas, por exemplo.

Tendências de comunicação SEO_BloomCast

Tendências de comunicação SEO_BloomCast

4. Eventos Virtuais

Impulsionados também pela pandemia, os eventos virtuais dispararam no ano passado como resposta das empresas à necessidade de não cancelarem totalmente os eventos já planeados. Embora tenham surgido em prol do contexto vivido, tornaram-se, sem dúvida, uma tendência de comunicação para 2021! Os departamentos de marketing descobriram aqui vantagens face aos eventos físicos, mas tiveram de se adaptar para conseguirem tornar estes eventos digitais mais fascinantes.

A principal vantagem de passar estes eventos para o digital é, sem dúvida, a sua disponibilidade e facilidade em participar, desde que tenha uma ligação online em funcionamento, independentemente da sua localização no mundo. Este novo formato permitiu às empresas alcançar audiências inteiramente novas, que, por norma, não estão disponíveis, dar acesso a mais participantes no geral e também conciliar com o streaming, e diferentes instrumentos e plataformas online para tornar o seu evento ainda mais interessante e abrangente.

Para além disso, os eventos virtuais não requerem um grande orçamento, o que significa custos mais baixos e um maior ROI.

Em 2021, os eventos virtuais continuarão a ser uma ferramenta popular, uma vez que, segundo a Marketing Charts, 68% das empresas B2B organizadoras de eventos, refere que o virtual será uma componente cada vez maior dos eventos físicos e que muito possivelmente, no futuro, apostar-se-á mais em eventos híbridos.

5. Vendas diretas através das Redes sociais

Em 2020, o e-commerce atingiu o seu auge, algo que se prolongará em 2021. As vendas através de plataformas como o Facebook, o Instagram e o Pinterest cresceram exponencialmente e ganharam bastante relevo. Exemplo disso é a criação do Instagram Shopping ou a chegada dos pagamentos via WhatsApp que vieram demonstrar que as redes sociais estão cada vez mais integradas no e-commerce.

Esta está a ser uma forma das marcas se reaproximarem dos seus consumidores e, atualmente, está a tornar-se numa fonte de retalho mainstream, igualmente importante a websites e lojas físicas, como explicamos neste artigo.

Posto isto, torna-se essencial que empresas dominem e invistam neste tipo de plataformas, de modo a demonstrarem aos seus Clientes que estão a acompanhar as tendências de comunicação.

Tendências de comunicação Comércio Social_BloomCast

Tendências de comunicação Comércio Social_BloomCast

6. A procura por influenciadores autênticos

Por norma, os influencers são acompanhados por milhões de pessoas, prontas para consumir o que eles divulgam. Mas, se antes os macroinfluenciadores eram a escolha mais segura para as marcas, atualmente, os microinfluenciadores, que têm entre 5000 a 100 000 seguidores, começaram a ganhar cada vez mais espaço. Estes têm um papel mais relevante junto dos seus seguidores e até mesmo com uma taxa de engagement superior aos influenciadores com milhões de seguidores, devido à sua perceção de autenticidade.

Perante este contexto, as empresas estão cada vez mais a investir em influenciadores de nicho de forma a comunicar os seus conteúdos o mais ajustados possíveis aos interesses dos seus consumidores, sendo esta também uma forma de as empresas gerirem os seus orçamentos. Dado que um grupo de microinfluenciadores, com públicos pequenos, mas altamente convertidos, pode ser um investimento mais sensato, do que a parceria com um único macroinfluenciador e mais caro.

Por outro lado, também a personalização e a melhoria da experiência ao Consumidor se assumiram como grandes tendências de comunicação no ano que passou, sendo que, de acordo com o relatório da Hubspot , 71% dos consumidores são mais propensos a fazer compras com base em referências de redes sociais.

Contudo, se há algo que 2020 nos mostrou, é que os consumidores estão profundamente envolvidos com os influenciadores que seguem. E, neste sentido, para além de dicas de moda, novas receitas, decoração, os consumidores querem também saber quais são as causas pelas quais os seus influenciadores preferidos são movidos e as suas preocupações, o que significa que as empresas devem ser criteriosas na identificação dos influenciadores para representar a sua marca, analisando o seu alcance, gostos e de que modo interagem com seus seguidores, para garantir que fazem a escolha correta.

Assim, aliar o melhor canal ao influenciador mais adequado pode ser a receita para as empresas serem percecionadas com maior empatia pelo público, aumentando, consequentemente, o consumo de seus produtos ou serviços e, logo, os seus resultados.

Um exemplo recente deste tipo de apostas é o Minipreço que utilizou a rede social TikTok e os seus respetivos microinfluenciadores para lembrar jovens que os mais velhos estão em risco.

 

 

Todos os anos, chegamos a esta altura e fazemos previsões de quais serão as grandes buzzwords ou tendências de comunicação. No entanto, se há algo que 2020 nos ensinou é que ninguém é capaz de prever exatamente o que acontecerá nos próximos anos, ainda para mais numa altura tão instável como a que vivemos.

Este ano, certamente, novos desafios chegarão, mas se tivermos a capacidade de apontar um caminho, com base numa estratégia e executarmos com foco no cliente, conseguiremos obter resultados inimagináveis.

 

Para saber quais as Tendências de Redes Sociais para 2021 consulte o nosso artigo aqui. Ou se procura mais informação sobre como criar uma estratégia de comunicação eficaz para 2021, contacte-nos! e descubra como podemos ajudá-lo a inovar a sua comunicação.

1 2 3 4